Curso de Adestramento de Cães em Caratinga

 

 

Você você mora em Caratinga Minas Gerais
Aproveite Esta GRANDE OPORTUNIDADE para entrar no mercado de Adestramento de Cães

 

 

ATENÇÃO Veja no vídeo abaixo como um livro de apenas R$ 2,50 mudou minha vida profissional e pode MUDAR A SUA TAMBÉM

 

 

O Curso Adestramento A Jóia do Infinito é o único do mercado COM ...
* ANIMAÇÕES 3D * Presença de Aluno real * Didática de atendimento ao cliente * Simulação de adestrador atendendo cliente * Situações reais com cães desmotivados

 

Walkerdog

 

Curso Adestramento A Joia do Infinito RETORNO RÁPIDO!

Como Adestrador Formado no Curso Online do Centro Canino WalkerDog

você pode cobrar R$ 80,00 por hora de adestramento,

se fizer 4 horas por final de semana você


fatura em um único mês R$ 1280,00



 

comprar curso agora

 

compra segura hotmart

Compra 100% segura! Receba imediatamente seu acesso após a confirmação do pagamento.


hotmart

 

Veja Como Funciona o Curso

No Curso de Adestramento de Cães A Jóia do Infinito, oferecido pelo Centro Canino WalkerDog, você aprenderá as principais técnicas de Adestramento, aliando teoria e prática. O Curso é 100% online gravado em alta resolução com Animações 3D e participação de aluno real nas aulas práticas.

Aprenda também sobre o bem-estar animal, alimentação correta, psicologia e comportamento canino, interpretação da linguagem corporal dos cães, e mais:

Como evitar que o cão coma ou destrua objetos em casa;

Saiba como ensiná-lo a fazer as necessidades no local correto;

Aprenda técnicas e truques de adestramento, do básico ao avançado;

Conheça como é o treinamento de um cão de trabalho.

POR DENTRO DO CURSO

6 Módulos, mais de 20 Videoaulas com método exclusivo, animação 3D e aluno real.

CURSO 100% ONLINE

Você vai assistir no conforto da sua casa, a hora que você quiser, podendo ver e rever as aulas

AULAS REAIS

Aulas práticas gravadas com aluno real.

SUPORTE E ACOMPANHAMENTO

Você vai ter o suporte individual diretamente com o Adestrador Alex para tirar suas dúvidas através do grupo do Facebook.

CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Após assistir todas as aulas do curso, você receberá um lindo certificado provando a conclusão do curso, mostrando que você está preparado para trabalhar como adestrador de cães.

hotmart

 

Veja o que os alunos estão falando sobre o Curso

grade curricular

 

Conheça a GRADE CURRICULAR do curso

MÓDULO 01 APRESENTAÇÃO

  • Boas vidas e apresentação do curso de Adestramento A Jóia do Infinito

MÓDULO 02 CONHECENDO A HISTÓRIA E O COMPORTAMENTO CANINO

  • A história do relacionamento entre cães e humanos no Brasil.
  • Comportamento Canino

MÓDULO 03 ESTUDANDO OS CONCEITOS CIENTÍFICOS, E METODOLOGIAS

  • Conceitos
  • Reforço Positivo, Reforço Negativo e Punição

MÓDULO 04 DIDÁTICA PARA COM O CLIENTE E TÉCNICAS DE ADESTRAMENTO

  • Visita ao cliente, como agir
  • Entendendo o contexto para mudar o comportamento do cão
  • Carregamento do clicker

MÓDULO 05 INICIO DAS AULAS PRÁTICAS, CONCEITOS PARA EXTRAÇÃO DE COMANDOS

  • Carregar o clicker na prática
  • Como criar um aprendizado sem falhas
  • Como criar um aprendizado sem falhas, vídeo
  • Generalizando os comandos com indução (usando petisco perto do nariz como moeda de troca)
  • Carregamento da base, significado
  • Generalizando comandos troca de posições, senta, deita, de pé com contato (toque)
  • Generalizando cão inseguro
  • Descriminando comandos (descriminar é colocar comandos verbais)
  • Descriminando comandos Parte 2
  • Descriminando comandos Parte 3

MÓDULO 06 AULAS BÔNUS

  • Todo mês uma aula nova e exclusiva para os alunos

Walkerdog

 

Conheça o Adestrador Alexsandro Epping

 

Curso para Adestradores de Cães centro canino walkerdog Olá meu nome é Alexsandro Epping, sou proprietário do Centro Canino WalkerDog. Venho convidar você que assim como eu quer trabalhar com o que ama, TRABALHAR ADESTRANDO CÃES!

