Venda de Cão de Guarda Em Santa Cruz Do Sul RS - WalkerDog

Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois e Rottweiler

Venda de Cães de Guarda Em Santa Cruz Do Sul Rio Grande do Sul- WalkerDog


Venda de Filhotes de Cães centro canino walkerdog Está querendo comprar um cão de guarda e mora em Santa Cruz Do Sul RS? Conheça os cães de guarda adestrados do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog cria para venda Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Doberman e Buldog Campeiro.

Nossos cães são selecionados para trabalho de faro e proteção, excelentes amigos da família, confiáveis com as crianças, mas protetores contra invasores, possuem adestramento, campo e pista de esporte para se exercitar e controlar energia, são criados junto de nossas crianças com total confiança, vacinas importadas e ração premium. Filhotes só são vendidos com atestado de saúde por veterinário. Com a crescente violência, o despreparo da segurança pública e privada, estamos cada vez mais desprotegidos.

Cães são auxilios indispensáveis na segurança, não temendo arma de fogo, não aceitando suborno e treinado são poderosos guardiões contra invasores. Veja como um cão pode proteger sua família

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Pastor Alemão em Santa Cruz Do Sul RS

Está querendo comprar um cão de guarda da raça Pastor Alemão e mora em Santa Cruz Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog vende cães de proteção da raça Pastor Alemão. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Pastor Alemão entre em contato conosco.

O Pastor Alemão Capa Preta é um dos cães mais inteligentes e é muito dedicado à sua missão. É uma raça muito versátil, devotado, leal e fiel aos donos. Convive muito bem com outros animais domésticos.

Eles são cães calmos e ficam ainda mais quando adultos. Não é um cachorro medroso, adora receber carinho e elogios da família. É um cão vigilante e alerta e pode ser um pouco reservado com estranhos. Caso não deseja tê-lo pra guarda, acostume-o desde cedo à presença de visitas e pessoas que ele não conheça.

O pasto alemão é um cão muito atento e tem um olfato invejável, por isso é muito usado pela polícia, sendo até chamado de “cão policial”. Na polícia ele é usado para ataque, rastrear drogas, buscar corpos em escombros e localizar pessoas desaparecidas.

O Pastor Alemão tem mais o perfil de defesa do que de ataque. Não deve ser criado pra atacar, pois pode se tornar muito violento. É uma raça que se dá bem com crianças e idosos, são pacientes e tranquilos.

Adestramento de Pastor Alemão: Pastor-alemão ou cão-lobo-da-alsácia é uma raça canina proveniente da Alemanha. Em sua origem era utilizado como cão de pastoreio de rebanhos. Atualmente é mais utilizado como cão de guarda e companhia.

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Pastor Belga Malinois em Santa Cruz Do Sul RS

Está querendo comprar um de cão de guarda de raça Pastor Belga Malinois e mora em Santa Cruz Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

Sempre alerta e em movimento, o Pastor Belga é bastante brincalhão, vigilante e protetor além de ser um cachorro muito forte. Ele pode ser indiferente com estranhos e alguns podem ser bravos e até avançar. Esta raça é inteligente e dócil mas independente. Ele é o protetor de sua casa e família. O pastor belga milanois é a raça mais utilizada pela polícia norte americana.

O Pastor Belga precisa de exercitar bastante, o que pode ser uma corrida longa ou um uma seção longa e cansativa de brincadeiras como correr atrás de uma bolinha. Ele precisa de espaço para se movimentar durante o dia e faz melhor e por isso será ótimo se tive um quintal grande. É necessário levar para escovar e pentear seus pelos duas vezes por semana. Sua pelagem dupla precisa escovar e pentear duas vezes por semana.

Adestramento de Pastor Belga Malinois: Pastor-belga Malinois é uma das quatro variedades da raça Pastor-Belga, originária da Bélgica. De pelagem curta, de cor fulvo-encarvoada, é nativo da região de Malinas e tido como um dos mais comuns entre os pastores belgas

Venda de Cão de Guarda ou Proteção da Raça Rottweiler em Santa Cruz Do Sul RS

Está querendo comprar um cão de guarda da raça Rottweiler e mora em Santa Cruz Do Sul RS? Conheça os filhoes de raça do Centro Canino Walker Dog.

O Centro Canino WalkerDog vende cães de proteção da raça Rottweiler. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Rottweiler entre em contato conosco.

