Curso de Adestramento de Cães em Americana

 

 

Você você mora em Americana Sao Paulo
Aproveite Esta GRANDE OPORTUNIDADE para entrar no mercado de Adestramento de Cães

 

 

ATENÇÃO Veja no vídeo abaixo como um livro de apenas R$ 2,50 mudou minha vida profissional e pode MUDAR A SUA TAMBÉM

 

 

O Curso Adestramento A Jóia do Infinito é o único do mercado COM ...
* ANIMAÇÕES 3D * Presença de Aluno real * Didática de atendimento ao cliente * Simulação de adestrador atendendo cliente * Situações reais com cães desmotivados

 

Walkerdog

 

Curso Adestramento A Joia do Infinito RETORNO RÁPIDO!

Como Adestrador Formado no Curso Online do Centro Canino WalkerDog

você pode cobrar R$ 80,00 por hora de adestramento,

se fizer 4 horas por final de semana você


fatura em um único mês R$ 1280,00



 

comprar curso agora

compra segura hotmart

Compra 100% segura! Receba imediatamente seu acesso após a confirmação do pagamento.


hotmart

 

Veja Como Funciona o Curso

No Curso de Adestramento de Cães A Jóia do Infinito, oferecido pelo Centro Canino WalkerDog, você aprenderá as principais técnicas de Adestramento, aliando teoria e prática. O Curso é 100% online gravado em alta resolução com Animações 3D e participação de aluno real nas aulas práticas.

Aprenda também sobre o bem-estar animal, alimentação correta, psicologia e comportamento canino, interpretação da linguagem corporal dos cães, e mais:

Como evitar que o cão coma ou destrua objetos em casa;

Saiba como ensiná-lo a fazer as necessidades no local correto;

Aprenda técnicas e truques de adestramento, do básico ao avançado;

Conheça como é o treinamento de um cão de trabalho.

POR DENTRO DO CURSO

6 Módulos, mais de 20 Videoaulas com método exclusivo, animação 3D e aluno real.

CURSO 100% ONLINE

Você vai assistir no conforto da sua casa, a hora que você quiser, podendo ver e rever as aulas

AULAS REAIS

Aulas práticas gravadas com aluno real.

SUPORTE E ACOMPANHAMENTO

Você vai ter o suporte individual diretamente com o Adestrador Alex para tirar suas dúvidas através do grupo do Facebook.

CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Após assistir todas as aulas do curso, você receberá um lindo certificado provando a conclusão do curso, mostrando que você está preparado para trabalhar como adestrador de cães.

hotmart

 

Veja o que os alunos estão falando sobre o Curso

grade curricular

 

Conheça a GRADE CURRICULAR do curso

MÓDULO 01 APRESENTAÇÃO

  • Boas vidas e apresentação do curso de Adestramento A Jóia do Infinito

MÓDULO 02 CONHECENDO A HISTÓRIA E O COMPORTAMENTO CANINO

  • A história do relacionamento entre cães e humanos no Brasil.
  • Comportamento Canino

MÓDULO 03 ESTUDANDO OS CONCEITOS CIENTÍFICOS, E METODOLOGIAS

  • Conceitos
  • Reforço Positivo, Reforço Negativo e Punição

MÓDULO 04 DIDÁTICA PARA COM O CLIENTE E TÉCNICAS DE ADESTRAMENTO

  • Visita ao cliente, como agir
  • Entendendo o contexto para mudar o comportamento do cão
  • Carregamento do clicker

MÓDULO 05 INICIO DAS AULAS PRÁTICAS, CONCEITOS PARA EXTRAÇÃO DE COMANDOS

  • Carregar o clicker na prática
  • Como criar um aprendizado sem falhas
  • Como criar um aprendizado sem falhas, vídeo
  • Generalizando os comandos com indução (usando petisco perto do nariz como moeda de troca)
  • Carregamento da base, significado
  • Generalizando comandos troca de posições, senta, deita, de pé com contato (toque)
  • Generalizando cão inseguro
  • Descriminando comandos (descriminar é colocar comandos verbais)
  • Descriminando comandos Parte 2
  • Descriminando comandos Parte 3

MÓDULO 06 AULAS BÔNUS

  • Todo mês uma aula nova e exclusiva para os alunos

Walkerdog

 

Conheça o Adestrador Alexsandro Epping

 

Curso para Adestradores de Cães centro canino walkerdog Olá meu nome é Alexsandro Epping, sou proprietário do Centro Canino WalkerDog. Venho convidar você que assim como eu quer trabalhar com o que ama, TRABALHAR ADESTRANDO CÃES!