Sou Formado em comunicação e Marketing, atualmente curso História na Unicesumar e Gestão de Empresa na Anhanguera

Realizou os seguintes cursos:

  • Treinamento tático com cães. Local Quinto batalhão de suprimento Curitiba com Sub tenente Marcos Goes
  • Treinamento de busca e resgate com cães, faro de entorpecente, busca e captura. Local: Marau RS. Instrutores: sargento do POE Antonio Rodrigues, RS, instrutores da K9 do Uruguai, EUA e Colombia

  • Em 10 anos o instrutor Alex buscou mais de 30 cursos e seminários no Brasil e no exterior, sendo cursos e semanários no valor de R$ 2.000 a R$ 5.000,00. Como orientador na formação de adestradores de cães de guarda também se especializou na área da segurança em cursos homologados pela Polícia Federal e ainda buscou qualificação didática de e ensino superior como instrutor na formação de alunos em seguimentos como adestradores.

    Totalizando mais de R$50.000,00 investidos em conhecimento.

    E mais dezenas de cursos no qual já ganhou mérito de destaque como melhor aluno em turma de 21 alunos.

    Dados de atuação:
    O adestrador Alexsandro Epping é responsável pela formação de adestradores na WalkerDog, adestrador responsável pelo treinamento de cães condenados a eutanásia por vigilância sanitária de diversos municípios, adestrador do cães em treinamento da WalkerDog, palestrante sobre comportamento canino em várias empresas escolas técnicas e faculdades.

    Responsável pelo hotel/ creche da WalkerDog.
    Sua equipe são ex alunos de cursos da WalkerDog

     

    LEMBRA DA HISTÓRIA DO LIVRO?

    Aconteceu em 2010 ....

    Veja Como Está Nossa Estrutura HOJE!

    P.S.: não estou vendendo uma SOLUÇÃO MÁGICA, mas o conhecimento deste curso, aliado é muito trabalho e dedicação, pode se transformar em UMA JÓIA DO INFINITO

     

    Walkerdog

     

    HOJE VOCÊ TERÁ A OPORTUNIDADE ÚNICA DE ADQUIRIR O CURSO COMPLETO POR APENAS

     

    de R$ 697,00 valor normal

     

    12 x de R$ 48,42

     

    Menos de R$2,00 por dia.

     

    São MAIS DE R$ 50.000,00 investidos em conhecimento pelo adestrador Alex

    TUDO ISSO entregue no curso para você por um preço acessível

     

    comprar curso agora

     

    garantia 7 dias

     

    O RISCO é TODO MEU, Até 7 DIAS depois do pagamento, você pode cancelar por qualquer motivo, e devolvemos todo o valor pago.

    ONDE EU RECEBO O CURSO?

    Logo após a confirmação da sua compra, você irá receber no seu E-mail os dados de acesso ao curso online.

    FICOU COM ALGUMA DÚVIDA EM RELAÇÃO AO CURSO ONLINE?

    Chame nos nossos WHATSAPP (51) 9 97613537 (vivo) | (51) 9 91519690 (claro)


    Título: Curso de Adestramento de Cães em Caratinga Minas Gerais
    Criado em 28/05/2020 - Publicado em - Atualizado em 28/05/2020
    Centro Canino WalkerDog
    Centro Canino WalkerDog

    Conheça o Curso Banho e Tosa em Caratinga MG

    Dados de Caratinga - MG
    Area em km2= 1258
    Populacao = 85239
    PIB Per Capta = R$ 0

