Curso de Adestramento de Cães em Duartina

 

 

Você você mora em Duartina Sao Paulo
Aproveite Esta GRANDE OPORTUNIDADE para entrar no mercado de Adestramento de Cães

 

 

ATENÇÃO Veja no vídeo abaixo como um livro de apenas R$ 2,50 mudou minha vida profissional e pode MUDAR A SUA TAMBÉM

 

 

O Curso Adestramento A Jóia do Infinito é o único do mercado COM ...
* ANIMAÇÕES 3D * Presença de Aluno real * Didática de atendimento ao cliente * Simulação de adestrador atendendo cliente * Situações reais com cães desmotivados

 

Walkerdog

 

Curso Adestramento A Joia do Infinito RETORNO RÁPIDO!

Como Adestrador Formado no Curso Online do Centro Canino WalkerDog

você pode cobrar R$ 80,00 por hora de adestramento,

se fizer 4 horas por final de semana você


fatura em um único mês R$ 1280,00



 

comprar curso agora

 

compra segura hotmart

Compra 100% segura! Receba imediatamente seu acesso após a confirmação do pagamento.


hotmart

 

Veja Como Funciona o Curso

No Curso de Adestramento de Cães A Jóia do Infinito, oferecido pelo Centro Canino WalkerDog, você aprenderá as principais técnicas de Adestramento, aliando teoria e prática. O Curso é 100% online gravado em alta resolução com Animações 3D e participação de aluno real nas aulas práticas.

Aprenda também sobre o bem-estar animal, alimentação correta, psicologia e comportamento canino, interpretação da linguagem corporal dos cães, e mais:

Como evitar que o cão coma ou destrua objetos em casa;

Saiba como ensiná-lo a fazer as necessidades no local correto;

Aprenda técnicas e truques de adestramento, do básico ao avançado;

Conheça como é o treinamento de um cão de trabalho.

POR DENTRO DO CURSO

6 Módulos, mais de 20 Videoaulas com método exclusivo, animação 3D e aluno real.

CURSO 100% ONLINE

Você vai assistir no conforto da sua casa, a hora que você quiser, podendo ver e rever as aulas

AULAS REAIS

Aulas práticas gravadas com aluno real.

SUPORTE E ACOMPANHAMENTO

Você vai ter o suporte individual diretamente com o Adestrador Alex para tirar suas dúvidas através do grupo do Facebook.

CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Após assistir todas as aulas do curso, você receberá um lindo certificado provando a conclusão do curso, mostrando que você está preparado para trabalhar como adestrador de cães.

hotmart

 

Veja o que os alunos estão falando sobre o Curso

grade curricular

 

Conheça a GRADE CURRICULAR do curso

MÓDULO 01 APRESENTAÇÃO

  • Boas vidas e apresentação do curso de Adestramento A Jóia do Infinito

MÓDULO 02 CONHECENDO A HISTÓRIA E O COMPORTAMENTO CANINO

  • A história do relacionamento entre cães e humanos no Brasil.
  • Comportamento Canino

MÓDULO 03 ESTUDANDO OS CONCEITOS CIENTÍFICOS, E METODOLOGIAS

  • Conceitos
  • Reforço Positivo, Reforço Negativo e Punição

MÓDULO 04 DIDÁTICA PARA COM O CLIENTE E TÉCNICAS DE ADESTRAMENTO

  • Visita ao cliente, como agir
  • Entendendo o contexto para mudar o comportamento do cão
  • Carregamento do clicker

MÓDULO 05 INICIO DAS AULAS PRÁTICAS, CONCEITOS PARA EXTRAÇÃO DE COMANDOS

  • Carregar o clicker na prática
  • Como criar um aprendizado sem falhas
  • Como criar um aprendizado sem falhas, vídeo
  • Generalizando os comandos com indução (usando petisco perto do nariz como moeda de troca)
  • Carregamento da base, significado
  • Generalizando comandos troca de posições, senta, deita, de pé com contato (toque)
  • Generalizando cão inseguro
  • Descriminando comandos (descriminar é colocar comandos verbais)
  • Descriminando comandos Parte 2
  • Descriminando comandos Parte 3

MÓDULO 06 AULAS BÔNUS

  • Todo mês uma aula nova e exclusiva para os alunos

Walkerdog

 

Conheça o Adestrador Alexsandro Epping

 

Curso para Adestradores de Cães centro canino walkerdog Olá meu nome é Alexsandro Epping, sou proprietário do Centro Canino WalkerDog. Venho convidar você que assim como eu quer trabalhar com o que ama, TRABALHAR ADESTRANDO CÃES!