Sou Formado em comunicação e Marketing, atualmente curso História na Unicesumar e Gestão de Empresa na Anhanguera

Realizou os seguintes cursos:

  • Treinamento tático com cães. Local Quinto batalhão de suprimento Curitiba com Sub tenente Marcos Goes
  • Treinamento de busca e resgate com cães, faro de entorpecente, busca e captura. Local: Marau RS. Instrutores: sargento do POE Antonio Rodrigues, RS, instrutores da K9 do Uruguai, EUA e Colombia

  • Em 10 anos o instrutor Alex buscou mais de 30 cursos e seminários no Brasil e no exterior, sendo cursos e semanários no valor de R$ 2.000 a R$ 5.000,00. Como orientador na formação de adestradores de cães de guarda também se especializou na área da segurança em cursos homologados pela Polícia Federal e ainda buscou qualificação didática de e ensino superior como instrutor na formação de alunos em seguimentos como adestradores.

    Totalizando mais de R$50.000,00 investidos em conhecimento.

    E mais dezenas de cursos no qual já ganhou mérito de destaque como melhor aluno em turma de 21 alunos.

    Dados de atuação:
    O adestrador Alexsandro Epping é responsável pela formação de adestradores na WalkerDog, adestrador responsável pelo treinamento de cães condenados a eutanásia por vigilância sanitária de diversos municípios, adestrador do cães em treinamento da WalkerDog, palestrante sobre comportamento canino em várias empresas escolas técnicas e faculdades.

    Responsável pelo hotel/ creche da WalkerDog.
    Sua equipe são ex alunos de cursos da WalkerDog

     

    LEMBRA DA HISTÓRIA DO LIVRO?

    Aconteceu em 2010 ....

    Veja Como Está Nossa Estrutura HOJE!

    P.S.: não estou vendendo uma SOLUÇÃO MÁGICA, mas o conhecimento deste curso, aliado é muito trabalho e dedicação, pode se transformar em UMA JÓIA DO INFINITO

     

    Walkerdog

     

    HOJE VOCÊ TERÁ A OPORTUNIDADE ÚNICA DE ADQUIRIR O CURSO COMPLETO POR APENAS

     

    de R$ 697,00 valor normal

     

    12 x de R$ 48,42

     

    Menos de R$2,00 por dia.

     

    São MAIS DE R$ 50.000,00 investidos em conhecimento pelo adestrador Alex

    TUDO ISSO entregue no curso para você por um preço acessível

     

    comprar curso agora

     

    garantia 7 dias

     

    O RISCO é TODO MEU, Até 7 DIAS depois do pagamento, você pode cancelar por qualquer motivo, e devolvemos todo o valor pago.

    ONDE EU RECEBO O CURSO?

    Logo após a confirmação da sua compra, você irá receber no seu E-mail os dados de acesso ao curso online.

    FICOU COM ALGUMA DÚVIDA EM RELAÇÃO AO CURSO ONLINE?

    Chame nos nossos WHATSAPP (51) 9 97613537 (vivo) | (51) 9 91519690 (claro)


    Título: Curso de Adestramento de Cães em Americana Sao Paulo
    Criado em 28/05/2020 - Publicado em - Atualizado em 28/05/2020
    Centro Canino WalkerDog
    Centro Canino WalkerDog

    Conheça o Curso Banho e Tosa em Americana SP

    Dados de Americana - SP
    Area em km2= 133
    Populacao = 210638
    PIB Per Capta = R$ 0

