Curso de Adestramento de Cães em Manaus

 

 

Você você mora em Manaus Amazonas
Aproveite Esta GRANDE OPORTUNIDADE para entrar no mercado de Adestramento de Cães

 

 

ATENÇÃO Veja no vídeo abaixo como um livro de apenas R$ 2,50 mudou minha vida profissional e pode MUDAR A SUA TAMBÉM

 

 

O Curso Adestramento A Jóia do Infinito é o único do mercado COM ...
* ANIMAÇÕES 3D * Presença de Aluno real * Didática de atendimento ao cliente * Simulação de adestrador atendendo cliente * Situações reais com cães desmotivados

 

Walkerdog

 

Curso Adestramento A Joia do Infinito RETORNO RÁPIDO!

Como Adestrador Formado no Curso Online do Centro Canino WalkerDog

você pode cobrar R$ 80,00 por hora de adestramento,

se fizer 4 horas por final de semana você


fatura em um único mês R$ 1280,00



 

comprar curso agora

compra segura hotmart

Compra 100% segura! Receba imediatamente seu acesso após a confirmação do pagamento.


hotmart

 

Veja Como Funciona o Curso

No Curso de Adestramento de Cães A Jóia do Infinito, oferecido pelo Centro Canino WalkerDog, você aprenderá as principais técnicas de Adestramento, aliando teoria e prática. O Curso é 100% online gravado em alta resolução com Animações 3D e participação de aluno real nas aulas práticas.

Aprenda também sobre o bem-estar animal, alimentação correta, psicologia e comportamento canino, interpretação da linguagem corporal dos cães, e mais:

Como evitar que o cão coma ou destrua objetos em casa;

Saiba como ensiná-lo a fazer as necessidades no local correto;

Aprenda técnicas e truques de adestramento, do básico ao avançado;

Conheça como é o treinamento de um cão de trabalho.

POR DENTRO DO CURSO

6 Módulos, mais de 20 Videoaulas com método exclusivo, animação 3D e aluno real.

CURSO 100% ONLINE

Você vai assistir no conforto da sua casa, a hora que você quiser, podendo ver e rever as aulas

AULAS REAIS

Aulas práticas gravadas com aluno real.

SUPORTE E ACOMPANHAMENTO

Você vai ter o suporte individual diretamente com o Adestrador Alex para tirar suas dúvidas através do grupo do Facebook.

CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Após assistir todas as aulas do curso, você receberá um lindo certificado provando a conclusão do curso, mostrando que você está preparado para trabalhar como adestrador de cães.

hotmart

 

Veja o que os alunos estão falando sobre o Curso

grade curricular

 

Conheça a GRADE CURRICULAR do curso

MÓDULO 01 APRESENTAÇÃO

  • Boas vidas e apresentação do curso de Adestramento A Jóia do Infinito

MÓDULO 02 CONHECENDO A HISTÓRIA E O COMPORTAMENTO CANINO

  • A história do relacionamento entre cães e humanos no Brasil.
  • Comportamento Canino

MÓDULO 03 ESTUDANDO OS CONCEITOS CIENTÍFICOS, E METODOLOGIAS

  • Conceitos
  • Reforço Positivo, Reforço Negativo e Punição

MÓDULO 04 DIDÁTICA PARA COM O CLIENTE E TÉCNICAS DE ADESTRAMENTO

  • Visita ao cliente, como agir
  • Entendendo o contexto para mudar o comportamento do cão
  • Carregamento do clicker

MÓDULO 05 INICIO DAS AULAS PRÁTICAS, CONCEITOS PARA EXTRAÇÃO DE COMANDOS

  • Carregar o clicker na prática
  • Como criar um aprendizado sem falhas
  • Como criar um aprendizado sem falhas, vídeo
  • Generalizando os comandos com indução (usando petisco perto do nariz como moeda de troca)
  • Carregamento da base, significado
  • Generalizando comandos troca de posições, senta, deita, de pé com contato (toque)
  • Generalizando cão inseguro
  • Descriminando comandos (descriminar é colocar comandos verbais)
  • Descriminando comandos Parte 2
  • Descriminando comandos Parte 3

MÓDULO 06 AULAS BÔNUS

  • Todo mês uma aula nova e exclusiva para os alunos

Walkerdog

 

Conheça o Adestrador Alexsandro Epping

 

Curso para Adestradores de Cães centro canino walkerdog Olá meu nome é Alexsandro Epping, sou proprietário do Centro Canino WalkerDog. Venho convidar você que assim como eu quer trabalhar com o que ama, TRABALHAR ADESTRANDO CÃES!

