Venda de Cão de Guarda Em Cachoeira Do Sul RS - WalkerDog

Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois e Rottweiler

Venda de Cães de Guarda Em Cachoeira Do Sul Rio Grande do Sul- WalkerDog


Venda de Filhotes de Cães centro canino walkerdog Está querendo comprar um cão de guarda e mora em Cachoeira Do Sul RS? Conheça os cães de guarda adestrados do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog cria para venda Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Doberman e Buldog Campeiro.

Nossos cães são selecionados para trabalho de faro e proteção, excelentes amigos da família, confiáveis com as crianças, mas protetores contra invasores, possuem adestramento, campo e pista de esporte para se exercitar e controlar energia, são criados junto de nossas crianças com total confiança, vacinas importadas e ração premium. Filhotes só são vendidos com atestado de saúde por veterinário. Com a crescente violência, o despreparo da segurança pública e privada, estamos cada vez mais desprotegidos.

Cães são auxilios indispensáveis na segurança, não temendo arma de fogo, não aceitando suborno e treinado são poderosos guardiões contra invasores. Veja como um cão pode proteger sua família

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Pastor Alemão em Cachoeira Do Sul RS

Está querendo comprar um cão de guarda da raça Pastor Alemão e mora em Cachoeira Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog vende cães de proteção da raça Pastor Alemão. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Pastor Alemão entre em contato conosco.

O Pastor Alemão Capa Preta é um dos cães mais inteligentes e é muito dedicado à sua missão. É uma raça muito versátil, devotado, leal e fiel aos donos. Convive muito bem com outros animais domésticos.

Eles são cães calmos e ficam ainda mais quando adultos. Não é um cachorro medroso, adora receber carinho e elogios da família. É um cão vigilante e alerta e pode ser um pouco reservado com estranhos. Caso não deseja tê-lo pra guarda, acostume-o desde cedo à presença de visitas e pessoas que ele não conheça.

O pasto alemão é um cão muito atento e tem um olfato invejável, por isso é muito usado pela polícia, sendo até chamado de “cão policial”. Na polícia ele é usado para ataque, rastrear drogas, buscar corpos em escombros e localizar pessoas desaparecidas.

O Pastor Alemão tem mais o perfil de defesa do que de ataque. Não deve ser criado pra atacar, pois pode se tornar muito violento. É uma raça que se dá bem com crianças e idosos, são pacientes e tranquilos.

Adestramento de Pastor Alemão: Pastor-alemão ou cão-lobo-da-alsácia é uma raça canina proveniente da Alemanha. Em sua origem era utilizado como cão de pastoreio de rebanhos. Atualmente é mais utilizado como cão de guarda e companhia.

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Pastor Belga Malinois em Cachoeira Do Sul RS

Está querendo comprar um de cão de guarda de raça Pastor Belga Malinois e mora em Cachoeira Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

Sempre alerta e em movimento, o Pastor Belga é bastante brincalhão, vigilante e protetor além de ser um cachorro muito forte. Ele pode ser indiferente com estranhos e alguns podem ser bravos e até avançar. Esta raça é inteligente e dócil mas independente. Ele é o protetor de sua casa e família. O pastor belga milanois é a raça mais utilizada pela polícia norte americana.

O Pastor Belga precisa de exercitar bastante, o que pode ser uma corrida longa ou um uma seção longa e cansativa de brincadeiras como correr atrás de uma bolinha. Ele precisa de espaço para se movimentar durante o dia e faz melhor e por isso será ótimo se tive um quintal grande. É necessário levar para escovar e pentear seus pelos duas vezes por semana. Sua pelagem dupla precisa escovar e pentear duas vezes por semana.

Adestramento de Pastor Belga Malinois: Pastor-belga Malinois é uma das quatro variedades da raça Pastor-Belga, originária da Bélgica. De pelagem curta, de cor fulvo-encarvoada, é nativo da região de Malinas e tido como um dos mais comuns entre os pastores belgas

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Rottweiler em Cachoeira Do Sul RS

Está querendo comprar um cão de guarda da raça Rottweiler e mora em Cachoeira Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog vende cães de proteção da raça Rottweiler. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Rottweiler entre em contato conosco.

O Rottweiler é um cão amável e divertido, mas ao mesmo tempo ele é muito poderoso. Um adestramento de obediência de rottweiller adequado desde filhote e a socialização são extremamente necessários. Essa raça pode ser muito territorial e protetora de sua família e casa. Rottweilers podem ser bem intimidadores e ainda carregam a fama de serem bravos, mas eles são ótimos para famílias e podem ser muito dóceis também.

O Rottweiler tem um pêlo curto e brilhante, de fácil manutenção. Escovar regulamente para tirar o excesso de pelos mortos é suficiente para mantê-lo bonito. Dar banho com muita frequencia vai tirar a oleosidade natural de sua pele, causando sérios problemas dermatológicos.