Sou Formado em comunicação e Marketing, atualmente curso História na Unicesumar e Gestão de Empresa na Anhanguera

Realizou os seguintes cursos:

  • Treinamento tático com cães. Local Quinto batalhão de suprimento Curitiba com Sub tenente Marcos Goes
  • Treinamento de busca e resgate com cães, faro de entorpecente, busca e captura. Local: Marau RS. Instrutores: sargento do POE Antonio Rodrigues, RS, instrutores da K9 do Uruguai, EUA e Colombia

  • Em 10 anos o instrutor Alex buscou mais de 30 cursos e seminários no Brasil e no exterior, sendo cursos e semanários no valor de R$ 2.000 a R$ 5.000,00. Como orientador na formação de adestradores de cães de guarda também se especializou na área da segurança em cursos homologados pela Polícia Federal e ainda buscou qualificação didática de e ensino superior como instrutor na formação de alunos em seguimentos como adestradores.

    Totalizando mais de R$50.000,00 investidos em conhecimento.

    E mais dezenas de cursos no qual já ganhou mérito de destaque como melhor aluno em turma de 21 alunos.

    Dados de atuação:
    O adestrador Alexsandro Epping é responsável pela formação de adestradores na WalkerDog, adestrador responsável pelo treinamento de cães condenados a eutanásia por vigilância sanitária de diversos municípios, adestrador do cães em treinamento da WalkerDog, palestrante sobre comportamento canino em várias empresas escolas técnicas e faculdades.

    Responsável pelo hotel/ creche da WalkerDog.
    Sua equipe são ex alunos de cursos da WalkerDog

     

    LEMBRA DA HISTÓRIA DO LIVRO?

    Aconteceu em 2010 ....

    Veja Como Está Nossa Estrutura HOJE!

    P.S.: não estou vendendo uma SOLUÇÃO MÁGICA, mas o conhecimento deste curso, aliado é muito trabalho e dedicação, pode se transformar em UMA JÓIA DO INFINITO

     

    Walkerdog

     

    HOJE VOCÊ TERÁ A OPORTUNIDADE ÚNICA DE ADQUIRIR O CURSO COMPLETO POR APENAS

     

    de R$ 697,00 valor normal

     

    12 x de R$ 48,42

     

    Menos de R$2,00 por dia.

     

    São MAIS DE R$ 50.000,00 investidos em conhecimento pelo adestrador Alex

    TUDO ISSO entregue no curso para você por um preço acessível

     

    comprar curso agora

     

    garantia 7 dias

     

    O RISCO é TODO MEU, Até 7 DIAS depois do pagamento, você pode cancelar por qualquer motivo, e devolvemos todo o valor pago.

    ONDE EU RECEBO O CURSO?

    Logo após a confirmação da sua compra, você irá receber no seu E-mail os dados de acesso ao curso online.

    FICOU COM ALGUMA DÚVIDA EM RELAÇÃO AO CURSO ONLINE?

    Chame nos nossos WHATSAPP (51) 9 97613537 (vivo) | (51) 9 91519690 (claro)


    Título: Curso de Adestramento de Cães em Duartina Sao Paulo
    Criado em 28/05/2020 - Publicado em - Atualizado em 28/05/2020
    Centro Canino WalkerDog
    Centro Canino WalkerDog

    Conheça o Curso Banho e Tosa em Duartina SP

    Dados de Duartina - SP
    Area em km2= 264
    Populacao = 12251
    PIB Per Capta = R$ 0