Sou Formado em comunicação e Marketing, atualmente curso História na Unicesumar e Gestão de Empresa na Anhanguera

Realizou os seguintes cursos:

  • Treinamento tático com cães. Local Quinto batalhão de suprimento Curitiba com Sub tenente Marcos Goes
  • Treinamento de busca e resgate com cães, faro de entorpecente, busca e captura. Local: Marau RS. Instrutores: sargento do POE Antonio Rodrigues, RS, instrutores da K9 do Uruguai, EUA e Colombia

  • Em 10 anos o instrutor Alex buscou mais de 30 cursos e seminários no Brasil e no exterior, sendo cursos e semanários no valor de R$ 2.000 a R$ 5.000,00. Como orientador na formação de adestradores de cães de guarda também se especializou na área da segurança em cursos homologados pela Polícia Federal e ainda buscou qualificação didática de e ensino superior como instrutor na formação de alunos em seguimentos como adestradores.

    Totalizando mais de R$50.000,00 investidos em conhecimento.

    E mais dezenas de cursos no qual já ganhou mérito de destaque como melhor aluno em turma de 21 alunos.

    Dados de atuação:
    O adestrador Alexsandro Epping é responsável pela formação de adestradores na WalkerDog, adestrador responsável pelo treinamento de cães condenados a eutanásia por vigilância sanitária de diversos municípios, adestrador do cães em treinamento da WalkerDog, palestrante sobre comportamento canino em várias empresas escolas técnicas e faculdades.

    Responsável pelo hotel/ creche da WalkerDog.
    Sua equipe são ex alunos de cursos da WalkerDog

     

    LEMBRA DA HISTÓRIA DO LIVRO?

    Aconteceu em 2010 ....

    Veja Como Está Nossa Estrutura HOJE!

    P.S.: não estou vendendo uma SOLUÇÃO MÁGICA, mas o conhecimento deste curso, aliado é muito trabalho e dedicação, pode se transformar em UMA JÓIA DO INFINITO

     

    Walkerdog

     

    HOJE VOCÊ TERÁ A OPORTUNIDADE ÚNICA DE ADQUIRIR O CURSO COMPLETO POR APENAS

     

    de R$ 697,00 valor normal

     

    12 x de R$ 48,42

     

    Menos de R$2,00 por dia.

     

    São MAIS DE R$ 50.000,00 investidos em conhecimento pelo adestrador Alex

    TUDO ISSO entregue no curso para você por um preço acessível

     

    comprar curso agora

     

    garantia 7 dias

     

    O RISCO é TODO MEU, Até 7 DIAS depois do pagamento, você pode cancelar por qualquer motivo, e devolvemos todo o valor pago.

    ONDE EU RECEBO O CURSO?

    Logo após a confirmação da sua compra, você irá receber no seu E-mail os dados de acesso ao curso online.

    FICOU COM ALGUMA DÚVIDA EM RELAÇÃO AO CURSO ONLINE?

    Chame nos nossos WHATSAPP (51) 9 97613537 (vivo) | (51) 9 91519690 (claro)


    Título: Curso de Adestramento de Cães em Manaus Amazonas
    Criado em 28/05/2020 - Publicado em - Atualizado em 28/05/2020
    Centro Canino WalkerDog
    Centro Canino WalkerDog

    Conheça o Curso Banho e Tosa em Manaus AM

    Dados de Manaus - AM
    Area em km2= 11401
    Populacao = 1802014
    PIB Per Capta = R$ 0