    HISTORIA
    Exploração e colonização da região[editar | editar código-fonte] A área do atual município de Caratinga não reportou uma significativa colonização até meados do século XIX, exceto dos representantes dos índios bugres, da tribo dos aimorés. Ocasionalmente os botocudos adentravam o curso do rio Caratinga a partir de sua foz no rio Doce, à procura de alimentos ou forçados pelo tempo.[11][12] O desbravamento teve início em expedições como a de Spinosa em 1553, rumando o rio São Francisco,[13] e Sebastião Fernandes Tourinho, que teria adentrado o curso do rio Caratinga em 1573.[14] No início do século XVIII, ainda no período colonial, alguns sertanejos partindo da capitania do Espírito Santo se arriscaram a penetrar o interior atrás principalmente de ouro. Pode-se destacar Pedro Bueno Cacunda, que no ano de 1733, juntamente com companheiros subindo o rio Doce e seus afluentes acima, explorou a região onde fica grande parte do município de Caratinga entre os rios Itapeba (posteriormente denominado rio Cuiethé, e hoje conhecido por rio Caratinga) e rio Mayguassu (rio Manhuaçu), à procura principalmente de ouro em córregos e ribeirões.[15] No final do século XVIII, foi aberta a Estrada do Degredo, que cruzava o atual território municipal, ligando a Estrada Real em Ouro Preto ao presídio de Cuité, atual Conselheiro Pena, como um atalho alternativo ao trajeto do rio Doce.[16] No século XIX, Domingos Fernandes Lana, natural de Araponga, esteve na região à procura da poaia, uma planta medicinal de considerável valor comercial. Acompanhado de amigos, serviçais, escravos e índios catequizados, chegou à localidade por volta de 1841, quando percorria o curso do rio Caratinga. Teria sido Domingos Lana que deu a denominação "Caratinga" às formações rochosas que cercam a atual cidade, devido à grande quantidade do cará, tubérculo comestível que também é conhecido como caratinga.[11][12] É um termo originário do termo tupi aka'ratin'ga, que significa "cará branco".[17][18] Seguindo o curso do rio Caratinga, a expedição seguiu rumo a Cuité, próximo a Conselheiro Pena.[12] As terras férteis e a passividade dos indígenas locais foram atrativos para que João Caetano do Nascimento, amigo de Domingos Fernandes Lana, viesse em busca da localidade com seus filhos mais velhos e os companheiros João da Cunha, João José e João Antonio de Oliveira, que também trouxeram familiares e serviçais.[11][12] Após chegarem à localidade, comemoraram o dia de São João com uma grande fogueira em 23 de junho de 1848, dedicando as terras e a fundação da cidade em homenagem ao padroeiro.[12] João Caetano posteriormente fixou-se na região conhecida atualmente como Serra da Jacutinga e tomou posse das terras na condição de grandes sesmarias. Deu início à derrubada da vegetação e à preparação das terras para cultivo de cereais, frutas e legumes, além da criação de pequenos animais e aves, incentivando parentes e amigos a darem procedimento à exploração e ao povoamento. Ainda em junho de 1848, houve a criação da paróquia, subordinada à comarca de Mariana.[11][13] Emancipação e configuração administrativa[editar | editar código-fonte] Igreja São João, primeira igreja sede paroquiana de Caratinga. Antiga Estação Ferroviária de Caratinga, datada de 1930. O desenvolvimento da localidade ocorreu, inicialmente, de forma irregular.[12] Em 1867, teve início a construção da Igreja São João, que ainda existe e é tombada como patrimônio cultural,[19] tendo como primeiro padre Maximiano João da Cruz.[12] Pela lei provincial nº 2.027, de 1º de dezembro de 1873, o povoamento foi elevado à categoria de distrito subordinado a Manhuaçu, com a denominação de São João do Caratinga.[2] Nessa data houve a criação da paróquia a representar a comunidade.[20] As terras férteis e o fato de ser o único núcleo urbano da margem direita do rio Caratinga mantiveram o incentivo ao crescimento populacional, atraindo levas de forasteiros que vinham de regiões a sul e desejavam alcançar o rio Doce. Dessa forma estabeleceu-se como importante centro regional,[13] impulsionando a emancipação pelo decreto estadual nº 16, assinado pelo governador José Cesário de Faria Alvim em 6 de fevereiro de 1890, com a denominação de Caratinga.[2][12][21] Segundo estatísticas desse ano, havia cerca de 25 mil residentes em uma área de 10 572 km².[12] Além da sede municipal, Caratinga foi emancipada composta pelos distritos de Bom Jesus do Galho, Cuieté, Entre Folhas, Floresta, Santo Antônio do Manhuaçu e São Francisco Vermelho. A instalação do município ocorreu em 12 de maio de 1890 e confirmada pela lei estadual nº 2, de 14 de setembro de 1891.[2][12] A primeira composição da Câmara Municipal foi empossada em 7 de março de 1892, tendo como presidente e governante municipal Symphrônio Fernandes.