    HISTORIA
    A Formação da povoação[editar | editar código-fonte] Quando da chegada do homem branco, a região era disputada entre dois grupos indígenas: os Caingangues e os Guaranis. Os primeiros povoamentos situados na região do Rio Alambari, foram registrados oficialmente em 1847, quando esta foi qualificada como zona eleitoral de Itapetininga, sendo esses povoados ligados à então recém-criada freguesia de Botucatu. Com a sanção da lei de regulamentação de terras pelo governo imperial em 1850, muitos pioneiros compareceram perante o vigário de Botucatu, registrando as posses na região do rio Alambari. Estes pioneiros traziam consigo planos de aquisição de grandes extensões de terras para o plantio de café, que na ocasião posicionava-se em primeiro lugar na pauta de produtos de exportação do Brasil. Os primeiros moradores a se fixar na região que compreende o atual município de Duartina foram Joaquim Braz de Souza e Baptista Martins, que iniciaram suas plantações de café demarcando a Fazenda do Serrote, que recebeu esse nome em virtude do Ribeirão Serrote, cujas águas corriam pela propriedade. O nome do rio foi dado pelos pioneiros que chegaram à região, pelo fato de o mesmo cortar (como um serrote) extensa porção de terras.[9] Em 1919 o Coronel Theodósio Lopes Pedroso, natural de Minas Gerais e erradicado na cidade paulista de São Manuel, adquiriu uma vasta propriedade cujo território abrangia a atual área central do município de Duartina. Esta fazenda recebeu o nome de Santa Luzia devido a sua devoção à referida Santa. Com o início das plantações, foi detectada em parte da fazenda do coronel, uma faixa de terras cujas características não possibilitavam o bom desenvolvimento de atividades agrícolas. Essa faixa de terras caracterizava-se por ser um solo lixiviado, que em dias chuvosos transformava-se numa plastra barrenta e pegajosa, que dificultava o tráfego de pessoas, animais e carroças; tratava-se do arenito Bauru, predominante nas depressões de parte da região da Alta Paulista. Com a inutilização da referida faixa de terras, o coronel decidiu doar esses 10 alqueires à diocese de Botucatu, um ano após a instalação de sua fazenda. Os 10 alqueires de terras improdutivas, doados à diocese de Botucatu deram origem ao patrimônio de Santa Luzia do Serrote, cujo nome se deu em função da junção do nome das duas fazendas existentes na região. A criação do distrito e seu desenvolvimento[editar | editar código-fonte] Em 16 de dezembro de 1922, o senado afirmou a criação dos distritos de paz de Santa Luzia do Serrote (atual Duartina), e Bom Jesus do Mirante (atual Cabrália Paulista), no município de Piratininga e comarca de São Paulo dos Agudos (atual Agudos), de acordo com a lei nº 1893. Segundo parecer da Comissão verificadora do governo do estado de São Paulo, o patrimônio de Santa Luzia do Serrote, possuía na época uma população de 3 mil pessoas. O distrito experimentou desde então um vertiginoso crescimento, atraindo para suas fazendas, nordestinos, mineiros, cariocas, paulistas de outras áreas e imigrantes europeus e japoneses para o trabalho como colonos nas plantações de café. Além destes encontrava-se no distrito pequenos proprietários rurais que se dedicavam à produção de gêneros alimentícios, comerciantes e profissionais liberais.  Os Imigrantes[editar | editar código-fonte] Em Duartina os imigrantes geralmente avizinhavam-se de seus patrícios, originando bairros de notável predominância étnica, como o bairro de Congonhas, onde predominavam os portugueses; Ribeirão Bonito: italianos e espanhóis e Água da Capoeira japoneses. Os árabes e os italianos preferiram se dedicar ao comércio e ao ensino na zona urbana. Além da Água da Capoeira, havia predominância étnica de japoneses nos bairros: Fuji Barrocão, Kõsei, Mizuho, Konshu e Kuminki. Alguns destes possuíam mais de um nome, sendo o nome dado pelos brasileiros e o nome dado pelos japoneses, como por exemplo, os bairros do Ferreirinha e do Duzentos Alqueires, que eram conhecidos respectivamente por Yamato e Assahi, em japonês. A região da Água da Onça, também atraiu imigrantes japoneses por conta da fazenda do imigrante japonês Kanbe Yanaguiwara, proprietário de maior número de alqueires de terra da região. A fazenda possuía uma escola japonesa de educação primária. Além dos bairros de predominância étnica, Duartina abrigou algumas colônias agrícolas japonesas, como a Fukuju[10]. No bairro de