    HISTORIA
    Ver artigo principal: História de Manaus Antes de os europeus chegarem à Amazônia, no século XVI, eram numerosos os povos indígenas que habitavam a região. Estes dividiam-se em diferentes etnias, que se diferenciavam por suas línguas e costumes e dedicavam-se à pesca e à cultura da mandioca, promovendo um intenso comércio intertribal. Suas habitações eram amplas e arejadas, feitas de troncos de árvores e cobertas de palha. Dentre os povos que habitavam a região do atual rio Negro, três se destacavam pelo elevado número populacional e influência ante os conquistadores: os Manaós, os Barés e os Tarumãs. Os Manaós constituíam o grupo étnico indígena mais importante da região, onde habitavam as duas margens do rio Negro e possuindo população de cerca de 10 mil índios no século XVII, número avaliado após os primeiros violentos conflitos travados com os portugueses colonizadores.[40] Colonização europeia Mapa de 1562 da região do rio Amazonas. A região onde atualmente se encontra o estado do Amazonas era parte integrante da Espanha, à época do descobrimento do Brasil pelos portugueses, entretanto foi ocupada e colonizada por Portugal. O período de povoação europeia na Amazônia inicia-se entre os anos de 1580 e 1640, época em que Portugal e Espanha permaneceram sob uma só coroa, não havendo desrespeito oficial aos interesses espanhóis por parte dos portugueses quando penetraram na região amazônica.[41] A ocupação do lugar onde se encontra hoje Manaus foi demorada devido aos interesses comerciais portugueses, que não viam na região a facilidade em obter grandes lucros a curto prazo, pois era de difícil acesso e era desconhecida a existência de riquezas (ouro e prata).[41][42] Entre 1637 e 1639, o explorador português Pedro Teixeira partiu com uma expedição de Cametá até a cidade de Iquitos, no Peru, com a finalidade de tomar posse da região em nome do Império Português.[41] A primeira tentativa de ocupação da região de Manaus ocorreu em 1657, quando tropas de resgate comandadas pelo cabo Bento Miguel Parente saíram de São Luís acompanhadas de dois padres: Francisco Veloso e Manuel Pires. Durante algum tempo, a tropa fixou-se na foz do rio Tarumã, onde foi fincada uma cruz e, como de costume, rezada uma missa. Em 1658, outra tropa de resgate oriunda também do Maranhão chegou à região, procurando além dos nativos, as chamadas "drogas do sertão". Os nativos tinham suas aldeias saqueadas pelos exploradores e os rebeldes que recusavam-se a serem escravizados eram mortos. O interesse em construir um forte na localidade surgiu apenas em 1668, quando o capitão Pedro da Costa Favela, caçador de índios, ao retornar ao Pará, convenceu o governador Antônio Albuquerque Coelho de Carvalho da necessidade tática de se guarnecer a região contra o assédio dos holandeses e espanhóis. A missão de construir um simulacro de fortaleza foi dada a Francisco da Mota Falcão, que recebeu o auxílio de Manuel da Mota Siqueira.[41] Busto de Francisco de Orellana, o descobridor europeu do rio Negro. Assim sendo, a colonização europeia na região de Manaus começou em 1669, com uma fortaleza em pedra e barro, com quatro canhões. O Forte de São José da Barra do Rio Negro foi construído para garantir o domínio da coroa de Portugal na região, principalmente contra a invasão de holandeses, na época aquartelados onde hoje é o Suriname. O Forte situava-se próximo a foz do rio Negro e desempenhou sua missão durante 114 anos, sendo o capitão Angélico de Barros o seu primeiro comandante.[24] Em 3 de junho de 1542 o rio Negro foi descoberto por Francisco de Orellana, que lhe pôs o nome. A região onde se encontrava o Forte de São José da Barra do Rio Negro foi habitada primeiramente pelas tribos manaós, barés, banibas e passés, as quais ajudaram na construção do forte e passaram a morar em palhoças humildes nas proximidades do mesmo.[24] A tribo dos "Manaós" (na grafia antiga, atualmente mais conhecido como manaós),[43] considerada orgulhosa pelos portugueses, negava-se a ser dominada e servir de mão de obra escrava e entrou em confronto com os colonizadores do forte.