Rottweilers adoram aprender e serão excelentes se tiverem oportunidade. Treino de obediência é essencial, já que essa raça pode se tornar bem destrutiva se não for estimulada. É preciso uma pessoa forte, firme e dominante quando for treinar esse cão poderoso. O Rottweiler é extremamente inteligente para adestramento e se sai muito bem em diferentes esportes, mas também pode ser teimoso. Ocupam o 9º lugar no ranking de inteligência canina.

Adestramento de Rottweiler: Rottweiler é uma raça canina desenvolvida na Alemanha. Cão criado por açougueiros da região de Rottweil para o trabalho com o gado, logo tornou-se um eficiente animal de guarda e pastoreio, além de ser útil na tração.

Dados para contato e localização

centro canino walker dog - contato

Adestramento de Cães em Cachoeira Do Sul Rio Grande do Sul
Cidade: Cachoeira Do Sul
Estado - País: Rio Grande do Sul - BRA
Telefone: 55 (51) 9 97613537 (vivo) e (51) 9 91519690 (claro)
Email : alexsandro0113@hotmail.com
Url:

Vídeos de Venda de Cão de Guarda ou Proteção do Centro Canino WalkerDog

Cão de guarda evita roubo carro - simulação

Vídeo 04 WalkerDOG Cão salvando o dono de perigo

Sequestro com refém termina mau. Cães e homens juntos!

centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Raça centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 04 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães dePastor Belga Malinois 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois Com 03 Meses a centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois Com 03 Meses b

O Centro Canino WalkerDog Vende de Filhotes de Cães de Raça para moradores de diversos municípios

Dados de Cachoeira Do Sul - RS
Area em km2= 3735
Populacao = 83827
PIB Per Capta = R$ 0