Ribeirão Bonito, também havia alguns poucos japoneses, em meio aos italianos e espanhóis, como Daijiro Matsuda, que junto de seus familiares, constituíram-se nos primeiros fiéis da Seicho-No-Ie do Brasil. A família aderiu à filosofia no ano de 1934, através do conhecimento que tomaram da mesma a partir de um livro postado diretamente do Japão ao senhor Oshiro, vizinho da família e recém-chegado ao Brasil. Dentre os pequenos proprietários de terra de origem japonesa que se destacaram no município estão os irmãos Kiogi e Shiguero Fugita, integrantes da primeira leva de japoneses, que se fixaram na atual região de Duartina no ano de 1914 e adquiriram propriedades rurais no bairro da Água da Capoeira, para o cultivo de algodão e café, introduzindo em 1922, no então distrito, a criação de bicho-da-seda, que se tornaria a âncora econômica regional no período da Segunda Guerra Mundial até os anos 1990. Diversas ruas da cidade homenageiam cidadãos que contribuíram de alguma forma para seu progresso e crescimento, de modo que, pode-se perceber a representatividade da imigração nos sobrenomes das famílias que se estabeleceram em Duartina. Pode-se destacar as seguintes famílias de acordo com a origem: Italianas: Andreoli, Anzolin, Aquino, Balestra, Banhara (Bagnara), Bartalotti, Bellini, Bellodi, Benete (Benetti), Benica, Benuto (Benutto), Bertinotti, Bertoldi, Bertolo, Bertoni, Betoni, Bianco, Bianospino, Bim, Bissi, Biz, Boldrin, Bonfanti, Bortoloto (Bortolotto),Bortoleti (Bortoletti), Botasini, Bragiato, Briquezi, Brocanelli, Burrasca, Buzzo, Cabrini, Calesso, Campanari, (Campagnari), Cardia, Carlone (Carloni), Casarin, Cassita, Cequetti, Cestari, Chimini, Chiquetti, Cimino, Coleti/Collete, Coracini, Cozzi, Dal Vesco, Demarchi, Denicolai, Del Pretti, Doretto, Fabri/Fabro, Fanhani (Fagnani), Fasanaro, Favarin/ Favarini, Fávaro, Ferracini, Ferrarezi/Ferrarezzi, Ferrari, Ferrato, Finato, Fioravante, Fracarolli, Franchim, Furlan, Furlanetto/Furlanetti, Garbini, Garbulho/Garbullio (Garbuglio), Garla, Gazarini, Giacomini, Giovanetti, Girela, Gorela, Grassi, Jampietro (Gianpietro), Joaniti (Joanitti), Lozano, Maitan, Malaguti, Mangialardo, Marani, Maranho (Maragno), Marconi, Marini, Marino, Maronezi, Marsílio (Marsiglio), Martinelli, Martinucci, Menechelli, Michelan, Mignoni, Milani, Moneratto, Moraco, Negrini, Nucci, Pacchioni, Paluan, Parussolo, Pavanini, Perassoli, Pettenuci, Piovezan, Piveta, Pizente, Policante, Prande/Prandi, Preto, Pupo, Quintiliano, Rabaldelli, Radighieri, Rampazo, Ranzani, Rischini, Rissardi, Rizo/Rizzo, Rorato, Rossini, Rotondaro, Rufatto, Sabatini, Sanquetti, Sarto, Sarturato, Semini, Schiavo, Simionato, Smaniotto, Solimeo, Tamellini, Tonin, Tosta, Varavallo, Viotto, Zamparo, Zanatta, Zanetti, Zanin, Zanioto (Zanotto), Zanon, Zaparolli, Zattoni, Zorzetto, Zuim (Zuin), Zulian. Japonesas: Adati, Akatsuka, Akatuti, Akihisa, Chiba, Endo, Fujita, Fujiyama, Gohara, Hama, Hashimoto, Hena, Hirao, Hiratsuka/Hiratuka, Honda, Horie, Horita, Hoshino, Ikeda, Imai, Inokuchi, Inomoto, Iwata, Kamakura, Kassa, Kawai, Kawakami, Kishida, Komori, Kuboyama, Maebara, Mabuchi, Massuyama, Makita, Matsubara, Matsuda, Matsuno , Marubayashi, Miki, Missaka, Mizumoto, Miyajima, Miyabara, Miyoshi, Mouri, Mune, Murakami, Nakamura, Nakano, Nakata, Nishikawa, Nogami, Oba, Oda , Oguri , Oshiro, Saito , Sakamoto, Sakata, Sato, Shitara, Sogabe, Suguio, Takahashi, Takemori, Takiuti, Tanaka I, Tanamoto, Tarora, Tateichi, Togashi, Toshioka, Tsuji, Uchiyiama, Ueda, Uehara, Ueno, Uemura, Ujikawa, Umada, Utiyama, Waki, Wakimoto, Yamada, Yamaguchi, Yamamoto, Yamashita, Yanagihara, Yanaguiwara, Yukawa.[11][12][13] Portuguesas/Luso-brasileiras: Aleixo, Almeida, Alves, Amaral, Anselmo, Araujo, Azenha, Balbino, Barbosa, Barreto, Barros, Batista, Brito, Cabral, Campos, Cardoso, Carvalho, Castilho, Chagas, Chaves, Cipriano, Clemente, Conegundes, Cordovil, Correa/Correia, Costa, Dias, Domingos, Domingues, Do Val, Favinha, Fernandes, Ferreira, Ferro, Figueiredo, Firmino/Fermino, Garcia, Godoy, Gomes, Gonçalves, Gonzaga, Gouveia, Guímaro, Gusmão, Hortelã, Leme, Lima, Lisboa, Lopes, Lourenço, Madureira, Manso, Martins, Mattos, Maximino, Mendes, Mesquita, Monteiro, Moreira, Neves, Neris, Nery, Noronha, Nunes, Oliveira, Pedroso, Pereira, Pires, Porto, Prado, Primo, Reis, Ribeiro, Rocha, Roldão, Rosa, Salviano, Santana, Santos, Silva, Simão, Soares, Souza, Teixeira, Theodoro. Espanholas: Alonso, Antiquera, Aredes, Balistero, Caparroz, Carrenho (Carreño), Contreras, Ernandes/Ernandez, Frontera, Gimenez, Luna, Maldonado, Marques (Marquez), Martin, Martines/Martinez, Pacheco, Palacios/Palacio, Parra, Prates, Raduan, Ramires (Ramirez), Rodrigues (Rodriguez), Rojas, Segundo, Toledo, Urias, Valera, Vermejo/Bermejo, Zapata. Sírio-libanesas: Addas, Assad, Auad, Calil, Chames/Chammas, Cury, El Gadban, Fares, Gebara, Massad, Murad, Neme, Sabbag/Sabbagh/Sabage, Said, Zugaib[14][15][16]. A emancipação político-administrativa e o declínio da produção de café[editar | editar código-fonte] As produções de café e algodão eram destinadas ao mercado externo, sendo que tal produção era carregada em lombos de muares até o município de Piratininga, para embarque por via férrea até o porto de Santos.A Companhia Paulista de Estradas de Ferro já planejava estender seus trilhos até a divisa com o atual estado de Mato Grosso do Sul, devido à chegada constante de novos plantadores de café e contingentes populacionais que se estendiam pelo meio oeste do estado de São Paulo. A situação desses pioneiros era de quase total isolamento geográfico, a não ser pelas precárias estradas de terra abertas pelos fazendeiros e coronéis locais. Por estar na influência do traçado projetado pela Companhia Paulista, em 1925, o distrito de Santa Luzia do Serrote foi beneficiado a partir da construção de sua estação ferroviária, tirando a população local da situação de isolamento em que viviam, para a inclusão num novo mundo urbano que surgia com a chegada da linha férrea.  Após a criação do distrito de paz, o crescimento aumentou em Santa Luzia do Serrote, que ganhou importância após a inauguração de sua estação ferroviária, o que fez surgir entre fazendeiros e moradores, a iniciativa de pleitear junto aos poderes públicos, a criação do município, em cuja época se fazia através de acordo prévio entre lideranças políticas regionais e estaduais, que enxergavam na transformação de pequenos núcleos, em municípios, a oportunidade de ganho da simpatia e consequente resultado nas urnas. Em 4 anos, a população havia saltado de 3 mil para cerca de 10 mil habitantes, ou seja, um aumento percentual de mais de 200%, salto este, que o município não mais presenciou. Em 11 de dezembro de 1926, sob a lei de número 2151, do projeto do deputado estadual Eduardo Vergueiro de Lorena, foi então criado o município de Duartina, abrangendo o distrito policial de Gralha (atual Lucianópolis). O município adotou o nome de sua estação ferroviária, escolhido pela população e autoridades locais em homenagem ao arcebispo de Botucatu, Dom Duarte da Costa, como imposição da Companhia Paulista, de nomear as estações por onde seus trilhos passavam em ordem alfabética, sendo a estação anterior à localidade iniciada pela letra c, “Cabrália Paulista”, e a posterior iniciada pela letra e “Esmeralda”.  Até o ano de 1928, o café era ainda considerado o “ouro verde” dos fazendeiros paulistas, que auferiam grandes lucros através de sua produção, contudo, a partir de 1929, através da crise, muitos fazendeiros cujos sustentáculos das economias estavam na monocultura cafeeira faliram. Salvaram-se da falência os que além do café produziam algodão, cuja cultura chegou ao auge em 1930, alcançando altos preços no mercado. Projeção de Duartina como "capital nacional da seda"[editar | editar código-fonte] A partir de 1941, com a eclosão da guerra do Pacífico, aumentou-se a procura mundial pela seda em decorrência da falta de oferta do produto por parte do Japão, grande produtor mundial, cujas forças estavam canalizadas no conflito. Com isso o preço da seda aumentou consideravelmente, o que motivou integrantes da família Fujita a retomar as atividades sericícolas, plantando inicialmente 3 mil pés de amoreiras, cujas folhas são destinadas à alimentação das larvas do bicho da seda. O mercado em ascensão animou outras famílias japonesas e italianas a entrarem no ramo o que culminou em 5 milhões de pés de amoreiras, distribuídos em pequenas propriedades, numa área de mil alqueires de terra em Duartina.  