O Rottweiler é um cão amável e divertido, mas ao mesmo tempo ele é muito poderoso. Um adestramento de obediência de rottweiller adequado desde filhote e a socialização são extremamente necessários. Essa raça pode ser muito territorial e protetora de sua família e casa. Rottweilers podem ser bem intimidadores e ainda carregam a fama de serem bravos, mas eles são ótimos para famílias e podem ser muito dóceis também.

O Rottweiler tem um pêlo curto e brilhante, de fácil manutenção. Escovar regulamente para tirar o excesso de pelos mortos é suficiente para mantê-lo bonito. Dar banho com muita frequencia vai tirar a oleosidade natural de sua pele, causando sérios problemas dermatológicos.

Rottweilers adoram aprender e serão excelentes se tiverem oportunidade. Treino de obediência é essencial, já que essa raça pode se tornar bem destrutiva se não for estimulada. É preciso uma pessoa forte, firme e dominante quando for treinar esse cão poderoso. O Rottweiler é extremamente inteligente para adestramento e se sai muito bem em diferentes esportes, mas também pode ser teimoso. Ocupam o 9º lugar no ranking de inteligência canina.

Adestramento de Rottweiler: Rottweiler é uma raça canina desenvolvida na Alemanha. Cão criado por açougueiros da região de Rottweil para o trabalho com o gado, logo tornou-se um eficiente animal de guarda e pastoreio, além de ser útil na tração.

Dados para contato e localização

centro canino walker dog - contato

Adestramento de Cães em Santa Cruz Do Sul Rio Grande do Sul
Cidade: Santa Cruz Do Sul
Estado - País: Rio Grande do Sul - BRA
Telefone: 55 (51) 9 97613537 (vivo) e (51) 9 91519690 (claro)
Email : alexsandro0113@hotmail.com
Url:

Vídeos de Venda de Cão de Guarda ou Proteção do Centro Canino WalkerDog

Cão de guarda evita roubo carro - simulação

Vídeo 04 WalkerDOG Cão salvando o dono de perigo

Sequestro com refém termina mau. Cães e homens juntos!

centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Raça centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 04 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães dePastor Belga Malinois 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois Com 03 Meses a centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois Com 03 Meses b

O Centro Canino WalkerDog Vende de Filhotes de Cães de Raça para moradores de diversos municípios

Dados de Santa Cruz Do Sul - RS
Area em km2= 733
Populacao = 118374
PIB Per Capta = R$ 0