[24] As lutas só cessaram quando os militares portugueses começaram a ligar-se aos manaós através de casamentos com as filhas dos tuxauas, iniciando assim, à intensa miscigenação na região e dando origem aos caboclos. Um dos líderes da tribo dos manaós foi o indígena Ajuricaba, forte opositor da colonização dos portugueses e que apoiava, no entanto, os holandeses. A morte de Ajuricaba foi um grande mistério: Foi aprisionado e enviado ao Pará, tendo morrido no percurso da viagem.[44] Devido à colonização portuguesa, foi efetuado um trabalho de esquecimento ou tentativa de apagar os traços e obras históricas dos povos indígenas. Pode-se notar isso pela destruição do cemitério indígena, onde se encontra atualmente, a Praça Dom Pedro e o Palácio Rio Branco. Quando o governador Eduardo Gonçalves Ribeiro remodelou a praça e mandou nivelar as ruas que a contornavam, grande números de igaçabas foi encontrado e atualmente não existe nenhum marco indicando a sua existência.[45][46] Inaugurado em 1896, o Teatro Amazonas é a expressão mais significativa da riqueza na cidade durante o ciclo da borracha. Foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional em 1966.[47] A população cresceu tanto que, para ajudar no catecismo, em 1695 os missionários (carmelitas, jesuítas e franciscanos) resolveram erguer uma capela próxima ao forte de Nossa Senhora da Conceição, a padroeira da cidade.[48] A Carta Régia de 3 de março de 1755 criou a Capitania de São José do Rio Negro, com sede em Mariuá (atual Barcelos), mas o governador Lobo D'Almada, temendo invasões espanholas, passou a sede novamente para o Lugar da Barra em 1791, por se localizar na confluência dos rios Negro e Solimões, que era um ponto estratégico.[49] O Lugar da Barra perdeu seu status político-administrativo sob influência de D. Francisco de Souza Coutinho, capitão-geral do Grão Pará, que iniciou campanha contra a mudança de sede, o que levou a ser desfeito o ato através da Carta Régia de 22 de agosto de 1798 e, em maio de 1799, a sede voltou a Barcelos. Em consequência da perda de seu status, tornou-se inevitável a decadência do Lugar da Barra.[49] Em outubro de 1807, o governador da Capitania, José Joaquim Victório da Costa, deixou Barcelos, transferindo a administração da Capitania definitivamente ao Lugar da Barra.[49] Fotografia da Avenida Eduardo Ribeiro em 1901. A partir de 29 de março de 1808, o Lugar da Barra voltaria a ser sede da Capitania de São José do Rio Negro, após proposta de dom Marcos de Noronha Brito ao penúltimo governador capitão de mar-e-guerra, José Joaquim Victório da Costa.[49] Período imperial Através do decreto de 13 de novembro de 1832, o Lugar da Barra passou à categoria de vila, já com a denominação de Vila de Manaus, nome que manteria até o dia 24 de outubro de 1848. Com a Lei nº 145, da Assembleia Provincial Paraense, adquiriu o nome de Cidade da Barra do Rio Negro. Em vista de a vila ter assumido foros de cidade, passou a ser chamada de Cidade de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro. A 5 de setembro de 1850, foi criada a Província do Amazonas pela Lei Imperial nº 1.592, tornando-se a Vila da Barra do Rio Negro. Seu primeiro presidente foi João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha, nomeado em 27 de julho de 1851, que instalou oficialmente a nova unidade provincial a 1 de janeiro de 1852, com o que sua situação de atraso melhorou bastante.[50] Foi criada a Biblioteca Pública e o primeiro jornal foi fundado em 5 de setembro, chamando-se A Província do Amazonas.[51] Outro periódico de destaque na cidade foi o Estrela do Amazonas, de propriedade do cidadão Manuel da Silva Ramos.[51] Tornaram-se, ambos, as bases do desenvolvimento da cultura local, junto ao teatro e escolas profissionais.[52] Em 4 de setembro de 1856, pela Lei 68, já no decurso do segundo governo de Herculano Ferreira Pena, a Assembleia Provincial Amazonense deu-lhe o nome de Cidade de Manaus, em homenagem à nação indígena manaós.[50] Cabanagem Ver artigo principal: Cabanagem A Cabanagem foi um movimento político e um conflito social ocorrido entre 1835 e 1840 no Pará, envolvendo homens livres e pobres, sobretudo indígenas e mestiços que se insurgiram contra a elite política local e tomaram o poder. A entrada da Comarca do Alto Amazonas (hoje Manaus, a qual foi o berço do manifesto na Amazônia Ocidental) na Cabanagem foi fundamental para o nascimento do atual estado do Amazonas.