Nesta época houve diversos conflitos entre a colônia japonesa, culminando na cisão da mesma no pós-guerra entre Kachigumis ou “vitoristas” - que acreditavam que o Japão havia ganhado a guerra; e Makegumis ou “derrotistas” - que não acreditavam na vitória do Japão. A colônia japonesa possuía boa reputação em Duartina, bem como boa relação com o delegado local, que aliviava as pressões sobre os mesmos no período da guerra, em que os imigrantes de todo o país enfrentaram uma série de restrições, como proibição de conversas em seus idiomas em locais públicos, ensino dos mesmos nas escolas, fechamento de jornais e revistas de organizações estrangeiras, restrição da liberdade de culto, entre outras. Não houve conflitos conhecidos entre os japoneses em Duartina, muito embora houvesse quem acreditasse na vitória e quem acreditasse na derrota. O clima de estabilidade entre a colônia japonesa de Duartina permitiu que os produtores continuassem a produção de bicho-da-seda sem passar por inconvenientes que acometiam regiões de influência de facções japonesas que instigavam o ódio aos derrotistas. Evidência deste clima estável em Duartina foi a fundação das fiações de seda “Santa Luzia” e “Duartina”, por parte de imigrantes japoneses na cidade em 1941, ano de início da Segunda Guerra Mundial, sendo que as mesmas mantiveram-se em funcionamento durante todo o decorrer da guerra, sem que seus proprietários e funcionários de origem nipônica sofressem represálias. Fiação de Seda Santa Luzia Limitada foi fundada pelos sócios Tatsuso Murakami e Yoshio Inokuchi. e a Fiação de Seda Duartina Limitada tinham como sócios Pedro Piazentin, Kioshi Kawai, Yukio Kawai e Hatiro Shitara. A produção duartinense de seda foi considerada entre as melhores do estado, seja a de casulos, seja a de ovos de bicho-da-seda. Em 1958 a colônia japonesa do Brasil completou seu cinquentenário de imigração. Em Duartina a colônia organizou desfiles pelas ruas da cidade, promoveram bailes, competições esportivas, concursos de beleza entre as jovens, doou uma fonte luminosa afixada na praça central entre outros. Havia um alto grau de integração entre a colônia japonesa do município na época, representando as atividades desenvolvidas pelos membros da colônia japonesa associados ao Duartina Nihon-jinkai, no entanto a maioria das atividades eram destinadas aos jovens, o que culminou no fim das mesmas posteriormente, graças a migração de boa parte dos mesmos para grandes centros em busca de trabalho e estudo. A Tenrikyo de Duartina foi fundada no ano de 1961 pela família Mabuchi, que chegou ao Brasil na década de cinquenta como missionários desta igreja. Nessa mesma época, também como missionários, chegou à Duartina a família Miyoshi. Duartina também experimentou da política de comércio exterior do Japão através da instalação da fiação Gunsan S/A, do grupo Gunze Sangio, de capital japonês, que chegou em 1970 ao município através da iniciativa dos imigrantes japoneses Yamada e Yamaguchi. A fiação foi comprada na década de 80 pela fiação de seda Bratac, fruto da união de descendentes de japoneses do município de Bastos, instalando então sua unidade fabril em Duartina. A partir da década de 1970, o município passou a sofrer um substancial decréscimo em sua população, uma vez que as atividades agrícolas se mantinham em crescente estagnação e grandes cidades despontavam oferecendo melhores condições de emprego, ocasionando grande e progressivo êxodo rural, situação observada em todas as regiões do país.  A atividade econômica que persistiu fortemente em Duartina foi a sericicultura, o que levou a cidade a ostentar o título de capital nacional da seda. As tecelagens instaladas no município, que compravam a produção de casulos das propriedades familiares, formaram um verdadeiro exército de mão de obra feminina, contratando poucos homens para o trabalho na linha de produção, forçando muitos à emigração.  Anos 80 e 90 e a crise demográfica[editar | editar código-fonte] A seda passou a ser o sustentáculo da economia duartinense, remodelando a zona rural, de modo que as grandes fazendas produtoras de café e algodão passaram a ser retalhadas em pequenas áreas para o cultivo de amora para alimentação das larvas do bicho-da-seda por parte dos antigos colonos das fazendas, já os antigos fazendeiros, que mantinham suas terras passaram a investir na pecuária, todas atividades rurais que dependiam de número muito reduzido de trabalhadores, se comparado às antigas lavouras. O acréscimo na população observado na década de 80, pode se dar ao fato dos altos índices a que chegaram a produção duartinense de seda nas fiações, que trabalhavam noite e dia com divisão de turnos para atender a demanda internacional pelo produto, gerando na cidade um verdadeiro exército de mão de obra “feminina”. Nos anos 90, um novo decréscimo voltou a ocorrer, o mercado de seda entrou em declínio e diversas tecelagens fecharam suas portas, sendo assim, a população local foi obrigada a buscar emprego em cidades maiores. Nesta mesma década o município recebeu um grande contingente de aposentados procedentes principalmente da região metropolitana de São Paulo, que compraram terrenos no perímetro urbano para a construção de amplas residencias para moradia, o que gerou uma forte especulação imobiliária na cidade e se tornou junto à falta de empregos, fator decisivo para a mudança de parte da população para cidades maiores.  