HISTORIA
Ver artigo principal: História de Cachoeira do Sul A história da cidade confunde-se com as disputas territoriais entre Portugal e Espanha no sul do Brasil. Fundação e período colonial[editar | editar código-fonte] A história do município inicia em 1750, quando tropas portuguesas vindas de São Paulo receberam sesmarias e começaram a povoar a área em volta ao Rio Jacuí, para segurança ao cumprimento do Tratado de Madri. As tropas estabeleceram-se com estâncias de criação de gado bovino. Para demarcar a linha de fronteira foi designado para ir ao Rio Grande do Sul, o governador e capitão general do Rio de Janeiro e Minas Gerais, Gomes Freire de Andrade, Visconde de Bobadela, acompanhado por uma comissão técnica e tropas dos exércitos espanhol e português.[9] Em 1754 ocorreu a Guerra Guaranítica, onde os índios residentes nas Missões se revoltaram contra o poder da Coroa Portuguesa, da Coroa Espanhola e os padres jesuítas.[10] Com a derrota dos indígenas, alguns deles foram recolhidos por portugueses e formaram uma pequena aldeia no Cerro do Botucaraí. Em 1769 foram levados para o Passo do Fandango, onde construíram a capela de São Nicolau. O lugar é hoje o bairro Aldeia. É nessa época que a pequena vila, formada de açorianos e índios, começa a ser chamado de Cachoeira, devido às quedas d'água do Rio Jacuí que havia no local. Em 10 de julho de 1779, a Capela foi elevada à categoria de Freguesia, com a denominação de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira. Em 28 de setembro de 1799, foi inaugurado o novo templo católico, a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição. Em princípios de 1800, a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira entrou num período de crescimento demográfico, comercial e urbano. Contingentes oriundos das guerras de demarcação instalaram-se na povoação; casas comerciais efetuavam transações com o mercado do centro; a cidade ganhou seu atual traçado, elaborado por José de Saldanha, engenheiro, tendo a Praça da Igreja como ponto central. Atendendo a uma aspiração da população cachoeirense, o Alvará de 26 de abril de 1819 elevou a Freguesia à categoria de vila, por ordem do rei Dom João VI, com nome de Vila Nova de São João da Cachoeira, sendo o quinto município a ser criado, precedido de Porto Alegre, Rio Grande, Santo Antônio da Patrulha e Rio Pardo. A solenidade de instalação do município ocorreu a 5 de agosto de 1820, inaugurando-se o Pelourinho, antigo símbolo da autonomia municipal. Após a criação do município, iniciou-se um período de organização política, social e administrativa.[11] Período imperial[editar | editar código-fonte] Cachoeira sofreu vários investimentos em seu período imperial, evidenciando-se o desenvolvimento nos seguintes aspectos: criação de aulas públicas (1827); organização dos serviços dos Correios (1829); estabelecimento das Posturas Municipais, (1830); construção do edifício do Paço Municipal e entrega do mesmo à Câmara (1865). Na Revolução Farroupilha, Cachoeira se evidenciou por ser terra natal de um dos líderes da guerra: Antônio Vicente da Fontoura. Alguns a consideram como uma das capitais Farroupilhas pois Caçapava, a segunda das seis capitais, ainda não emancipada, na época pertencia ao Município de Cachoeira. Em 1857 chegam os primeiros imigrantes alemães, dirigindo-se à Colônia Santo Ângelo, região hoje compreendida nos municípios de Agudo, Paraíso do Sul, Novo Cabrais, Cerro Branco, Dona Francisca, Nova Palma e Restinga Seca. Essas famílias alemãs dedicaram-se à agricultura, especialmente ao cultivo do arroz. Já a colonização italiana se dá a partir de 1877, quando as primeiras famílias estabelecem-se em Cortado, vindas da Quarta Colônia. Depois, essas famílias transferem-se para a cidade trabalhar no comércio cachoeirense.[12] Em 1859, a Lei de 15 de dezembro concedeu o foro de cidade à sede do município de Cachoeira, e a solenidade de elevação à categoria de cidade ocorreu na sessão da Câmara de 10 de janeiro de 1860, presidida por Miguel Cândido da Trindade. Em 1876, Cachoeira foi ligada a Porto Alegre por linha telegráfica. Alguns anos depois, em 7 de março de 1883, chegou à Estação Ferroviária de Cachoeira, a primeira locomotiva, inaugurando a estrada de ferro Porto Alegre - Uruguaiana. Período republicano[editar | editar código-fonte] Cartão-postal de 1918, o qual mostra a antiga Estação Ferroviária de Cachoeira do Sul. Imagem de 1926 mostrando o Château d'Eau, o antigo Teatro Municipal e a Sede da Prefeitura. No ano de 1900, a agricultura começa a modernizar-se e acaba por impulsionar a economia cachoeirense, sendo cultivados diversos hectares de arroz, e aplicados altos investimentos em engenhos de beneficiamento de arroz. Dos que se destacam, está o Engenho Roesch. Nesta época também se dá um impulso no número de habitantes, que chegam na cidade interessados no comércio.[11] O enriquecimento cultural também chega, com diversos eventos e encontros. Nesta época até os anos 1920 que são construídos os prédios de maior valor cultural da cidade, tais como a atual Casa de Cultura e a Câmara de Vereadores.[13] É no início da década de 1920 que Cachoeira atinge a liderança brasileira na produção de arroz, fato este que ganhou o apelido de "Capital Nacional do Arroz". Em 1924 é terminada a construção do 3° Batalhão de Engenharia e Combate Conrado Bittencourt e, em 1925, é inaugurado o monumento símbolo da cidade: o Château d'Eau. A economia cachoeirense, que estava bastante desenvolvida e adiantada, estando nos primeiros lugares dos números populacionais e demográficos, passa por uma crise nos anos 1930: uma infestação de gafanhotos toma a cidade, devorando diversas plantações.