    HISTORIA
    Ver artigo principal: História de Americana Séculos XVIII e XIX[editar | editar código-fonte] Primeiras ocupações[editar | editar código-fonte] Ver artigo principal: Imigração estadunidense no Brasil Os primeiros registros sobre a ocupação do território de Americana datam do final do século XVIII quando Domingos da Costa Machado I adquiriu uma sesmaria da coroa entre os municípios de Vila de São Carlos (atual Campinas) e Vila Nova da Constituição (atual Piracicaba e posteriormente Santa Bárbara d'Oeste). Nesta região foram formadas várias fazendas e pequenas propriedades rurais, sendo as principais delas a Fazenda Salto Grande, a Machadinho e a Palmeiras. Em 1866, as terras da região começaram a ser efetivamente povoadas por imigrantes norte-americanos sulistas, que após o fim da Guerra Civil Americana se refugiaram na região. O primeiro a chegar foi o coronel William Hutchinson Norris, advogado e ex-senador pelo estado do Alabama, que se instalou em terras próximo a casa sede da Fazenda Machadinho e do Ribeirão Quilombo. Em 1867 o resto de sua família chega ao Brasil acompanhado de dezenas de outras famílias de confederados, que aqui se instalaram para refazerem suas vidas como agricultores. Estas famílias se instalaram em vários pontos da região da Vila de Santa Bárbara, trazendo novas técnicas de cultivo, como o arado e o trole, e também a espécie de melancia conhecida como "Cascavel da Geórgia".[10] Vale observar que muitos desses confederados eram produtores rurais e proprietários de escravos. Dessa forma, a vinda ao Brasil representava a possibilidade de continuidade de seu modo de produção, em especial na atividade algodoeira, muito embora estivesse esse sendo condenado internacionalmente (DWYER, 2015)[11]. Mesmo Dom Pedro II via com bons olhos a vinda de tais proprietários, ante a possibilidade de que auxiliassem a ocupar áreas devolutas e a desenvolver a economia, além de lhes oferecer "uma saída para a perseguição movida pelas tropas vitoriosas” (PEREIRA, 2012)[12]. Aliás, o Império inclusive auxiliara os Confederados em seus esforços de guerra, reconhecendo seu estado de “beligerância” em face do Norte (MARQUESE, 2015). Muitos entendiam que se fossem os sulistas os vencedores, seguiria o Império “escudado” pelo “exemplo” dos proprietários confederados, que haveriam de manter o regime escravocrata (Idem)[13]. No entanto, aqui chegando, também se viram esses proprietários às voltas com o processo que, em 1888, culminaria com o fim da escravidão no Brasil. Surgimento da vila[editar | editar código-fonte] Estação de trem de Americana, inaugurada em 1912. O surgimento da vila que originou Americana é controverso, mas pode-se enumerar uma série de fatores que contribuíram para isso. O principal deles, sem dúvida, foram as obras de prolongamento da linha tronco da Cia. Paulista e a construção da Estação de Santa Bárbara. Foi decidido que a estação seria construída defronte com a casa-sede da Fazenda Machadinho, de propriedade de Basílio Bueno Rangel. Com isso, a região começou a receber intensa movimentação dos funcionários da Cia. Paulista, e dos sitiantes da região, que aproveitavam a movimentação para venderem seus produtos. Alguns confederados inclusive ajudaram trabalhando na colocação dos dormentes do trilho. Foram formadas, então, as primeiras moradias temporárias dos funcionários da Cia. Paulista. A primeira estação é finalmente inaugurada em 27 de agosto de 1875.[14] Nesta mesma época, o capitão Inácio Correia Pacheco, outro proprietário da Fazenda Machadinho, loteia parte de suas terras, onde aos poucos surge a pequena vila ao redor da estação. Com a construção da Estação de Santa Bárbara, pretendia-se facilitar o escoamento da produção das fazendas da região até o porto de Santos. A estação foi batizada com este nome porque estava em terras da Vila de Santa Bárbara, que embora distante 10 quilômetros, não possuía uma estação em sua vila. A divisa entre os municípios de Santa Bárbara e Campinas era o Ribeirão Quilombo, sendo as terras além dele pertencente a Campinas, e as aquém pertencentes a Santa Bárbara.[14] Também em 1875 é fundada pelo confederado Willian Ralston associado aos irmãos fazendeiros Antonio e Augusto de Souza Queiroz, a futura Tecelagem Carioba. Em 8 de outubro de 1887, chegou ao Brasil Joaquim Boer, chefiando uma grande comitiva de imigrantes italianos, que passou a residir na Fazenda Salto Grande, que na época era de propriedade de Francisco de Campos Andrade. Em 1884, a Tecelagem Carioba é adquirida pelos irmãos ingleses Clement e George Willmot, que a ampliaram, fazendo algumas melhorias, e iniciaram a construção da Vila Operária. Também foram eles que em 1889, a batizaram como Fábrica de Tecidos Carioba, palavra que em tupi significa "pano branco". Após a abolição da escravatura, em 1888 os irmãos ingleses, que também eram proprietários da Fazenda Salto Grande, ficaram endividados com o Banco do Brasil, e acabaram falindo em 1896, passando a fábrica por um hiato de cinco anos.[15] Foi neste mesmo ano, que os italianos construíram a primeira capela da Igreja Católica nas terras da Fazenda Salto Grande em meados de 1896, quando foi rezada uma missa em homenagem a Santo Antônio, que posteriormente tornou-se padroeiro da cidade.