[12] A comarca de Caratinga foi criada pela Lei nº 11, de 13 de novembro de 1891, sancionada por Cesário Alvim, e instalada em 7 de maio de 1892. Chegou a ser suprimida em 1912, mas foi restaurada em 1º de dezembro de 1917.[13] Ao longo de sua história, houve uma série de transformações na divisão administrativa do município. Em 1911, estava composto pelos então distritos de Bom Jesus do Galho (emancipado em 1943), Cuieté (atual município de Conselheiro Pena, incorporado a Itanhomi em 1923), Entre Folhas (emancipado em 1992), Floresta (atual Alvarenga, incorporado a Itanhomi em 1923), Imbé (atual Imbé de Minas, emancipado em 1995), Inhapim (emancipado em 1938), Resplendor (incorporado a Aimorés em 1915), Santo Antônio do Manhuaçu, São Francisco do Vermelho (atual Vermelho Velho, extinto antes de 1920 e restaurado em 1924 como distrito de Raul Soares), Tarumirim (incorporado a Itanhomi em 1923) e Vermelho Novo (incorporado a Matipó em 1923), além da sede municipal. Com a emancipação de Inhapim, em 1938, também foram desmembrados os distritos de Santo Estevão e Veadinho (criados em 1923).[2] Até o fim da República Velha, na década de 30, dominou no município o coronelismo, com a alternância de duas formações partidárias no poder denominadas "caranguejo" e "bacurau".[12] Entre 1919 e 1930, houve a inauguração do serviço de produção e distribuição de energia elétrica, de propriedade da Empresa Industrial de Caratinga. Em 1927, Agenor Ludgero Alves, nome da política na ocasião, assinou o contrato que incluiu Caratinga entre as cidades atendidas pela Estrada de Ferro Leopoldina, que veio a ser inaugurada em 1930.[12] Com a locação e o funcionamento da ferrovia houve um novo período de desenvolvimento urbano, com a abertura de ruas e o fácil acesso a outras regiões.[11] No início de seu funcionamento a via férrea fornecia transporte de passageiros até a cidade do Rio de Janeiro.[22] Entre as décadas de 1930 e 1940, o município foi beneficiado com a quitação de dívidas públicas pelo então prefeito Omar Coutinho e por sua inserção na malha rodoviária local. A locação da BR-116 (Rodovia Rio–Bahia), cortando a cidade, favoreceu o comércio e o desenvolvimento.[13] A ferrovia, por sua vez, deixou de transportar passageiros na década de 80, quando ainda havia o serviço até Ubá, sendo erradicada na década de 90.[22] Consolidação urbana e história recente[editar | editar código-fonte] Vista parcial de Caratinga por volta de 1940. O desenvolvimento da cultura do café foi impulsionado na década de 1950, com a instalação de um escritório do Instituto Brasileiro do Café, tornando o município um polo da cafeicultura.[11] Em contrapartida, entre as décadas de 50 e 60 foi notável a migração da população caratinguense para as cidades do Vale do Aço em busca de oportunidades de desenvolvimento, tendo em vista a efervescência daquela região em função dos complexos industriais da Acesita (em Timóteo) e Usiminas (Ipatinga).[14] Mesmo assim, expansões da zona urbana foram necessárias na década de 1970, sendo realizadas pelo então prefeito Moacyr de Mattos, em direção ao atual bairro Limoeiro, e na década de 1990, por Dário da Anunciação Grossi, em direção à unidade II do Centro Universitário de Caratinga.[12] O crescimento urbano, no entanto, ocorre de forma desordenada e em direção aos morros e montanhas que cercam a cidade, com a presença de ocupações e cortes irregulares de terra[23] e o surgimento de favelas.[24] Paralelamente à sede original da cidade, uma nova zona de desenvolvimento se estabeleceu em outro trecho do território municipal, próximo à divisa com Ipatinga. Com a diminuição da disponibilidade de áreas para expansão urbana nos municípios da Região Metropolitana do Vale do Aço e o fácil acesso a esta por meio da BR-458, os investidores passaram a utilizar áreas do município de Caratinga para a criação de loteamentos e ocupações relativamente recentes. Com isso, no decorrer das décadas de 1980 e 1990, o município passou a ser englobado pelo aglomerado urbano do Vale do Aço, processo que também ocorreu com os municípios de Belo Oriente e Santana do Paraíso.[25][26] Em janeiro de 2012, Caratinga foi oficialmente incorporada ao colar metropolitano do Vale do Aço, mediante a Lei Complementar 122.[27] Vista parcial da cidade em 2009. A lei estadual nº 10.704, de 27 de abril de 1992, oficializou uma nova brusca alteração na configuração municipal, com o desmembramento dos distritos de Entre Folhas (que havia sido criado em 1890), Ubaporanga (1938), Santa Bárbara do Leste (1948), Santa Rita de Minas (1948), Vargem Alegre (1953) e Ipaba (1982). Pela lei estadual nº 12.030, de 21 de dezembro de 1995, foram emancipados os distritos de Imbé de Minas (1890) e Piedade de Caratinga (1991). Desde então, o território municipal passou a ser constituído pelos distritos Santo Antônio do Manhuaçu (criado em 1890), Dom Lara (1948), Santa Efigênia de Caratinga (1948), Sapucaia (1948), São Cândido (1952), São João do Jacutinga (1952), Cordeiro de Minas (1991), Patrocínio de Caratinga (1991), Santa Luzia de Caratinga (1991) e Dom Modesto (1992), além da sede municipal.