[14] Em 1941, após uma breve alta na economia e com a safra recorde de arroz, é realizada a Festa do Arroz. A festa foi um sucesso, porém ninguém esperava o que iria acontecer depois: com as sequentes chuvas, o Rio Jacuí transbordou e a parte baixa da cidade foi invadida pelas águas do rio, sendo essa a maior enchente que o município vivenciou. Por causa disso, a economia cachoeirense quebrou.[15] Em 1944, para não haver problemas burocráticos entre o município e a cidade de Cachoeira, no estado da Bahia, mudou-se o nome de Cachoeira para Cachoeira do Sul. Nos anos 1950 acontecem os principais avanços no transporte cachoeirense: a Transporte Nossa Senhora das Graças entra em operação, dando início ao transporte coletivo em Cachoeira do Sul. Em 1955 entra em funcionamento a estação rodoviária, localizada, na época, ao lado da Estação Ferroviária de Cachoeira do Sul. Na década de 1970 os dois endereços mudam para lugares diferentes na cidade. Em 1961 é construída a Ponte do Fandango. Na década de 1970, os engenhos e as lavouras de arroz voltam a movimentar continuadamente a economia local, transformando Cachoeira do Sul em um polo regional, com grande desenvolvimento. Nessa época surge o rumor de ser erguida na cidade uma Universidade Federal, porém ela vai para Santa Maria. Também está nos planos de engenheiros da BR-290 cruzar a cidade, mas por falta de movimentação local, esse plano não se conclui, fazendo com que a estrada passasse às margens da Vila Piquiri. Por conta disso, é inaugurada a Rodovia Transbrasiliana, a BR-153, no trecho entre Rincão dos Cabrais e a BR-290, ligando Cachoeira a Santa Cruz do Sul e Porto Alegre. A prosperidade do município, nos anos 1980 faz com que seja construída a Centralsul (uma cooperativa para distribuição de arroz e soja) e a plataforma de cargas do Porto de Cachoeira do Sul. Contudo, a economia local dá sinais de estagnação e a Centralsul, uma das maiores cooperativas de arroz do Rio Grande do Sul, anuncia a sua falência cinco anos depois de sua construção. Assim, a população começa a sair do município e migrar para outros centros de consumo. Hoje, o município enfrenta o desafio de acabar com o trauma da estagnação desde os anos 1980 e que se arrastou durante toda a década de 1990. Com atrativos, a cidade está vivenciando um processo de industrialização com novas empresas, como Granol e Aracruz Celulose. Também chega para a cidade o Centro Regional IV da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, dentre outras instituições. Emancipações[editar | editar código-fonte] Por ter um território vasto, Cachoeira do Sul teve consequentes desmembramentos. Em 1831, com a Lei de 25 de outubro, separou do município de Cachoeira, os de Alegrete (com Santana do Livramento), e Caçapava do Sul (com São Gabriel), elevando-os à condição de vilas. Em 1857, separou-se a Freguesia de Santa Maria que foi elevada à vila, por decreto de 16 de dezembro daquele ano. Em 1959 emancipam-se o 5º e o 6º Distritos de Cachoeira, formando os municípios Faxinal do Soturno e Agudo, este último parte da antiga Colônia de Santo Ângelo e o primeiro parte da antiga Colônia Silveira Martins, a Quarta Colônia de Imigração Italiana. No ano seguinte, é criado o município de Nova Palma, que também engloba parte do antigo território Cachoeirense. Os municípios Dona Francisca e São João do Polêsine emanciparam-se de Faxinal do Soturno em 1965 e 1992 respectivamente. Também surgiram do território cachoeirense os municípios de São Sepé, em 1876, (deste último, Formigueiro, em 1963) e Restinga Seca, em 1960. Em 1988 Paraíso do Sul e Cerro Branco conseguem emancipação e, em 1996, foi a vez de Rincão dos Cabrais possuir autonomia, sob o nome de Novo Cabrais.
ECONOMIA
Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Cachoeira Do Sul localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 3735.2 de quilometros quadrados. A população total de Cachoeira Do Sul é de 83827 pessoas, sendo 40378 homens e 43449 mulheres. A população na área urbana de Cachoeira Do Sul RS é de 71700pessoas, já a população da árae rual é de 12127 pessoas. A Densidade demográfica de Cachoeira Do Sul RS é de 22.44. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Cachoeira Do Sul RS é que 20.1% tem entre 0 e 14 anos de idade; 67.81% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 12.09% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Cachoeira Do Sul localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Evolução do Produto Interno Bruto (PIB)[49] Ano PIB (US$) Posição no RS 1999 2000 2001 2002 2003 2004 285.150.856 39° 238.938.685 41° 225.721.768 43ª 211.968.613 51ª 222.901.983 45ª 252.818.568 43ª Cachoeira do Sul pertence a região econômica da Metade Sul do Rio Grande do Sul, grupo de municípios que teve prosperidade na primeira metade do século XX graças à agropecuária, mas que não se industrializaram ou tiveram uma industrialização tardia, mantendo seus tradicionais tipos de economia, empobrecendo e perdendo a concorrência para outros municípios. O Produto Interno Bruto cachoeirense é de R$ 690.396.000,00, sendo o 46º maior do Rio Grande do Sul em 2005. Destes,[50] R$ 91.484.000,00 provém da agropecuária; R$ 94.670.000,00 acrescentado da indústria e R$ 441.221.000,00 adicionado aos serviços, somando R$ 63.020.000,00 de impostos. O retorno do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) possui índice de 0,522799, estando, em 2006 na 38ª posição entre os maiores do estado.