HISTORIA
Cerimônia de inauguração da Prefeitura Municipal, em 1892. Fundação e primeiros anos[editar | editar código-fonte] A colônia foi fundada pela lei provincial em 6 de dezembro de 1847,[8] por desejo da Câmara de Rio Pardo de estabelecer uma comunicação com os campos e comércio com a região.[9] Os primeiros habitantes da cidade vieram em 1849[10]:102 e habitavam choupanas e ranchos.[9] A colônia foi elevada para freguesia em 8 de janeiro de 1859.[9] Em 1879, segundo levantamento de Carlos Trein Filho, 90,54% dos habitantes da Colônia de Santa Cruz, excluindo-se os brasileiros, provinham do Reino da Prússia, sendo 42,53% da Pomerânia, 37,88% da Renânia, 4,46% da Prússia, 3,57% da Silésia, 1,65% da Vestfália, e 0,14% de Brandenburgo. 8,92% vinham de outros estados alemães, e outros 0,55% de outras regiões da Europa.[10]:121 As terras ocupadas pela colônia de Santa Cruz do Sul foram cedidas pelo governo imperial através da lei de 1848 de incentivo à imigração estrangeira.[11] O objetivo da colonização da região era a renovação da economia, sem a mera substituição da antiga mão-de-obra escrava.[10]:103 Os imigrantes se estabeleceram na Colônia Picada Velha (Alt Picade),[10]:102 hoje conhecida como Linha Santa Cruz.[12]:6[9] Em 1849, o local, então chamado de Faxinal de João Faria, em terras de Antônio Martins da Cruz Jobim, Barão de Cambaí, foi povoado com a instalação de cinco famílias alemãs.[8] O primeiro administrador da Colônia foi Evaristo Alves de Oliveira, e o primeiro diretor o engenheiro Johann Martin Buff, imigrante alemão de Rödelheim, cidade próxima de Frankfurt.[10]:99,102,103 Apesar de a maioria dos imigrantes serem agricultores, muitos artesãos foram instalados na colônia,[10]:129 como, por exemplo, o caso de um grupo de 71 chefes de família chegados em 1853, no qual constavam 25 artesãos e 46 agricultores.[11] Apesar de dificuldades no assentamento da terra — inicialmente mata nativa — bem como em dificuldades financeiras e políticas, como relatadas por Oliveria e Buff,[10]:104,105 a colônia cresceu rapidamente: em 1849 havia doze habitantes; em 1852 eram 254, e em 1853 ocorreu um incremento de 692 pessoas; em 1859 havia 2 723 habitantes.[11] A região logo se tornou um centro da produção de fumo.[11] Entre 1859 e 1881, a produção do fumo passou de catorze para 1 552 toneladas, tornando-se o principal produto para a exportação, com 95% de sua safra exportada para outras localidades.[11] A cidade foi oficialmente fundada em 31 de março de 1877, emancipada de Rio Pardo pela lei nº 1079. No dia 28 de setembro de 1878, instalou-se a Câmara Municipal na casa situada na esquina das ruas São Pedro e Taquarembó (atuais Marechal Floriano e 28 de Setembro).[12]:7 A sessão de posse foi presidida pelo vereador Joaquim José de Brito (Ten. Cel. Brito), mas na primeira ordinária, dia 15 de outubro, a presidência já foi exercida por Carlos Trein Filho.[10]:115 Um dos edis da primeira sessão, Pedro Werlang, destacou-se na Guerra do Paraguai, tendo recebido medalhas e honrarias, dentre elas a comenda da Imperial Ordem da Rosa, conferindo-lhe as honras capitão do exército imperial brasileiro.[9] Expansão e atualidade[editar | editar código-fonte] Reitoria da UNISC, no campus de Santa Cruz Com a emancipação, os excedentes da agricultura, e a presença de artesões e outros profissionais, houve condições sólidas para uma diversificação da economia e a formação de uma média burguesia local. Alguns pequenos agricultores ascenderam economicamente, passando a ter condições de formar pequenos estabelecimentos comerciais e industriais.[13][10]:156[14]:102 Em 1904, contando com a cooperação mútua, fundaram o primeiro estabelecimento financeiro local, a Caixa de Crédito Santa-Cruzense.[13] Este banco se expandiu, formando depois o Banco Agrícola Mercantil, que depois se fundiu com o Banco Moreira Salles para formar o Unibanco.[15] Com a expansão econômica nas décadas seguintes, diversas melhorias urbanísticas chegam ao município, como a expansão no número de ruas calçadas e o acesso à água e energia elétrica.[16]:80 Em 1905 foi inaugurada a via férrea Santa Cruz – Rio Pardo (estação do Couto), dando impulso à integração da cidade com Porto Alegre, possibilitando o aumento da circulação de mercadorias e de pessoas.[14]:102 A estação férrea foi fundada no mesmo ano, pelo presidente da província, Borges de Medeiros. Porém, devido à decadência do sistema ferroviário no país, em 1965 a via férrea foi suprimida.