Pórtico de entrada de Duartina (via Cabrália) Século XXI[editar | editar código-fonte] Duartina entra o século XXI com uma população de 12.251 pessoas, sendo 6.117 homens e 6.358 mulheres. A população do município é predominantemente urbana (10.559 pessoas), sendo que na área rural concentram-se apenas 1.692 pessoas. O município faz parte da zona de expansão do Cinturão Citrícola do estado de São Paulo. Embora a colheita da laranja demande considerável número de trabalhadores rurais, a dinâmica da divisão do trabalho do campo atual é diferente em relação ao passado, não assentando mais o trabalhador no campo; deste modo, o trabalhador rural atual vive predominantemente nas periferias das cidades e são transportados diariamente até o campo nos "ônibus rurais" para a colheita. Em Duartina existe um exército de mão de obra citadina que desloca-se diariamente para o trabalho nas lavouras canavieiras e citrícolas da região. Parte significante da população desloca-se diariamente para a vizinha Bauru, seja para trabalho, estudo ou ambos; são oito horários diários de ônibus, além dos fretados que permitem tal movimento pendular. Na cidade, os setores que mais empregam são o de comércio e o de serviços. Em 2018, o Ministério Público Federal em Bauru entrou com uma ação contra o Governo Federal para regularizar estações ferroviárias e imóveis que estão abandonados ou indevidamente ocupados em seis cidades do Centro-Oeste Paulista, sendo elas: Agudos, Avaí, Cabrália Paulista, Pederneiras, Piratininga e Duartina. Embora a antiga estação ferroviária de Duartina tenha sido demolida pelo poder público municipal nos anos 1990 para a construção da atual estação rodoviária, o município possui diversos imóveis da antiga Companhia Paulista, como armazéns e antigas residências dos ferroviários. O processo requer uma destinação eficiente, seja por meio de doação de recursos ou leilão do patrimônio para que possam ser utilizados para benefício do conjunto da população.[17] Panorâmica da região central
    ECONOMIA
    Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Duartina localizada no estado de Sao Paulo tem uma área de 264.6 de quilometros quadrados. A população total de Duartina é de 12251 pessoas, sendo 5970 homens e 6281 mulheres. A população na área urbana de Duartina SP é de 10997pessoas, já a população da árae rual é de 1254 pessoas. A Densidade demográfica de Duartina SP é de 46.31. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Duartina SP é que 18.94% tem entre 0 e 14 anos de idade; 68.98% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 12.08% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Duartina localizada no estado de Sao Paulo são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. 1 História 1.1 A Formação da povoação 1.2 A criação do distrito e seu desenvolvimento 1.3 Os Imigrantes 1.4 A emancipação político-administrativa e o declínio da produção de café 1.5 Projeção de Duartina como "capital nacional da seda" 1.6 Anos 80 e 90 e a crise demográfica 1.7 Século XXI 2 Geografia 2.1 Demografia 2.2 Hidrografia 2.3 Rodovias 3 Comunicações 4 Bairros 4.1 Urbanos 4.2 Rurais 5 Administração 5.1 Lista de Prefeitos[25] 6 Cidadãos ilustres 7 Esporte 8 Referências 9 Ver também 10 Ligações externas
    TURISMO
    1 História 1.1 A Formação da povoação 1.2 A criação do distrito e seu desenvolvimento 1.3 Os Imigrantes 1.4 A emancipação político-administrativa e o declínio da produção de café 1.5 Projeção de Duartina como "capital nacional da seda" 1.6 Anos 80 e 90 e a crise demográfica 1.7 Século XXI 2 Geografia 2.1 Demografia 2.2 Hidrografia 2.3 Rodovias 3 Comunicações 4 Bairros 4.1 Urbanos 4.2 Rurais 5 Administração 5.1 Lista de Prefeitos[25] 6 Cidadãos ilustres 7 Esporte 8 Referências 9 Ver também 10 Ligações externas