[2] Apesar das mudanças, continuou a ser um polo regional para as cidades a oeste da Serra do Caparaó.[14] A histórica ocupação desordenada da margem do rio Caratinga e cursos hidrográficos menores, bem como dos morros, propiciou a vulnerabilidade da cidade frente a fenômenos naturais. Em janeiro de 2003, a cheia dos leitos que cortam a zona urbana, em especial do rio Caratinga, deixou o Centro da cidade debaixo d'água e implicou um saldo de 6 800 pessoas desalojadas, 433 imóveis destruídos, 80 em situação de risco, 120 vias públicas interditadas, 38 pontes e estradas vicinais destruídas e 446 estabelecimentos comerciais atingidos.[28] Três pessoas morreram, a cidade ficou ilhada[29] e o então prefeito Ernani Campos Porto decretou estado de calamidade pública. O funcionamento do comércio, da indústria e serviços de órgãos públicos ficou suspenso por uma semana.[30] Exatamente um ano mais tarde, em janeiro de 2004, as enchentes voltaram a atingir Caratinga. Apesar de em menor escala, inundaram novamente o Centro e deixaram a cidade em estado de calamidade, provocando mortes, danos em pelo menos 77 residências e a destruição de outras 24.[28][31] Tentativas de canalizar a água dos córregos urbanos, reduzindo os danos de chuvas intensas, passaram a ser executadas no município com objetivo de amenizar possíveis enchentes semelhantes às de 2003 e 2004. Medidas como o monitoramento do nível do rio e sistemas de alerta contra enchentes também foram adotadas no rio Caratinga a fim de minimizar os impactos de um possível transbordamento.[32] Depois da cobrança de taxa de esgoto contra a população desde 1999,[33] as operações da estação de tratamento de águas residuais começaram a ser executadas em 2017.[34] De forma geral, houve uma relevante ampliação do acesso à infraestrutura básica (água encanada, esgotamento sanitário, coleta de lixo e energia elétrica) entre as décadas de 1990 e 2010, apesar da manutenção de aglomerados subnormais e do significativo déficit habitacional, entre os maiores dos municípios do Vale do Aço.[35]
    ECONOMIA
    Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Caratinga localizada no estado de Minas Gerais tem uma área de 1258.8 de quilometros quadrados. A população total de Caratinga é de 85239 pessoas, sendo 41671 homens e 43568 mulheres. A população na área urbana de Caratinga MG é de 70474pessoas, já a população da árae rual é de 14765 pessoas. A Densidade demográfica de Caratinga MG é de 67.72. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Caratinga MG é que 23.33% tem entre 0 e 14 anos de idade; 68.02% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 8.65% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Caratinga localizada no estado de Minas Gerais são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. No Produto Interno Bruto (PIB) de Caratinga, destacam-se as áreas da indústria e de prestação de serviços, no entanto a agropecuária também representa relevante participação, em especial com a cafeicultura. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2016, o PIB a preços recorrentes do município era de R$ 1 525 982,27 mil.[10] 155 162,68 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes e o PIB per capita era de R$ 16 706,25.[10] Cabe ressaltar, no entanto, que uma considerável parte da população se desloca a outro município para trabalhar, dado o fácil acesso às indústrias da Região Metropolitana do Vale do Aço. Dentre a população caratinguense que trabalha em outro município, 28,6% é empregada em Ipatinga, 0,6% em Santana do Paraíso, 0,6% em Timóteo, 0,5% em Coronel Fabriciano e 9,7% em outras cidades do colar metropolitano.[124] Em 2014, salários juntamente com outras remunerações somavam 275 071 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,8 salários mínimos. Havia 2 911 unidades locais e 2 815 empresas atuantes.[125] Segundo o IBGE, 65,58% das residências sobreviviam com menos de um salário mínimo mensal por morador (17 483 domicílios), 24,19% sobreviviam com entre um e três salários mínimos para cada pessoa (6 449 domicílios), 3,46% recebiam entre três e cinco salários (923 domicílios), 2,28% tinham rendimento mensal acima de cinco salários mínimos (609 domicílios) e 4,48% não tinham rendimento (1 194 domicílios).