[53] Durante o período da revolução, os cabanos da Comarca do Alto Amazonas desbravaram todo o espaço do estado onde houvesse um povoado, para assim conseguir um número maior de adeptos ao movimento, ocorrendo com isso uma integração das populações circunvizinhas e formando assim o estado.[54] Período áureo da borracha Ver artigos principais: Ciclo da borracha e Bonde em Manaus Palácio da Justiça, em 1906. Arquivo Nacional Inaugurado em 1929 na Avenida Eduardo Ribeiro, o Relógio Municipal possui uma frase em latim gravada em volta do mostrador – “vulnerant omnes, ultma necat”, que em tradução livre diz: “todas ferem, a última mata”.[55] No Rio de Janeiro, a República Federativa do Brasil foi proclamada em 15 de novembro de 1889, extinguindo-se o Império. A província do Amazonas passou a ser o estado do Amazonas, tendo como capital a Cidade de Manaós.[52] A borracha, matéria-prima das indústrias mundiais, era cada vez mais requisitada, e o Amazonas, como um dos principais produtores mundiais, orientou sua economia para atender à crescente demanda.[56] Intensificou-se o processo de migração para Manaus de brasileiros de outras regiões, sobretudo nordestinos. De acordo com o censo de 1872, 2 199 estrangeiros imigraram para o Amazonas, atraídos pela produção da borracha, sendo que a maioria destes passou a viver em Manaus.[57] Os imigrantes eram, principalmente, portugueses, ingleses, franceses, italianos e de outras regiões da América,[57] gerando um crescimento demográfico que obrigou a cidade a passar por mudanças significativas.[58] Naquela época, o Nordeste brasileiro foi atingido pela "Grande Seca de 1877-1878", que causou mais de um milhão de mortes, além de uma grande epidemia de cólera. Muitos nordestinos vieram para Manaus fugidos deste fenômeno, chegando ao local em grandes massas.[59] Apesar do declínio da borracha no início do século XX, a cidade continuou a receber um notável número de imigrantes. O censo de 1920 registrou 9 963 habitantes estrangeiros no Amazonas, com a maior parte destes vivendo em Manaus. Japoneses, turcos e alemães foram registrados neste censo.[57] Centro Histórico de Manaus Em 1892, iniciou-se o governo de Eduardo Ribeiro, que teve um papel importante na transformação da cidade, através da elaboração e execução de um plano para coordenar o seu crescimento.[58] Esse período (1890-1910) é conhecido como fase áurea da borracha.[56] A cidade ganhou o serviço de transporte coletivo de bondes elétricos, telefonia, eletricidade e água encanada, além de um porto flutuante, que passou a receber navios dos mais variados calados e de diversas bandeiras. A metrópole da borracha iniciou os anos de 1900 com uma população acima de 50 mil habitantes,[60] com ruas retas e longas, calçadas com granito e pedras de lioz importadas de Portugal, praças e jardins bem cuidados, belas fontes e monumentos, um teatro suntuoso, hotéis, estabelecimentos bancários, palacetes e todos os requintes de uma cidade moderna.[58][61] Na fase áurea da borracha, a cidade foi referência internacional das discussões sobre doenças tropicais, saneamento e saúde pública. O período áureo promoveu inúmeras ações nesta área, como a parceria com cientistas internacionais que culminou na erradicação da febre amarela, em 1913.[62] No início do século XX, as ações de saneamento estiveram praticamente restritas a Manaus.[63] A situação mudou após a criação do Serviço de Saneamento e Profilaxia Rural, que levou o saneamento para outras partes do Amazonas.[52] A infraestrutura da época abrangia bases fixas de operação nas calhas dos principais rios e embarcações que percorriam as comunidades ribeirinhas. O auge do ciclo econômico levou à cidade as mesmas benfeitorias que chegavam ao Rio de Janeiro, a então capital federal.[58] O desenvolvimento econômico proporcionou também grande circulação de ideias e permitiu o surgimento de um núcleo de médicos que estava a par das discussões científicas mais avançadas a respeito do combate às doenças tropicais. Escolas de medicina tropical recém-criadas, como as de Londres e Liverpool, na Inglaterra, enviaram missões frequentes para Manaus.