    Curso De Adestramento De Caes Dracena Sp

    Sobre Cursos EAD

    Com a revolução da internet, o acesso à informação se tornou cada vez mais fácil. Vemos isso no jornalismo, com o surgimento de portais online transmitindo notícias em tempo real. Ou no serviço de streaming, como Google Play, o Globo Play ou a Netflix, que facilitou o acesso à documentários, novelas e filmes. A informação está à um clique, e no setor da educação, o cenário não se encontra muito diferente.

    Os cursos online tem revolucionado cada vez mais a área do ensino. Os cursos à distância possuem não só a vantagem da autogerência e a flexibilização do seu tempo de estudo, como também permite a distribuição de conhecimento quebrando barreiras físicas. A pesquisa de um professor dos Estados Unidos pode ser facilmente acessada por um aluno do Rio de Janeiro e o mesmo aluno do Rio de Janeiro pode tirar dúvidas com um colega do Mato Grosso. Fatores esses que são muito limitado em casos de cursos presenciais, uma vez que ficamos muito limitados ao mesmo ciclo de convivência.

    Além dessas vantagens, a internet disponibiliza diversas opções de cursos EAD, que possibilitam oportunidades em diferentes modalidades para os alunos. Essa variedade transforma de extrema importância traçar qual o seu objetivo principal durante a sua escolha entre modalidades, a fim de descobrir qual melhor atende às suas expectativas.