[43] Em 2005, a cidade teve uma exportação de produto equivalente a US$ 3.939.377,00.[49] No município há 790 estabelecimentos industriais, 4.494 comerciais, 2.863 de serviços e 4.339 estabelecimentos autônomos.[11][51] A força de trabalho formal em Cachoeira está em 10.937 pessoas, sendo um recorde na geração de empregos, com um saldo de 696 colocações no mercado de trabalho.[52] A área que impulsionou esse marco foi a indústria, com a criação de 448 empregos nesse setor. Assim, o município ficou a 21ª posição dentre as cidades que mais criaram postos de trabalho no Rio Grande do Sul.[11] O poder de compra do cachoeirense também está maior devido à industrialização: em 2008 a população deve investir R$ 933.492.698,00 em produtos, um consumo per capita de R$ 12.190,00, sendo o 23° município com maior poder de compra do Rio Grande do Sul.[53] A economia de Cachoeira do Sul está distribuída da seguinte forma: Composição da economia de Cachoeira do Sul[51] Comércio | 8 48 % Indústria | 10 07 % Agropecuária | 28 37 % Serviços | 61 56 % Agricultura[editar | editar código-fonte] Produto agrícola Produção Produto frutífero Produção Arroz 252.000 toneladas Soja 115.200 toneladas Milho 18.000 toneladas Mandioca 16.000 toneladas Trigo 12.000 toneladas Cana-de-açúcar 2.730 toneladas Fumo 2.600 toneladas Cevada 2.400 toneladas Sorgo 1.200 toneladas Batata-doce 480 toneladas Tomate 120 toneladas Batata inglesa 80 toneladas Cebola 80 toneladas Feijão 24 toneladas Alho Oito toneladas Laranja 936 toneladas Tangerina 410 toneladas Melancia 250 toneladas Abacate 150 toneladas Limão 120 toneladas Pêssego 84 toneladas Noz pecã 78 toneladas Goiaba 77 toneladas Pêra 66 toneladas Uva 64 toneladas Figo 63 toneladas Melão 24 toneladas Banana 20 toneladas Caqui 20 toneladas Maçã 16 toneladas Amendoim Seis toneladas Produtos agrícolas e frutíferos de Cachoeira do Sul, segundo IBGE em 2006 e 2007.[54][55] Cachoeira é caracterizada como "cidade agropecuária" e tendo vocação para o agronegócio, por causa das várias lavouras de arroz, milho e soja e as diversas cabanhas (locais dedicados à criação de gado) presentes no interior do município. Há, ainda, produção de noz-pecã, sendo a maior produtora desse tipo de fruto na América Latina. Vem ganhando destaque a produção de olivas e produção de azeite de oliva de ótima qualidade, segundo publicações da área. A produção pecuária, em 2006, se deu pela seguinte forma:[56] 191.216 cabeças de bovinos, 111.318 cabeças de frangos, 68.729 cabeças de galinhas, 60.215 de ovinos, 10.377 de suínos, 4.753 de eqüinos, 3.869 de caprinos, 876 de coelhos, 567 de bubalinos, 293 de codornas, 41 de asisinos e 36 cabeças de muares. Ainda produziu 6.758 cabeças de vacas ordenhadas, 51.947 cabeças de ovinos tosqueados, 7.122 litros de leite, 114.602 quilos de lã, 782 mil dúzias de ovos de galinha, três mil dúzias de ovos de codorna e 78.500 quilos de mel de abelha. Na área de silvicultura, foram produzidos 18 toneladas de carvão vegetal, 13.194 metros cúbicos de lenha e 251 m³ de toras de madeiras.[57] Indústria[editar | editar código-fonte] A indústria de Cachoeira é influenciada pela agricultura. O governo municipal prevê que em 2010 ela colocará R$ 500.000.000,00 no Produto Interno Bruto do município.[58] O destaque industrial é o beneficiamento do arroz por empresas como Engenho Moraes, Coriscal, Engenho Trevisan e Engenho Treichel. O beneficiamento de soja vem sendo feito pela Granol, empresa que promete trazer novos empregos para a cidade e reativar o Porto de Cachoeira do Sul. A Granol, além de beneficiar soja, irá fabricar biodiesel, assim nomeando-se Grandiesel. Outra empresa que está chegando à cidade é a Aracruz Celulose, que está acelerando a produção de eucalipto na região do Piquiri. Uma das poucas empresas que não são influenciadas pela agricultura é a Schimidt Calçados. Inaugurou uma filial da indústria na cidade, e confecciona sapatos para serem vendidos na Europa. Junto com ela, há uma sistemista, a Calçados Fama, que forma um polo calçadista no município. A cidade também é o maior polo brasileiro de confecção de balanças mecânicas. Estão localizadas na zona urbana as duas empresas líderes de produção nacionais: a Balanças Cauduro e a Metalúrgica Brião.[59] Para incentivar a indústria local, a empresa CTSul possui um plano de construção de uma termelétrica na região do Piquiri por esta ter grandes jazidas de carvão mineral. Se tal projeto vier a se concretizar, receberá financiamento internacional orçado em mais de 700 milhões de dólares. A termelétrica, de tecnologia chinesa, deverá gerar 600 megawatts hora quando estiver em pleno funcionamento. O projeto está sendo analisado pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental para medir o impacto ambiental na natureza.[60] Para a antiga jazida de carvão mineral existente na localidade do Iruí, se tem um plano para a construção de um aterro sanitário de âmbito regional. Na localidade de Mineração Palermo, em Cordilheira, existe a Carbonífera Palermo, da empresa Copelmi, que beneficia o carvão mineral existente lá. Em 2005 foram produzidos 101,1 toneladas desse minério e, desse total, 54,2 toneladas foram beneficiadas.