[17][13][12]:7 De 1917 a 1965 a cidade vivenciou uma forte expansão no setor fumageiro,[14]:102 recebendo o título de "capital mundial do fumo."[18][19][9] A partir de 1918 o processamento do tabaco plantado na região passou a ser controlado por médias e grandes empresas, com o surgimento da Companhia de Fumo Santa Cruz, fusão de seis outras empresas menores. No ano seguinte chega ao município a anglo-britânica Souza Cruz, em 1932 a teuto-brasileira Tabacos Tatch, em 1948 a brasileira Companhia de Tabacos Sinimbu, e em 1975 a francesa Meridional Tabacos. Tais empresas expandiram seu alcance com o tempo, investindo ainda na tecnologia para o aperfeiçoamento de sementes e no acompanhamento dos produtores rurais, estabelecendo ainda quotas de produção e determinando preços.[20]:15 Em 1970, Santa Cruz contava com forte economia industrial, sendo o fumo seu carro chefe.[20]:17 Em 1937, durante a Era Vargas e no âmbito da Segunda Guerra Mundial, o governo federal iniciou uma campanha nacionalista que proibiu o uso e ensino da língua alemã, estabelecendo inclusive o fechamento de jornais e estabelecimentos culturais, o que teve forte impacto na região, onde a língua é até os dias de hoje falada e ensinada.[20]:16[21][22] Dentre os impactos na cidade pode citar-se o fim do jornal Kolonie, em 1941, que operava na cidade desde 1891. Após a segunda guerra, o jornal voltou a circular, então em português, sob o nome de Gazeta de Santa Cruz, e continua a circular até os dias de hoje sob o nome Gazeta do Sul. Com o sentimento pós-guerra, a cultura germânica da cidade ficou mais uma vez retraída, voltando a tona apenas nos anos 70.[20]:17 Com o crescimento da cidade, em 1962 a Associação Pró-Ensino em Santa Cruz do Sul (APESC) inicia suas atividades com cursos de ensino superior, e em 1980 uniu quatro faculdades criadas por ela nas chamadas Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul (FISC). Em 1982 iniciou-se a construção do atual campus da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), sendo o projeto e os devidos credenciamentos finalizados em 1993. Hoje, a UNISC conta com campus em diversos municípios gaúchos,[23] tendo a criação da universidade contribuído à expansão demográfica do município.[24] De 1970 a 2010, houve uma acentuada verticalização da cidade, iniciada na área central. Nos bairros, contribuíram à verticalização a moção das FISC do centro para o bairro Universitário, bem como o desenvolvimento do distrito industrial da cidade. No período de 1970 a 1986 foram construídas 899 unidades verticais — apartamentos, lojas e salas. Já de 1987 a 1994 houve um aumento de 135,84% em relação ao anterior, e de 1995 a 2010, de 64%, com 3 654 unidades construídas.[25] No mesmo período, ocorre um êxodo rural na cidade, com a população rural caindo de 62% em 1970 para 11% em 2010,[16]:75,76 além de expansão demográfica devido em parte à demanda por mão de obra do setor fumageiro. Além da verticalização, a cidade vivenciou uma ocupação irregular de áreas periféricas.[24] Contemporaneamente, a cidade vive uma expansão mais acentuada na região norte e nordeste, com surgimento de condomínios fechados, em especial os de alto padrão,[24][26][27] e ainda uma expansão moderada na construção civil de forma geral.[27]
ECONOMIA
Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Santa Cruz Do Sul localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 733.4 de quilometros quadrados. A população total de Santa Cruz Do Sul é de 118374 pessoas, sendo 56943 homens e 61431 mulheres. A população na área urbana de Santa Cruz Do Sul RS é de 105190pessoas, já a população da árae rual é de 13184 pessoas. A Densidade demográfica de Santa Cruz Do Sul RS é de 161.4. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Santa Cruz Do Sul RS é que 19.07% tem entre 0 e 14 anos de idade; 71.96% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 8.97% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Santa Cruz Do Sul localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. As principais indústrias de tabaco do Brasil estão presentes em Santa Cruz do Sul. Entre as instaladas na cidade estão Souza Cruz, líder em participação de mercado no País,[64] e Philip Morris, que responde por 54% da arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do município,[65] entre outras. A presença dessas empresas tem o respaldo dos produtores rurais de Santa Cruz do Sul e cidades vizinhas, como Venâncio Aires, Vera Cruz e Rio Pardo, de quem o cultivo de tabaco para processamento é a principal fonte de renda. Cerca de 6,6 mil hectares da área do município são dedicados ao tabaco, que acumula uma produção anual de 14,7 mil toneladas, na safra 2012/2013. Quatro mil famílias santa-cruzenses dedicam-se à atividade.