[126] Agropecuária[editar | editar código-fonte] Produção de milho, feijão e mandioca (2015)[127] Produto Área colhida (hectares) Produção (tonelada) Milho 1 530 4 575 Feijão 700 530 Mandioca 335 4 200 Em 2016, a pecuária e a agricultura acrescentavam 64 071,24 mil reais na economia de Caratinga,[10] enquanto que em 2010, 17,73% da população economicamente ativa do município estava ocupada no setor.[95] Segundo o IBGE, em 2015 o município possuía um rebanho de 32 893 bovinos, 2 000 suínos, 1 150 equinos, 251 ovinos, 38 caprinos, 33 bubalinos e 100 mil aves, entre estas 23 mil galinhas.[128] Neste mesmo ano, a cidade produziu 13 973 mil litros de leite de 11 338 vacas, 160 mil dúzias de ovos de galinha e 20 334 quilos de mel de abelha. Na aquicultura foram produzidos principalmente a tilápia (9 000 kg), carpa (5 000 kg), camarão (2 000 kg) e tambaqui (2 000 kg), além de curimbata, pacu, piapara, surubim e tambacu.[128] Na lavoura temporária, são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (11 500 toneladas produzidas e 230 hectares cultivados), o milho (4 575 toneladas produzidas e 1 530 hectares cultivados) e a mandioca (4 200 toneladas e 335 hectares), além do arroz, batata, feijão e tomate.[127] Já na lavoura permanente, destacam-se o café (6 863 toneladas produzidas e 6 355 hectares cultivados), a laranja (3 690 toneladas produzidas e 205 hectares cultivados) e a banana (1 634 toneladas e 86 hectares), além do abacate, coco, látex, limão, maracujá e tangerina.[129] Caratinga é um importante produtor de café de montanha, apesar da atividade ter apresentado ligeiro declínio em função do aumento de gastos.[130] No período da safra, que ocorre de abril a setembro, o comércio local registra um aumento no movimento. Também cabe ser ressaltada a importância dos hortifrutigranjeiros, cuja produção atinge em média 3 000 toneladas ao mês.[21] A cidade possui uma Central de Abastecimento (CEASA), onde é comercializada a produção hortifrutigranjeira local e atende a cerca de 50 municípios da região,[14] porém 51% do que é comercializado na CEASA de Caratinga é produzido no próprio município.[131] Indústria e prestação de serviços[editar | editar código-fonte] Trecho da Rua Raul Soares, no Centro de Caratinga, com predomínio de estabelecimentos comerciais. A indústria, em 2016, era o segundo setor mais relevante para a economia do município. 144 502,19 mil reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor secundário.[10] Dentre outros ramos, fazem-se presentes em Caratinga a indústria têxtil, manipulação de minerais não-metálicos, fabricação de produtos químicos, fabricação de artigos de borracha e plástico, fabricação de móveis e artefatos mobilísticos, a produção de alimentos e bebidas e a indústria metal-mecânica.[36] O município conta com um distrito industrial, que foi criado em 1996, inicialmente com 78 lotes e uma área de 120 144 km².[132] As áreas próximas da Região Metropolitana do Vale do Aço apresentaram investimentos em estabelecimentos industriais a partir da década de 1980, dados o esgotamento imobiliário da região metropolitana e o fácil acesso a esta por meio da BR-458.[117][133] Também é relevante a extração de eucalipto destinado a abastecer a usina de celulose da Cenibra, situada em Belo Oriente.[134] Em 2015, de acordo com o IBGE, foram extraídos 69 915 metros cúbicos de madeira em tora, sendo 98,6% desse total destinado à produção de papel e celulose.[135] Segundo estatísticas do ano de 2010, 0,34% dos trabalhadores estavam ocupados no setor industrial extrativo e 6,22% na indústria de transformação.[95] Em 2010, 7,08% da população ocupada estava empregada no setor de construção, 0,66% nos setores de utilidade pública, 20,70% no comércio e 42,48% no setor de serviços[95] e em 2016, 836 599,99 mil reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor de serviços e 325 646,17 mil reais do valor adicionado da administração pública.[10] O centro de Caratinga é um dos principais núcleos comerciais da cidade,[136][137] sendo considerável a presença de micro e pequenas empresas com sede no próprio município e que contam com uma boa estrutura física.[138] A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caratinga contava com 458 associados em abril de 2016.[136]
    TURISMO
    1 História 1.1 Exploração e colonização da região 1.2 Emancipação e configuração administrativa 1.3 Consolidação urbana e história recente 2 Geografia 2.1 Relevo e hidrografia 2.2 Clima 2.3 Ecologia e meio ambiente 2.3.1 Problemas ambientais 3 Demografia 3.1 Indicadores e desigualdade 3.2 Etnias e religião 4 Política e administração 5 Subdivisões 6 Economia 6.1 Agropecuária 6.2 Indústria e prestação de serviços 7 Infraestrutura 7.1 Saúde 7.2 Educação 7.3 Serviços, habitação e comunicação 7.4 Segurança e criminalidade 7.5 Transporte 8 Cultura 8.1 Manifestações e espaços culturais 8.2 Marcos e atrativos 8.3 Esportes 8.4 Feriados 9 Ver também 10 Referências 10.1 Bibliografia 11 Ligações externas