[10][16][17] Século XX[editar | editar código-fonte] A Vila dos Americanos[editar | editar código-fonte] A Villa Americana em 1906 Complexo Industrial Carioba, construído no final do século XIX, uma das primeiras fábricas têxteis do estado de São Paulo. A pequena vila formada ao redor da estação não tinha um nome oficial. Este fato gerou um grande problema para os seus moradores, que tinham dificuldades para se corresponderem. As cartas eram destinadas a "Vila da Estação de Santa Bárbara", mas eram entregues na "Vila de Santa Bárbara", e acabavam sendo perdidas, numa época em que este era o principal, senão o único, meio de comunicação das pessoas. Em 1900, a Cia. Paulista decide mudar seu nome para Estação de "Villa Americana".[17] Este nome foi escolhido por causa dos americanos confederados que moravam na vila. Logo a vila ficou conhecida pela consagração popular como "vila dos americanos" ou "vila americana". Em 1901, a falida Fábrica de Tecidos Carioba é arrematada em um leilão pelo Comendador alemão Franz Müller, em associação com seu irmão Hermann Theodor, e com o capitalista inglês Rawlinson.[17] O Comendador Müller, muito encantado com a beleza natural do lugar onde a tecelagem estava instalada, resolve lá se instalar com toda sua família em 1902. Na administração da Família Müller a fábrica cresceu e ganhou projeção nacional, tornando-se a célula-mãe do Parque Industrial de Americana. A Vila Operária de Carioba[18] foi ampliada e recebeu toda a infraestrutura necessária aos funcionários da fábrica. Em 30 de julho de 1904, após anos de briga judicial entre os poderes executivos de Campinas e Santa Bárbara, sobre quem teria direito sobre o território da vila, o poder executivo estadual cria pela lei nº 916, o Distrito de Paz de Villa Americana, dentro do município de Campinas.[19] Em 1906 o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Elihu Root, em visita oficial ao Brasil, é informado da existência da Villa Americana, e mostrou interesse em conhecê-la. Depois de terminado todos os compromissos na volta de sua viagem, ele desembarcou na estação de Villa Americana e foi recebido com grande emoção por americanos e descendentes. Como a localidade ainda não tinha energia elétrica, as centenas de americanos que foram recebê-lo levavam tochas, que na noite escura, formavam uma visão impressionante. Root emocionou-se a ponto de chegar às lágrimas.[20] A emancipação[editar | editar código-fonte] Após a elevação da vila à categoria de distrito, viu-se um rápido desenvolvimento. Criou-se o primeiro serviço policial, uma subprefeitura, a primeira iluminação pública feita com três lampiões de querosene trazidos da Alemanha e a criação da primeira escola oficial com o envio do professor Silvino José de Oliveira pelo estado. Todos estes feitos foram criando as condições necessárias para que seus moradores começassem a lutar pela sua emancipação. No ano de 1922, Villa Americana era um dos distritos de paz mais progressistas de Campinas, e tinha uma população de 4500 habitantes. Neste ano iniciou-se a luta política pela emancipação, encabeçada por Antônio Lobo e outros como o tenente Antas de Abreu, Cícero Jones e o próprio Hermann Müller. O trabalho destes e de tantos outros moradores da vila finalmente deu frutos. Em 12 de novembro de 1924, foi criado o Município de Villa Americana,[21][22] composto de dois distritos: o de Villa Americana e o de Nova Odessa, que mais tarde daria origem ao município de Nova Odessa.[17] Folheto convidando os jovens villamericanenses a pegarem em armas Revolução Constitucionalista[editar | editar código-fonte] Na época do advento da ditadura varguista em 1930, Villa Americana vivia uma fase de profundo crescimento principalmente na indústria têxtil. Em 1932 durante a administração do prefeito Antônio Zanaga, eclode a Revolução Constitucionalista contra o regime vigente. Vários jovens de Villa Americana foram voluntários nesta guerra. Três deles, Jorge Jones, Fernando de Camargo e Aristeu Valente (este último de Nova Odessa; então parte de Americana) acabaram tombando em Monte Sião e hoje são considerados heróis em Americana e Nova Odessa.[23] Em 1938, ainda na gestão do prefeito Antônio Zanaga, a cidade, devido ao grande crescimento, abandona o nome de Villa e passa a se chamar apenas Americana. A década de 1930 foi o auge do desenvolvimento econômico de Americana, que passou a ser conhecida como a capital do Tecido Rayon.[23] O progresso e o desenvolvimento acentuado na segunda metade do século XX provocou a criação da Comarca de Americana, durante a administração do prefeito Jorge Arbix em 31 de dezembro de 1953.[17][23] Últimas décadas[editar | editar código-fonte] As décadas de 1960 e 1970, foram marcadas pelo rápido desenvolvimento da cidade, fazendo com que muitas pessoas viessem a procura de emprego e moradia. Como o território do município é pequeno ele não comportou esse crescimento, e essas pessoas só tiveram a opção de se estabelecer na divisa entre os municípios de Santa Bárbara d'Oeste e Americana, gerando o fenômeno de conurbação no local e dando origem a região conhecida como Zona Leste de Santa Bárbara. Esse fenômeno ocorreu também pelo fato de que a maioria da população desconhecia onde terminava um município e começava outro. Isso se dava porque o limite dos municípios ainda não estava totalmente fixado. O problema foi resolvido e a divisa das cidades foi finalmente fixada, tendo como limite a avenida que corta a região, que recebeu o nome de Avenida da Amizade.[10][16][17] A década de 1990 foi marcada pela crise no setor têxtil, do qual a cidade sempre dependeu muito. A principal causa da crise foram as importações de tecidos de baixo custo, criando uma concorrência desleal com as tecelagens brasileiras. A crise só não foi pior porque a cidade já passava por um processo de diversificação da economia, processo que aumentou nos anos seguintes. Hoje, apesar de a indústria têxtil ainda ter presença marcante, a cidade se destaca em outros setores de produção, como metalúrgico, químico e alimentício; os serviços também crescem.[24]