[61] Comércio[editar | editar código-fonte] O comércio também é determinado pela agricultura, sendo o setor da economia cachoeirense que mais emprega.[62] Estão presentes na cidade (especialmente nas ruas Júlio de Castilhos e Sete de Setembro) filiais de grandes lojas de repercussão regional, estadual e nacional, assim gerando e desenvolvendo o terceiro setor na cidade. Ainda há supermercados, farmácias, pequenas lojas e um "camelódromo". Há muitas instituições regionais sediadas na cidade que coordenam o comércio local. Dentre as principais, estão o Serviço Social do Comércio e a Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Cachoeira do Sul (Cacisc). Há também o Serviço de Proteção ao Crédito, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e a Câmara dos Dirigentes Lojistas. Turismo[editar | editar código-fonte] Château d'Eau é o principal ponto turístico da cidade. O Wikivoyage possui o guia Cachoeira do Sul Cachoeira do Sul possui em seu turismo aspectos da sua história. Desde 2005 o governo tem se empenhado em transformar o município em um polo turístico. O cartão-postal do município é o Château d'Eau (Castelo das Águas, traduzido da língua francesa para a língua portuguesa), inaugurado em 1925 para bombear água até as partes mais altas da cidade, foi desativado em 1980. Em 2007 foi reconhecido pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul como patrimônio histórico do estado. A fonte foi restaurada entre 2016 e 2017 e voltada a sua aparência original, sem jatos de agua saindo dos cântaros (o que foi uma alteração dos anos 60). À sua frente está a Catedral Nossa Senhora da Conceição, templo católico inaugurado em 1799. Os dois monumentos fazem alusão à figura mitológica de Netuno e à figura católica de Nossa Senhora da Conceição, que possuem estátuas no topo do Château d'Eau e da Catedral, respectivamente. Catedral Nossa Senhora da Conceição. A Sede da Prefeitura do município foi inaugurada em 1865 para ser uma cadeia. Durante a Guerra do Paraguai, serviu de hospital para a recuperação de soldados. Após, foi sede dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Em 1982 passou a ser somente a sede da Prefeitura Municipal. Outros templos, como a Igreja Santo Antônio (construída em estilo barroco), a Igreja São José (em um estilo novo, em formato redondo, e possui um dos maiores complexos da região com o templo principal, outro menor, pavilhão, sede da paróquia, transmissora da Rede Vida e da TV Canção Nova) e o Templo Martinho Lutero (construído por alemães e principal símbolo luterano na cidade) também são muito procurados. A Ponte de Pedra, localizada a 5 km da cidade, foi a principal passagem da região centro até Porto Alegre, no século XIX. A ponte faz a travessia entre as duas margens do rio Botucaraí e, diz a história, que Dom Pedro II já atravessou-a.[63] Ponte do Fandango. A Ponte do Fandango, outro principal cartão-postal da cidade, foi inaugurada em 1961 para facilitar o acesso da cidade com Porto Alegre. Foi a primeira ponte-barragem do Brasil e, na época, a segunda maior ponte do mundo.[64] Suas eclusas fazem com que a parte superior do rio Jacuí também seja navegável. Foi construída exatamente no lugar onde era a cachoeira que originou o nome da cidade. A Casa da Aldeia, o prédio mais antigo de Cachoeira, está atualmente em deterioração. A Câmara de Vereadores, por estar em um ponto central, também acaba por atrair turistas, além de outros prédios históricos no Centro que se tornaram comércio ou agências bancárias, como a fachada do Banrisul, do Itaú e da antiga agência do Unibanco. Há ainda as fachadas da União de Moços Católicos e do antigo Cine Coliseu, a Fonte das Águas Dançantes (na Praça José Bonifácio), o Engenho Roesch e o antigo prédio do Hospital de Caridade e Beneficência de Cachoeira do Sul.
TURISMO
A cidade conta com dezessete hotéis e motéis, totalizando aproximadamente 450 leitos. Esses leitos ficam lotados quando há um evento, principalmente a Fenarroz. Além disso, têm seis restaurantes, seis pizzarias e várias lancherias. Educação[editar | editar código-fonte] Cachoeira é um polo de educação, pois está na cidade a 24ª Coordenadoria Regional de Educação, representante da Secretaria Estadual de Educação do Rio Grande do Sul na região. Em diversas praças e locais públicos da cidade (especialmente nas periferias) se localizam os Módulos Literários, pequenas bancas itinerárias de livros e que servem a comunidade em geral. Segundo os dados preliminares do Censo Escolar do Inep em 2007,[65] Cachoeira possui um número total de 18.372 alunos matriculados. A distribuição dos mesmos se dá de tal jeito: 11.942 estudantes estão na rede estadual, com 66,15% do número total; 4.989 estudantes estão na rede municipal, com 26,25% do total; e 1.441 estudantes estão na rede particular, 7,58% do total. O estudo também informa que 1.635 crianças estão em creches, e mesmo estudo não levou em consideração os estudantes do Ensino Superior. Os alunos encontram-se assim distribuídos, segundo o Censo Escolar do Inep de 2004:[66] Distribuição dos alunos de Cachoeira do Sul na rede escolar durante o ano letivo de 2004 10 5 % 60 9 % 18 7 % 0 8 % 9 1 % Em 2000 os alunos de Cachoeira do Sul tiveram uma taxa bruta de frequência à escola de 84,19%,[67] sendo que 1.595 alunos do ensino público ocupavam transporte escolar (gasto que chegava a R$ 121.220,00).