[63] Em 1910, Manaós ainda vivia a euforia dos preços altos da borracha, quando foi surpreendida pela fortíssima concorrência da borracha natural plantada e extraída dos seringais da Ásia, que invadiu vertiginosamente os mercados internacionais. Era o fim do domínio da exportação do produto dos seringais naturais da Amazônia (quase que exclusivamente gerada no Amazonas), deflagrando o início de uma lenta agonia econômica para a região. O desempenho do comércio manauense tornou-se crítico e as importações de artigos de luxo e supérfluos caíram rapidamente. Manaus, abandonada por aqueles que podiam partir, passou por uma grande crise financeira. Os edifícios e os diferentes serviços públicos entraram em estado de abandono.[64] Vista panorâmica do Palacete Provincial, um dos símbolos gerados pela riqueza da borracha na cidade de Manaus. Localizado no centro, é um imóvel centenário impregnado de importantes fatos ligados à vida social e política do povo amazonense.[65] Período contemporâneo Reproduzir conteúdo Manaus, 1975. Arquivo Nacional. Com a implantação da Zona Franca de Manaus na década de 1960, a cidade novamente ocupou lugar de destaque entre as principais do Brasil e da América Latina.[35][66] Ao lado de Cuiabá, capital de Mato Grosso, é a capital que mais cresceu economicamente nos últimos quarenta anos, fato explicado principalmente pela implantação e desenvolvimento da Zona Franca de Manaus,[67] que também atraiu milhares de migrantes que ocuparam de forma desordenada a periferia da cidade.[68] O regime militar no Brasil tinha como proposta ocupar uma região até então pouco povoada, com a justificativa de criar condições de rentabilidade econômica.[69] A grandíssima expansão urbana e demográfica de Manaus na década de 1970 trouxe consequências positivas e negativas para o município, que viu-se obrigado a abrigar cada vez mais migrantes vindos de diversas regiões brasileiras e do interior do estado, atraídos por uma melhor qualidade de vida.[70] Na questão ambiental, Manaus sofreu diversas ocupações irregulares em suas áreas verdes entre as décadas de 1970 e 1980, que originaram, por sua vez, grande parte dos bairros periféricos da zona urbana.[71] Em 2006, verificou-se que o município já havia desmatado 22% de sua área urbana.[71] Até meados da década de 1970, a população manauense concentrava-se, sobretudo, nas regiões sul, centro-sul, oeste e centro-oeste do município, havendo uma densa população vivendo às margens de igarapés.[72] Região portuária de Manaus em 1993. Cruzamento entre as avenidas Ephigênio Salles, André Araújo, General Rodrigo Otávio e Cosme Ferreira.[73] Como medida para desvirtuar as grandes ocupações irregulares de lotes em Manaus, o governo passou a criar loteamentos de terra regulares voltados para os migrantes que chegavam à cidade. Bairros como Cidade Nova, São José Operário e Armando Mendes surgiram desta iniciativa. Neste período, acentuaram-se as degradações ambientais, principalmente nas zonas leste e norte,[72] uma vez que essas regiões da cidade sofreram os maiores impactos ambientais, poluição de rios e perda de biodiversidade e mata nativa nos últimos anos.[72] Em 1991, o município atingiu o total de um milhão de habitantes, e, 23 anos depois, em 2014, ultrapassou os dois milhões de habitantes.[72][74] Configura-se atualmente na vigésima sexta cidade mais populosa da América e na sétima mais populosa do Brasil, abrigando pouco mais da metade da população do Amazonas.[75] Na questão econômica e educacional, está entre os cinco municípios brasileiros com participação acima de 0,5% no PIB do país que mais crescem economicamente,[76] e abriga a universidade mais antiga do país, a Universidade Federal do Amazonas, fundada em 1909.[77] Segundo dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o IDH de Manaus passou de 0,601 em 2000 para 0,737 em 2010, considerado elevado - uma taxa de crescimento de 22,63%. No entanto, quando analisado o incremento nas últimas duas décadas, de 1991 a 2010, Manaus ficou abaixo das médias de crescimento nacional e estadual. A capital teve aumento de 41,46%, e a média nacional foi de 47,46% e estadual, 56,74%.