    ECONOMIA
    Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Americana localizada no estado de Sao Paulo tem uma área de 133.4 de quilometros quadrados. A população total de Americana é de 210638 pessoas, sendo 103174 homens e 107464 mulheres. A população na área urbana de Americana SP é de 209654pessoas, já a população da árae rual é de 984 pessoas. A Densidade demográfica de Americana SP é de 1579.59. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Americana SP é que 18.41% tem entre 0 e 14 anos de idade; 72.83% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 8.76% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Americana localizada no estado de Sao Paulo são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Ver artigo principal: Economia de Americana Entornos da Avenida Brasil, uma das regiões mais nobres da cidade. Avenida Antônio Lobo. O Produto Interno Bruto (PIB) de Americana é o quarto maior da Região Metropolitana de Campinas, o vigésimo maior do estado de São Paulo e o 75 de todo o país.[6] De acordo com dados do IBGE, relativos a 2009, o PIB do município era de R$ 6 126 171 mil,[6] 754 640 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[60] O PIB per capita é de R$ 29 850,41[6] e em 2000 o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de renda era de 0,801, sendo que o do Brasil naquele ano era de 0,723.[41] De acordo com o IBGE, a cidade possuía, no ano de 2009, 9 991 unidades locais e 9 704 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes. 90 551 trabalhadores eram classificados como pessoal ocupado total e 76 959 categorizavam-se em pessoal ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 1 676 124 reais e o salário médio mensal de todo município era de 3,6 salários mínimos.[61] A principal fonte econômica está centrada no setor terciário, com seus diversos segmentos de comércio e prestação de serviços de várias áreas, como na educação e saúde. Em seguida destaca-se o setor secundário, com complexos industriais de grande porte.[6] Setor primário A agricultura é o setor menos relevante da economia de Americana. De todo o PIB da cidade 2 315 760 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.[6] Segundo o IBGE em 2010, o município contava com cerca de 700 bovinos, 600 equinos, 60 muares e 15 caprinos. 137 foram ordenhadas, sendo que a produção de leite chegou a 100 mil litros naquele ano. Não havia aves sendo cultivadas com fins agropecuários.[62] Na lavoura temporária são produzidos a cana-de-açúcar (2 900 hectares plantados e 217 500 toneladas colhidas em 2010) e a soja (550 hectares cultivados 744 toneladas colhidas).[63] Na época dos primeiros registros de ocupação do território de Americana, por volta do final do século XVIII, logo às margens dos rios Atibaia e Jaguari, começou a ser cultivada a cana-de-açúcar. Na década de 1880 houve um novo impulso no desenvolvimento da agricultura na cidade, quando da chegada dos italianos e norte-americanos, que trouxeram avanços, respectivamente, às lavouras e ao cultivo do algodão.[17] Setor secundário A Goodyear do Brasil está instalada em Americana. A indústria, atualmente, é o segundo setor mais relevante para a economia do município. 2 315 760 reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[6] A cidade conta com um parque industrial diversificado, onde predominam empresas de médio e pequeno porte, havendo relevância nas áreas da metalurgia, borracha-produção de pneus, alimentícia e plásticos. Existem 1 684 indústrias de diversos ramos e portes registradas na cidade.[64] As primeiras indústrias foram implantadas pelos alemães no final do século XIX.[17] Em Americana atualmente destaca-se o setor têxtil, atividade econômica herdada dos italianos.[17] O município é hoje um dos principais pólos de produção de tecidos planos de fibras artificiais e sintéticas da América Latina, havendo cerca de de 430 indústrias têxteis (que trabalham com fiações, tecelagens, tinturarias e estamparias), além de diversos produtores de matéria-prima e centenas de confecções. Os tecidos planos de fibras artificiais e sintéticas são muito utilizados para moda feminina, camisaria, decoração, indústria, cama e mesa.[64] Setor terciário A prestação de serviços rende 3 049 357 mil reais ao PIB municipal.[6] O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB americanense, destacando-se principalmente na área do comércio. Há mais de 6 mil estabelecimentos comerciais por toda a cidade além de 12 823 empresas de serviços e um grande número de profissionais autônomos que atendem desde a área de informática até a de instalações industriais. Há três grandes centros comerciais em Americana, sendo eles o Via Direta (shopping situado às margens da Rodovia Anhanguera), o Welcome Center e o Smart Mall.[64]