[66] Existe forte presença das indústrias do fumo na vida socioeconômica da região, oferecendo apoio técnico, financeiro e programas sociais para os fumicultores. Dessa forma, há um sistema de trocas e lealdades entre a maior parte de fumicultores e a indústria.[12]:33[67] Além do tabaco, destacam-se ainda as culturas de milho, arroz, mandioca, soja, feijão, oleicultura, fruticultura, floricultura, cana-de-açúcar, batata-doce, batata-inglesa, e uva. A atividade pecuária também é presente. Ao todo, há 4365 propriedade rurais com área média de 12 7 ha.[31]:17 A cidade também possui outros ramos fortes em sua economia, como o comércio e serviços. Com isso, o segmento comercial é hoje representado por aproximadamente 3 277 estabelecimentos e mais 2 793 empresas de prestação de serviços. Na totalidade, o município tem 533 indústrias e 3 914 profissionais autônomos. As maiores empresas do município em valor adicionado, no ano de 2013 foram a Phillip Morris Brasil, a Souza Cruz, a Universal Leaf Tabacos, a JTI Processadora de Tabacos, a Metalúrgica Mor, a Associated Tobacco do Brasil, a Mercur, a Excelsior Alimentos, a Premium Tobacos do Brasil, e a Xalingo.[31]:17 Além dessas, a Imply, uma empresa de tecnologia, figurou em 2018 entre as 5 mil maiores exportadoras do Brasil, dentre 1 milhão de empresas.[68][69] O PIB da região figurava, em 2013, em 6,67 bilhões de reais, sendo o oitavo maior do estado, com participação de 2% na economia deste. O PIB per capita do município era de 53,5 mil, enquanto que o do estado era de 29,657 mil, e o do país, 26,445 mil.[12]:32 Já em 2016 o PIB figurou 8,05 bilhões de reais, 63,5 mil per capita.[7] A renda média dos habitantes do município passou de 554,13 em 1991 para 1036,87 em 2010, enquanto que a extrema pobreza caiu de 3,76% a 0,96% no mesmo período. As principais atividades dos trabalhadores são as fabris, comerciais, na agricultura e pecuária, construção civil, funcionalismo público, de transporte, profissionais da educação, particulares, e outros profissionais liberais e prestadores de serviço.[31]:18 Apesar de ser uma cidade do interior, figurou em vigésimo lugar em ranking das melhores para fazer negócio no Brasil, em 2018.[70][71] Turismo[editar | editar código-fonte] Rua Marechal Floriano Peixoto, centro da cidade, ornamentada por ocasião da Oktoberfest. As tipuanas compõem o "Túnel Verde". A gruta do Parque das Aventuras, uma paleotoca da megafauna escavada há mais de dez mil anos.[72] O principal evento de Santa Cruz do Sul é a Oktoberfest de Santa Cruz do Sul, uma festa popular germânica, que ocorre anualmente na cidade no mês de outubro. A Oktoberfest de Santa Cruz do Sul é a segunda maior do Brasil, atrás apenas da realizada em Blumenau,[73] sendo a maior do Rio Grande do Sul.[74] Promovida localmente como a "festa da alegria",[75] sua edição de 2016 teve um público de cerca de 150 mil pagantes.[76] A cidade também é palco do Encontro de Arte e Tradição, evento que celebra as tradições gaúchas e que costuma ocorrer no mês de novembro,[77][12]:34 sendo um dos maiores da América Latina.[78] A edição de 2016 teve seis mil artistas participantes.[79] Também é sede do Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul, que foi inaugurado em 12 de junho de 2005 com um evento do Renault Speed Show.[80] Além disso, o local já recebeu etapas da Stock Car,[81] Fórmula Truck,[82] entre outras competições.[46] Possui uma boa infraestrutura para eventos, conquistando com isso o Selo Prioritário para o Desenvolvimento do Turismo. Tem dezesseis hotéis e cinco motéis, dispondo, assim, de 1 900 leitos. Mais de trinta restaurantes, alguns cafés coloniais, mais de oito pizzarias além de um grande número de bares, oferecendo à comunidade a aos turistas uma variada gastronomia.[12]:34 Outras atrações turísticas incluem o Parque da Gruta, também chamado de Parque das Aventuras, um espaço de 17 4 ha com mata nativa, trilhas, restaurante, e equipamentos de escalada.[83][84][46] O nome vem de uma paleotoca localizada no parque, escavada por animais da megafauna há mais de dez mil anos, mas erroneamente atribuída ao trabalho de indígenas (daí o nome coloquial de Gruta dos Índios).