[68] Os gastos com merenda escolar chegaram a R$ 159.886,80 em 2004.[69] Em 2005 a cidade alcançou o coeficiente 0,0032444126 na avaliação do Fundeb sobre os alunos de 1ª a 8ª série.[70] Cachoeira do Sul possui uma grande rede de escolas públicas: são 22 escolas estaduais, 23 municipais e cinco particulares, além de nove creches controladas pelo poder executivo e outras doze filantrópicas.[71] Na cidade também se encontra um grande número de escolas técnicas e de capacitação profissional, das quais destacam-se o Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI), o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), o Serviços e Assessorias Contábeis (SEAC) e a Exattus. Uma parceria entre Prefeitura e Universidade Federal de Santa Maria garantirá um curso técnico de Agropecuária com ênfase em produção de biodiesel a ser instalado no Complexo do Patronato no segundo semestre de 2008.[45] Também possui uma unidade da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), destinada ao ensino de crianças excepcionais. As principais universidades de Cachoeira do Sul são a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) e a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs). A primeira, de caráter privado, é a maior delas, possuindo o segundo maior campus da rede do país, oferecendo 14 cursos de nível superior. A Uergs é uma universidade estadual que oferece três cursos superiores de linha agrônoma. Em outubro de 2005[72] a cidade ganhou o Centro Regional V da Uergs, para ter uma concentração maior de cursos em uma mesma sede, porém, em outubro de 2007, tais centros (incluindo o de Cachoeira) tiveram suas instalações adiadas devido à falta de recursos do Governo do Rio Grande do Sul.[73] As faculdades de ensino a distância também têm seu espaço no município, como a Faculdade Dom Alberto e a Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), ambas de caráter particular, e a Universidade Aberta do Brasil (UAB), em parceria com o Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina (CEFET-SC) e com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel). O Circuito Esportivo e Cultural (CIESC) é um projeto organizado pela prefeitura para famílias carentes do município. O primeiro, chamado de CIESC A, atende a estudantes das escolas municipais em horário inverso ao dos estudos. Há atividades esportivas e oficinas de informática. O segundo, o CIESC B, é voltado para os pais dos estudantes, no qual há cursos profissionalizantes. O CIESC C ajuda dependentes químicos a recuperarem-se do vício das drogas. Nível de instrução da população em 2000[74] 7 4 % 12 % 31 9 % 14 1 % 11 8 % 4 7 % Saúde[editar | editar código-fonte] Cachoeira é o centro da 8ª Coordenadoria Regional de Saúde do RS, que, do mesmo jeito que a 24ª CRE, é representante da Secretaria Estadual da Saúde na região. Apesar do alto número de mortalidade infantil, ainda tem boa qualidade de vida, possuindo três equipes do Programa Saúde da Família, um ambulatório de prevenção à AIDS e outro de saúde mental, além de diversos agentes comunitários de zoonose e de saúde, médicos, dentistas, enfermeiros (há a Escola Técnica de Saúde do HCB, que forma técnicos em enfermagem), psicólogos, farmacêuticos, fisioterapeutas, assistentes sociais e outros profissionais ligados à área da saúde.[75] Há um banco de sangue, um centro de oncologia, 186 leitos hospitalares em 2003,[76] dez postos de saúde na zona rural, oito espalhados pelos bairros e três hospitais, que são o Hospital de Caridade e Beneficência de Cachoeira do Sul (HCB), o Hospital da Liga Operária e o Hospital da Unimed. Transportes[editar | editar código-fonte] Distâncias de Cachoeira do Sul a outras cidades[77] Cidade Distância (em km) Santa Cruz do Sul Santa Maria Porto Alegre Florianópolis Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Brasília Montevidéu Buenos Aires Santiago 92 125 196 635 910 1308 1752 2226 700 1000 2500 Cachoeira do Sul conta com uma grande malha de transportes, sendo o quarto maior entroncamento de transportes do Rio Grande do Sul,[78] unindo a BR-153, a estrada de ferro e o Rio Jacuí. A cidade está às margens da Rodovia Transbrasiliana (BR-153), garantindo acesso à RSC 287 ao norte, ligando-se a Santa Maria e Santa Cruz do Sul, e, ao sul, pela Ponte do Fandango, à BR-290, com Porto Alegre, e possui um prolongamento da estrada na cidade, a Volta da Charqueada. Também há a RS 470, que liga Cachoeira a Rio Pardo e as VRSs 810 e 811, a Estrada do Ferreira, que se comunica com São Sepé e Restinga Seca. Contudo, há outras vias de menor importância e que ligam Cachoeira aos seus vizinhos ou até mesmo a suas localidades distantes da cidade. Também existe um grande número de ruas e avenidas que levam as pessoas da cidade para bairros e Centro. Trevo de acesso a Cachoeira do Sul, na intersecção entre a BR-153 e a Avenida João Neves da Fontoura. A estação rodoviária liga diversos municípios do Rio Grande do Sul à cidade, sendo o ônibus o principal meio de transporte para chegada e saída de visitantes à cidade. A Estação Ferroviária de Cachoeira do Sul está abandonada, mas continua com operação normal de linhas para transporte de cargas, servida pela empresa América Latina Logística. O Porto de Cachoeira do Sul, às margens do Rio Jacuí, está com a sua estrutura pronta para os investimentos da Granol e da Aracruz Celulose. Tal rio está prestes a ser o principal caminho do Mercosul,[79] pelo seu