[78] Em 30 de maio de 2007, foi criada a Região Metropolitana de Manaus, através da Lei Estadual nº 52. com vistas à organização, ao planejamento e à execução de funções públicas e serviços de interesse metropolitano ou comuns.[79] Conforme a lei, Manaus foi definida como sede da região metropolitana, que passou a ser formada por outros seis municípios: Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva. Em 27 de dezembro do mesmo ano, foi incluído o município de Manacapuru na região metropolitana pela Lei Estadual nº 59, somando oito municípios.[80] Em 30 de abril de 2009, foram incluídos os municípios de Autazes, Careiro, Itapiranga, Manaquiri e Silves, totalizando 13 municípios na região metropolitana.[81] Com 2 631 239 habitantes em 2018, segundo estimativa do IBGE, é a região metropolitana mais populosa da Região Norte e a décima primeira do país.[82]
    ECONOMIA
    Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Manaus localizada no estado de Amazonas tem uma área de 11401.1 de quilometros quadrados. A população total de Manaus é de 1802014 pessoas, sendo 879742 homens e 922272 mulheres. A população na área urbana de Manaus AM é de 1792881pessoas, já a população da árae rual é de 9133 pessoas. A Densidade demográfica de Manaus AM é de 158.06. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Manaus AM é que 28.24% tem entre 0 e 14 anos de idade; 67.87% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 3.89% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Manaus localizada no estado de Amazonas são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Atividades econômicas em Manaus em 2012.[197] Manaus possui o 8º maior PIB dentre os municípios brasileiros. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016, seu produto interno bruto somou R$ 70 296 364 350. No mesmo ano, a renda per capita foi de R$ 33.564,11, sendo a capital com o maior PIB per capita na região Norte.[198] A cidade possui o maior PIB entre todos os municípios do estado do Amazonas e das regiões Norte/Nordeste, e a maior renda per capita entre os municípios amazonenses. Na atualidade, o município possui um PIB ao menos três vezes maior que antes da implantação do modelo econômico da Zona Franca.[199] Mercado Municipal Adolpho Lisboa O desenvolvimento rápido de Manaus para uma cidade de grande porte deu-se principalmente através da dispersão das indústrias na cidade, o que resulta numa grande importância deste setor para a sua economia. Apesar de o setor secundário responder por 32% do PIB manauense, há registros de uma significativa diminuição de sua concentração nos últimos anos, haja vista o crescimento da participação econômica de outros setores, como a construção civil, comércio, comunicação, logística, turismo, transportes e serviços em geral.[200][201][202] Nos limites territoriais do município, está a Refinaria de Manaus (REMAN), pertencente à Petrobras. Possui capacidade instalada para 46 mil barris por dia.[36] Com o nome de Companhia de Petróleo da Amazônia, a refinaria foi instalada às margens do rio Negro por Isaac Benayon Sabbá em 6 de setembro de 1956, porém a sua inauguração oficial ocorreu apenas em 3 de janeiro de 1957, tendo sido inaugurada por Juscelino Kubitschek, visando estimular a região que ainda sentia os efeitos negativos da crise após o fim do ciclo da borracha. Em 1971, a Petrobras assumiu o controle acionário da companhia, que passou a se chamar Refinaria de Manaus (REMAN) e, em 1997, renomeada para Refinaria Isaac Sabbá. Seus principais produtos e distribuídos são gás de cozinha, gasolina, querosene de aviação, diesel, óleos combustíveis, asfaltos e álcool.[203] Setor primário José Serra visita a linha de produção da Honda no Polo Industrial de Manaus. O setor primário é o de menor expressividade na economia de Manaus, com boa parte da atividade agropecuária se concentrando ao longo das principais rodovias. De todo o produto interno bruto da cidade, 212 milhões de reais é o valor adicionado bruto da agropecuária em 2016.[198] Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2014, o município contava com cerca de 6 178 bovinos, 605 caprinos, 218 equinos, 4 899 ovinos e 3 126 suínos, 1 525 vacas foram ordenhadas, das quais foram produzidos 588 mil litros de leite. Também foram produzidos 3 000 quilos de mel-de-abelha e 48 800 mil dúzias de ovos de galinha.