[72][85] Conta ainda com o Parque da Cruz, que ocupa o local onde um dia foi uma pedreira, área recuperada pelo ambientalista José Lutzenberger, e onde foi instalada uma cruz, de vinte metros de altura.[86][87][46] Há também o Lago Dourado, um lago artificial de 228,43ha construído para o abastecimento de água em tempos de estiagem, com ciclovias e local para repouso em suas margens, com projeto de ser transformado em um complexo turístico.[88][89][46] Afastado do centro da cidade encontra-se ainda um parque ambiental idealizado por Lutzenberger e mantido pela Souza Cruz — com 65 ha de área e fundado em 2003, foram catalogadas lá novas espécies de fungos e insetos,[49] sendo um dos espaços com a maior diversividade de espécies do Rio Grande do Sul.[32]:8 Fora da cidade mas ainda dentro dos limites do município, no distrito de Rio Pardinho, há a Rota Germânica, trajeto com casas e estabelecimentos comerciais de descendentes germânicos que oferecem produtos da culinária tradicional, bem como o Mosteiro da Santíssima Trindade, o Santuário de Nossa Senhora, e a Igreja dos Imigrantes, fundado em 1890.[46][90] Já em Linha Santa Cruz encontra-se o Seminário São Batista, fundado em 1968, onde são realizados eventos comunitários, em geral de cunho religioso, havendo ainda espaço aberto à comunidade para passeios. O restante da estrutura abriga a escola Família Agrícola de Santa Cruz, e o seminário em si.[49]
TURISMO
A cidade possui 40 540 domicílios registrados, sendo que 91,37% possuem abastecimento de água, 90,87% possuem saneamento básico, 99,76% energia elétrica, e 98,28% coleta de lixo. O abastecimento de água e o tratamento de esgoto são realizados pela Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN), enquanto a energia elétrica é fornecida pela RGE Sul (antiga AES Sul). A cidade possui projetos de habitação popular em nove bairros, recebendo recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A coleta de lixo é realizada pela CONESUL,[12]:38-39 enquanto uma cooperativa realiza a coleta seletiva e reciclagem.[91] Saúde[editar | editar código-fonte] Fachada do Hospital Santa Cruz. Conta com três hospitais. O Hospital Ana Nery, fundado em 1955 pela comunidade evangélica da região, de caráter privado e filantrópico,[92] é referência em oncologia para a região.[93] O Hospital Santa Cruz, fundado em 1908, também de caráter filantrópico, é o principal centro de saúde do Vale do Rio Pardo.[94] O hospital é administrado pela APESC, que administra também a UNISC.[95][96] Conta ainda com o Hospital Beneficente Monte Alverne.[97] Em número de leitos para cada 100 mil habitantes, o município está dentro da meta do SUS, mas abaixo do nível estipulado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em relação à mortalidade infantil, o nível do município é "alarmante", dentro da classificação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), da mesma forma que os níveis do estado e do país.[44] Educação[editar | editar código-fonte] Fachada da Faculdade Dom Alberto em 2019, com a catedral à direita. Em 2014, possuía 114 escolas de ensino básico com 30 925 alunos matriculados. Destes, 5% estudavam na zona rural, e o resto na urbana. 19,6% estudavam na rede privada, enquanto o resto dividia-se nas redes municipal e estadual. A taxa de analfabetismo da população acima de quinze anos foi, em 2010, 8,42%.[31]:25,26 300 alunos são atendidos ainda na educação especial, em todas as esferas.[31]:48 Em 2013, catorze escolas ofereciam turmas de ensino médio, com 3 806 alunos matriculados em algum dos três anos. Destas, quatro eram particulares, dentre elas o Colégio Mauá, da Rede Sinodal de Educação, fundado em 27 de julho de 1870 pela comunidade local,[20]:15[98] o Colégio Marista São Luís, fundado em 1874[20]:15 e integrante da Rede Marista,[99] e o colégio Educar-se, fundado em 1984 pela instituição que hoje administra a UNISC.[100] As outras instituições são estaduais, sendo uma única localizada na região rural.[31]:43 Dentre as escolas estaduais da região urbana estão o Colégio Goiás, fundado em 1902,[101] e a Escola Estadual Ernesto Alves.[102] São oferecidos ainda cursos ensino médio profissionalizante na UNISC, com 211 alunos matriculados em 2014, no SENAI, com 183 alunos em 2013, na Família Agrícola de Santa Cruz do Sul, com duzentos alunos em 2013, na Ideal School, com nove alunos em 2013, e no Colégio Marista, com 48 alunos em 2013.