    Curso De Adestramento De Caes Carapicuiba Sp

    Sobre Cursos EAD

    EaD é a sigla para Educação a Distância. É uma forma de ensino/aprendizagem mediados por tecnologias que permitem que o professor e o aluno estejam em ambientes físicos diferentes.

    EaD possibilita que o aluno crie seu próprio horário para estudar pois geralmente as aulas são ministradas pela internet, e o aluno apenas comparece a instituição de ensino para realizar as provas. Nessa modalidade o aluno acompanha a matéria através de mídias como televisão, vídeo, CD-ROM, telefone celular, iPod, notebook etc.

    A Educação a Distância foi regulamentada pelo Decreto-Lei nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, do Ministério da Educação, regulamentando o Art. 80 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Entre outras disposições, determina que a educação a distância será oferecida por instituições especificamente credenciadas pela União. Caberá também à União regulamentar requesitos para realização de exames e para registro de diplomas relativos ao curso.

    Na educação a distância, o aluno tem a capacidade de gerenciar seu próprio aprendizado, ele possui uma grande autonomia para estudar e “assistir” as aulas de acordo com seu tempo disponível.

    A Educação a Distância é uma modalidade de ensino que tem se tornado cada vez mais comum. São oferecidos cursos de graduação, pós-graduação, cursos técnicos, profissionalizantes, de aperfeiçoamento etc.