potencial navegável a partir de Cachoeira até Porto Alegre, seguindo a Lagoa dos Patos e chegando em Rio Grande e no Oceano Atlântico. O Aeroporto de Cachoeira do Sul possui uma pista de 1.018 metros e com capacidade de receber aviões de médio porte. A Transporte Nossa Senhora das Graças é a única empresa de transporte coletivo urbano cachoeirense. Administra 14 linhas e leva 25 mil pessoas diariamente até seus destinos. Foi a primeira empresa gaúcha a utilizar o sistema de bilhetagem eletrônica, cujos vale-transportes são controlados por cartões magnéticos,[80] que até então eram fichas. Há também o transporte coletivo interdistrital, feito por outras sete empresas. Comunicações[editar | editar código-fonte] Cachoeira possui diversos meios de comunicações: a cidade possui dois jornais, o Jornal do Povo e o Jornal O Correio, abrangendo a cidade e seus municípios vizinhos. Há, no município, um escritório do jornal Correio do Povo (de Porto Alegre) e outros dois jornais de âmbito regional em circulação: Zero Hora e Diário Gaúcho. Há três publicações de revistas: a Pop Revista (com informações destinadas ao público jovem da Região dos Vales), a revista Linda e a Planeta Arroz. Esta última é a única revista especializada em orizicultura. A divulgação delas é mensal. Ainda tem anuário: o Anuário de Cachoeira do Sul, na qual está uma radiografia de todos os dados da cidade, além de ser um bom guia histórico e turístico do município. Há serviços de internet discada e banda larga no município. O serviço discado gratuito é oferecido pelo iBest e iG; já o discado pago é servido por Uol e Terra. A internet banda larga disponível é a da Brasil Telecom (ADSL). O município possui como servidor de telefonia fixa a empresa Brasil Telecom. O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido pela Brasil Telecom, Vivo, Claro e Tim. O código de área de Cachoeira do Sul é o 51. Cachoeira do Sul, além de repetidoras de redes de televisão, tem uma geradora local. A TV Cachoeira, que faz parte da Rede Novo Tempo, gera diariamente, entre outros conteúdos, o telejornal NT SUL. Também há sinal de rádios de municípios vizinhos, como a Triângulo FM 104.3 de Candelária, Medianeira FM 100.9 de Santa Maria e Gazeta FM 101.7 de Santa Cruz do Sul. Serviços[editar | editar código-fonte] O serviço de abastecimento de água e recolhimento de esgoto, no município é feito pela Companhia Rio-Grandense de Águas e Saneamento, mas, por desavenças entre a estatal e o governo municipal, tal serviço está em via de licitação para ser municipalizado. Estão instalados 369.281 metros de rede para distribuição de água, 81.318 metros de rede de esgoto e 20.000 metros cúbicos de água tratada e distribuída ao dia.[81] No município, assim como em toda a Região Central do Rio Grande do Sul, o serviço de luz é fornecido pela AES Sul. Todavia, devido aos vários blecautes ocorridos, em especial os ocorridos durante a Páscoa e em dezembro de 2007 e o de março de 2008, que paralisou o comércio local durante a véspera da data, o serviço vem sendo rejeitado pela população.[82] No entanto, a cidade consome 25% da capacidade elétrica destinada a ela.[60] São 24.078 residências, 363 indústrias e 1.863 estabelecimentos comerciais abastecidos. Há 1.557 ligações na zona rural.[83] Os outras estabelecimentos rurais são ligados através da Companhia de Eletrificação Centro Jacuí Ltda., conhecida como CELETRO, empresa cachoeirense que atua também em municípios vizinhos, da Região Central e da Região Centro-Serra. O recolhimento de resíduos é realizado pela empresa Conesul, que transporta toda a produção para o aterro sanitário localizado no interior do município. A cidade possui uma delegacia de polícia, localizada no bairro Rio Branco, e quatro Brigadas Militares, uma no Centro e outras três no subúrbio. Está na cidade o 2º Batalhão da Polícia Rodoviária Estadual do Rio Grande do Sul, um Presídio Estadual e uma unidade do Instituto Médico Legal. Há duas guarnições do Corpo de Bombeiros. Cachoeira também conta com uma Junta Militar e duas frentes de serviço militar: a primeira é o 13º Grupo de Artilharia e Campanha General Polidoro, responsável pelos equipamentos e blindados do Exército, além de relacionamento com a comunidade, através do serviço de equoterapia oferecido pelo Grupo. A segunda frente é o 3° Batalhão de Engenharia e Combate Conrado Bittencourt, responsáveis pelo serviço de Construção e Engenharia de várias edificações e passagens, merecendo destaque a obra da ponte de ligação entre Novo Cabrais e Paraíso do Sul, que havia caído. No município há a Casa do Trabalhador, lugar de apoio aos trabalhadores.[84] No mesmo prédio funciona o Escritório de Defesa do Consumidor (Edecon) e a Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS).[84] Também há o Departamento de Assistência ao Consumidor e a Subdelegacia Regional do Trabalho. Há um Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais, um Cartório Eleitoral, Defensoria Pública e um Centro de Formação de Codutores (CFC). Há três cemitérios, que são o Cemitério Municipal, o Cemitério das Irmandades e o Cemitério Jardim da Paz, além de dois centros de distribuição dos Correios, nove maçonarias, 27 entidades de ação social, 14 entidades profissionais, vinte sindicatos, sete cooperativas, onze órgãos técnicos e quinze conselhos municipais.[85]

Venda De Cao De Guarda Em Cacequi Rs

Conheça o Adestramento de Cães em Cachoeira Do Sul RS