    TURISMO
    Lista de municípios de São Paulo Lista de municípios do Brasil Naturais de Americana Imigração norte-americana no Brasil Estadunidense-brasileiro Imigração italiana no Brasil Imigração alemã no Brasil Rodovia Americana-Paulínia Lista de municípios do Brasil acima de cem mil habitantes Referências ? «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017  ? «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 24 de janeiro de 2011  ? IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010  ? a b «Estimativa populacional 2017 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 30 de agosto de 2017. Consultado em 10 de outubro de 2017  ? a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 3 de agosto de 2013  ? a b c d e f g h i «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010  ? a b Embrapa Monitoramento por Satélite. «São Paulo». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? a b c d e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). «Censo Populacional 2010» (PDF). Consultado em 11 de dezembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 21 de maio de 2011  ? a b Diego Zanchetta (3 de agosto de 2008). «A primeira macrometrópole do hemisfério sul». Estadão. Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 19 de junho de 2011  ? a b c BIANCO, Jessyr Americana – Edição Histórica. Americana: Editora Focus, 1975. ? «A Cidade Brasileira Onde a Herança dos Confederados Norte-americanos Ainda Vive». Vice. 9 de fevereiro de 2015  ? «A saga brasileira dos confederados - Cultura - Estadão». Estadão  ? MARQUESE, Rafael. A Guerra Civil dos Estados Unidos e a crise da escravidão no Brasil. In:. Afro-Ásia [online] 2015, [Fecha de consulta: 5 de novi2017]. Disponível em: ISSN 0002-0591  ? a b c d Estações Ferroviárias do Brasil (12 de outubro de 2011). «Americana». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? a b Jornal Todo Dia (9 de setembro de 2000). «Centenário tem comemorações». Uol. Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? a b Jolumá Brito, História de Campinas Vol XVIII ? a b c d e f g h i j k l Prefeitura. «Resumo Histórico». Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Unicamp. «Jornal da Unicamp - História de Carioba». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Prefeitura. «Lei nº 916 de 30 de julho de 1904». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? "As três mortes de Elihu Root", Ralph Giesbrecht, A Tribuna, Santa Cruz das Palmeiras, 4 de março de 2000 ? Prefeitura. «Lei nº 1983 de 12 de novembro de 1924». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Prefeitura. «Texto sobre a Emancipação». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? a b c Gláucia Garcia (5 de julho de 2010). «1932: A arte da revolução nos cemitérios». São Paulo Antiga. Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? O Liberal. «Crise têxtil». Consultado em 9 de maio de 2012  ? a b c Prefeitura. «Perfil do Município». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 19 de junho de 2011  ? a b c d e f g Educar.SP. «Caracterização da Bacia Hidrográfica». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? Fernandes, Amélia João; Cláudio Limeira Mello (2004). «Coberturas cenozóicas e estruturas deformadas na Depressão Periférica Paulista» (PDF). Revista do Instituto Geológico. IG. Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  A referência emprega parâmetros obsoletos |coautores= (ajuda) ? Muito. «Rio Piracicaba». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de junho de 2011  ? Prefeitura. «Principais Rios, Ribeirão e Córregos». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? «Aquífero Tubarão». Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Dezembro de 2016  ? World Map of the Köppen-Geiger climate classification. «World Map of the Köppen-Geiger climate classification». Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 24 de abril de 2011  ? a b c d Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri). «Clima dos Municípios Paulistas - Americana». Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Consultado em 20 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? CPTEC/INPE. «Precipitação acumulada em agosto de 2010». Bancos de Dados Climatológicos (BDC). Consultado em 5 de maio de 2012  ? TV Claret (26 de junho de 2008). «Queimadas em canaviais continuam proibidas em Americana». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? Archimedes Perez Filho, Sérgio Henrique Vannucchi Leme de Mattos, Letícia Orsi, Andréa Koga Vicente e Luiz Eduardo Vicente (15 de março de 2006). «Monitoramento e gerenciamento de bacias urbanas associados a inundação: diagnose da Bacia do Ribeirão Quilombo na Região Metropolitana de Campinas usando geotecnologias» (PDF). Revista do Departamento de Geografia. Consultado em 29 de julho de 2012. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012  !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores (link) ? a b Pró Ambiente Campinas (14 de abril de 2009). «Recursos Hídricos e Florestais da RMC foram debatidos em evento nesta terça». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de junho de 2011  ? Prefeitura. «Parque Ecológico». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? Prefeitura. «Horto Municipal». Consultado em 5 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012  ? Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) (2010). «Perfil Municipal - Americana». Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? a b c Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) (26 de abril de 2005). «Americana (SP)». Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? a b Cidades@ - IBGE. «Indicadores sociais dos municípios brasileiros». Consultado em 6 de maio de 2012  ? a b Portal ODM (2010). «Perfil municipal — Americana - SP». Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Jornal Todo Dia (7 de outubro de 2009). «Pedreiro é morto pelas costas». Uol. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Jornal Todo Dia (26 de agosto de 2009). «Assaltantes roubam e seqüestram». Oul. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Companhia Nacional de Habitação e Construção (Coorpeto). «Grandes conquistas pela luta por moradia». Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2010). «População de Americana por raça e cor». Consultado em 6 de maio de 2012  ? a b c d e Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2010). «População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 8 de junho de 2012  ? Lilia Inês Zanotti de Medrano. «Criação da Diocese». Arquidiocese de Campinas. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 23 de junho de 2011  ? Ilder Araújo (21 de junho de 2006). «Requerimento» (PDF). Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012  ? Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? O Liberal (8 de dezembro de 2014). «Omar Najar é eleito o novo prefeito de Americana». Consultado em 9 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2015  ? DJI. «Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2012  ? Câmara Municipal de Americana. «Câmara Municipal de Americana - Vereadores». Consultado em 4 de julho de 2016  ? Câmara Municipal (15 de setembro de 2000). «Lei Orgânica». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? JusBrasil (14 de abril de 2012). «Comarca de Americana». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (novembro de 2011). «Consulta Quantitativo». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Site Opinião. «Mapa de bairros de Americana». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Jornal Todo Dia (5 de outubro de 1998). «Americana passa o domingo sem água». Uol. Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Cidades@ - IBGE (2008). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Cidades@ - IBGE (2009). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Cidades@ - IBGE (2010). «Pecuária 2010». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Cidades@ - IBGE (2010). «Lavoura Temporária 2010». Consultado em 7 de maio de 2012  ? a b c Guia Americana. «Economia». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Cidades@ - IBGE (2009). «Serviços de Saúde 2009». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Secretaria Municipal de Saúde. «Hospital Municipal». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Secretaria Municipal de Saúde. «UBSs». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Secretaria Municipal de Saúde. «Estratégia Saúde da Família». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Secretaria Municipal de Saúde. «UAD - Unidade de Atendimento Domiciliar». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Hortolândia.com (28 de janeiro de 2009). «Acusados de matar casal e 2 filhas foram presos em Hortolândia». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 8 de maio de 2012  ? Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 8 de maio de 2012  ? Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 8 de maio de 2012  ? Karina Sabedot (11 de abril de 2012). «Semana de Prevenção as Drogas em Americana». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Presidência da República (1988). «Constituição da República Federativa do Brasil de 1988». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 4 de junho de 2011  ? Guarda Municipal de Americana. «História». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Guia Americana. «Localização». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Aviação Paulista. «Aeroporto de Americana». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Via EPTV (9 de julho de 2011). «Saída de ambulantes muda paisagem do terminal rodoviário». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? G1 (11 de fevereiro de 2012). «Integração em Americana permite usar três ônibus com uma passagem». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? «Frota 2010». Cidades@ - IBGE. 2009. Consultado em 8 de maio de 2012  ? Jornal Todo Dia (26 de fevereiro de 2004). «Chuva provoca colisões». Uol. Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? «Terminal Metropolitano de Americana é inaugurado após 3 anos». Diário do Transporte. 16 de dezembro de 2017  ? Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo». Consultado em 8 de maio de 2012  ? «Histórico do DAE». Página Oficial DAE Americana  ? «Captação no Rio Piracicaba e tratamento». Página Oficial DAE Americana  ? Departamento de Água e Esgoto de Americana (DAE Americana) (2012). «Reservatórios». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Jornal Todo Dia (26 de setembro de 2003). «Cancerígenos da Shell estão a 50 metros do Rio Atibaia». Químicos Unidos. Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Rac.com.br (9 de dezembro de 2011). «MP questiona tratamento de esgoto em Americana e Atibaia». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? CPFL Energia. «Companhia Paulista de Força e Luz - CPFL Paulista». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? «Incorporação da Empresa Telefônica de Americana pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo  ? «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada)  ? «Telesp - Relatório Anual de 1978» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo  ? «Nossa História». Telefônica / VIVO  ? GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1  ? Associação Brasileira dos Usuários de Acesso Rápido. «Provedores de Todo o Brasil». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? MBI. «DDD e Prefixos de telefone por cidades do Brasil (DDD 19 - São Paulo)». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Correios. «CEP de cidades brasileiras». Consultado em 13 de dezembro de 2010  ? Novo Momento (18 de agosto de 2010). «Americana deve ter nova TV». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? TV TodoDia. «Programas». Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 8 de maio de 2012  ? Guia de Mídia. «Jornais de Americana - São Paulo». Consultado em 13 de dezembro de 2010  ? a b c Cidades@ - IBGE (2009). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2009». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Governo Federal. «Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - Resultados e Metas». Consultado em 7 de maio de 2012  ? Faculdade de Americana (FAM). «Hitórico da FAM». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL). «Unidades». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Cleber Mata (4 de abril de 2008). «Estado investe R$ 5,7 milhões no novo prédio da Fatec Americana». Governo de São Paulo. Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Instituto de Ensino Superior de Americana (IESA). «Campus». Consultado em 7 de maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012  ? Prefeitura. «Secretaria de Cultura e Turismo». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Teatro de Arena Elis Regina. «Sobre o Teatro Elis Regina». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? 3 Marias. «O Teatro Municipal de Americana "Lulu Benencase"». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Brasil Viagem. «Casa de Cultura». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Férias. «Americana». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? a b c Guia Americana. «Atrações turísticas». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Brasil Viagem. «Museu Histórico». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Prefeitura. «MAC». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Guia de Americana (22 de janeiro de 2009). «Significantes e significados». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Observatório Municipal de Americana. «O Observatório». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? a b Prefeitura. «Parque Ecológico». Consultado em 1 de março de 2010. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Festa do Peão de Americana. «Infra Estrutura». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Templos do Futebol. «Riobrancão». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? a b Guia de Americana. «Esporte, lazer e entretenimento». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Bueno e Constanze (10 de maio de 2011). «Feriados Municipais». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012  ? Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011  ? Guia Trabalhista. «Lei Nº 9.093, de 12 de setembro de 1995». Consultado em 9 de maio de 2012. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011  Bibliografia[editar | editar código-fonte] BIANCO, Jessyr. Americana – Edição Histórica. Americana: Editora Focus, 1975 BRITO, Jolumá Historia de Campinas vol XVIII Gráfica Saraiva PALUMBO, Evelin As Transformações Urbanas da Área Central de Americana. Dissertação de Mestrado, PUC Campinas, 2007

    Curso De Adestramento De Caes America Dourada Ba

    Sobre Cursos EAD

    Um curso EAD basicamente é um curso disponibilizado na Internet por intermédio de algum sistema de gestão de aprendizagem (LMS) ou algum outro canal com este propósito. O questionamento sobre o que é um curso EAD é bastante simples e direto.

    Podemos dizer que um curso EAD representa muito além do que uma aula gravada e disponibilizada de forma online na Internet, visto que ele representa uma grande inovação em termos de educação como um todo, trazendo diversos benefícios para quem o utiliza.

    Geralmente, um curso EAD se baseia em uma linguagem bastante convidativa e moderna, com o intuito de fazer com que o seu público alvo consuma seu conteúdo da maneira mais eficaz possível. Com um curso EAD, qualquer pessoa que tenha acesso à Internet pode ser impactado positivamente e conquistar novas habilidades e competências.