[31]:49 A oferta de ensino superior na cidade se dá através da Universidade de Santa Cruz do Sul, com onze mil alunos matriculados em 52 cursos de graduação em 2014, a Faculdade Dom Alberto, nomeada em homenagem a Alberto Frederico Etges e localizada no prédio do antigo Colégio Coração de Jesus,[103] com 2,5 mil alunos matriculados em três cursos de graduação, uma sede da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), com 36 alunos matriculados em dois cursos de graduação, bem como um centro do Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter), com 361 alunos matriculados em cursos de graduação em 2013.[31]:45 Dentro das metas do Ministério da Educação (MEC), o município apresenta bom desempenho nas séries iniciais, mas fica abaixo da meta nas séries finais.[44] Transporte[editar | editar código-fonte] O transporte coletivo na cidade é operado pelo Consórcio TCS, em contrato com a prefeitura, que surgiu com a união das empresas Stadtbus e TC Catedral, que operavam até 2017 na cidade junto ao Consórcio Primavera. A frota de ônibus conta com ar-condicionado, elevador para cadeirantes, sistema para a identificação visual dos usuários, GPS, e aplicativo que permite verificar a localização dos ônibus em tempo real.[104][105][106] No transporte coletivo intermunicipal, atua a Viação União Santa Cruz.[107][108] No transporte privado, além dos táxis,[109] desde meados da década de 2010 operam na cidade transporte de passageiros por aplicativos.[110] A cidade conta ainda com sete ciclofaixas ou ciclovias, totalizando 11 7 km de extensão. A frota de automóveis na cidade era, em 2014, 85 076, sendo a maioria carros.[12]:35,26 As mortes no trânsito estão acima da meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).[44] No trasporte aéreo, há o Aeroporto de Santa Cruz do Sul,[111] cuja pista foi fundada em 1940,[9] mas sem a operação de linhas aéreas regulares.[112] Segurança[editar | editar código-fonte] A cidade possui um presídio regional que em 2017 possuía capacidade para 168 presos, possuindo 261 detentos. No mesmo ano o presídio registrou a maior fuga do estado, em que 26 detentos escaparam.[113] A cidade é sede do Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Vale do Rio Pardo, abrigando o 23.º Batalhão de Polícia Militar.[114] Abriga também uma delegacia da Polícia Federal,[115] um Centro Integrado de Segurança Pública e Cidadania, que reúne delegacias e outros órgãos de segurança pública,[116] bem como o 6.º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar, com 252 integrantes que atuam em 61 municípios da região.[117] Em 2017 a cidade registrou 18 homicídios, 1 020 furtos, 254 roubos, 24 roubos de veículos, e 510 outros crimes,[118]:42 representando cerca de metade das ocorrências em relação ao ano anterior.[119][118]:42 Dentre as 30 cidades com mais de 65 mil habitantes no estado, Santa Cruz possui o 26.º maior índice geral de criminalidade, ficando atrás apenas de Santa Rosa, Cachoeira do Sul, Uruguaiana, e Bagé.[120]:512 Apesar disso, o número de homicídios por 100 mil habitantes da cidade é considerado "epidêmico", na classificação da Organização Mundial da Saúde.[44] Comunicação[editar | editar código-fonte] Sede da RBS TV Santa Cruz O jornal de maior circulação da cidade é a Gazeta do Sul,[121] que começou a circular 1941 sob o nome Kolonie, sendo originalmente escrito em alemão.[20]:17 Destaca-se ainda o Riovale Jornal, que circula desde 1976.[122] Na rádio, operam a Gazeta FM e Gazeta AM, bem como a Atlântida FM, Arauto FM, entre outras.[123] Canais de televisão regionais incluem a Santa Cruz TV (canal comunitário),[124] a Unisc TV (canal universitário), fundada em 1996,[125] e a RBS TV Santa Cruz (do Grupo RBS), fundada em 1988.[126] Habitação e projetos sociais[editar | editar código-fonte] Um dos principais projetos de habitação popular da cidade é o Residencial Viver Bem, um loteamento construído com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento, no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida, e que abriga cerca de 5 mil pessoas.[127][128] Apesar de boas expectativas iniciais, moradores relatam frustrações com demoras na entrega dos imóveis completos,[129] alagamentos frequentes,[128][130] e ocupação irregular.[131] Outros projetos de habitação popular incluem os loteamentos Mãe de Deus, Santa Maria, e Beckencamp.[132] Dentre os projetos comunitários com presença relevante na cidade estão a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE),[133] o Lions Club,[134] e a Liga Feminina de Combate ao Câncer.[135]

Venda De Cao De Guarda Em Santa Clara Do Sul Rs

Conheça o Adestramento de Cães em Santa Cruz Do Sul RS