[204] Na lavoura temporária, são produzidos principalmente o milho (10 toneladas), a melancia (1 000 toneladas) e a mandioca (3 360 toneladas).[205] Na lavoura permanente, o município destacou-se, em 2014, na produção de laranja (2 800 toneladas), banana (570 toneladas) e maracujá (490 toneladas). Foram produzidos também o mamão (426 toneladas) e o limão e coco, com 80 toneladas e 880 mil frutos, respectivamente.[206] Na aquicultura, 1 150 150 quilos de peixes foram produzidos, com maior produção do tambaqui e matrinxã.[207] Setor secundário A indústria, atualmente, é o segundo setor mais relevante para a economia do município. Em 2016, o valor bruto do setor secundário a preços correntes foi de 25,1 bilhões de reais.[198] Edifícios empresariais no bairro Adrianópolis. A Zona Franca de Manaus, principal objeto econômico do setor secundário, é um dos principais centros industriais do Brasil,[208][209] abrigando importantes indústrias das áreas de transportes e comunicações.[208] Trata-se de um projeto de modelo econômico com características de isenção fiscal, implantado pelo governo brasileiro em 1967, através do Decreto-Lei nº 291, objetivando desenvolver economicamente a Amazônia - ao mesmo tempo que estimula a preservação da biodiversidade e meio ambiente - integrá-la ao resto do país e garantir a soberania nacional sobre suas fronteiras com os países Andinos.[208][210][211] Apesar de a maioria de suas indústrias estarem sediadas em Manaus, a Zona Franca abrange também os estados do Acre, Rondônia e Roraima e, mais recentemente, o Amapá.[211][212] O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da Zona Franca é de 12%, enquanto nas outras regiões do país é de apenas 4%.[213] o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), PIS/PASEP e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) é de 0% e o imposto de renda é 75% menor que nas demais partes do Brasil.[214] É administrada pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), uma autarquia da administração pública federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior criada e regulamentada pelo Decreto-lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967.[215] A maior parte das exportações provenientes da Zona Franca de Manaus tem como destino a Argentina, com 168.011.039 produtos sendo exportados para esse país em 2010. Venezuela, Colômbia e México são outros dos países que mais importam produtos do centro industrial. Em 2010, Índia, Hungria, Alemanha e Países Baixos foram os países fora do continente americano que mais registraram importações de produtos fabricados na Zona Franca de Manaus.[216] Setor terciário Avenida Mário Ypiranga, um dos centros financeiros da capital. A prestação de serviços rendeu 32,5 bilhões de reais ao produto interno bruto municipal em 2016. Responsável por 46,2% da economia, o setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do produto interno bruto manauara, destacando-se principalmente na área do comércio.[198] Maior centro financeiro da Amazônia e um dos maiores Brasil,[217] Manaus passa por uma transformação em sua economia. Durante muito tempo a indústria constituiu uma atividade econômica bastante presente na cidade, porém Manaus tem atravessado na última década uma clara mudança em seu perfil econômico: de uma cidade com forte caráter industrial, o município tem cada vez mais assumido um papel de cidade terciária, pólo de serviços e negócios para o país.[200][198] Há um total de 11 shoppings centers em Manaus registrados na Associação Brasileira de Shopping Centers - ABRASCE.[218] Os maiores da Região Norte estão localizados na cidade, entre eles, o Amazonas Shopping (o primeiro no município, inaugurado em 1991), o Shopping Manaus Via Norte (maior da Região Norte com 52 639 m² de ABL), o Manauara Shopping, o Shopping Ponta Negra e Sumaúma Park Shopping. Outros shoppings centers são o Millennium Shopping, o Manaus Plaza Shopping, o Shopping Grande Circular, o Studio 5 Festival Mall e Uai Shopping São José. Os 11 shoppings possuem, juntos, 333.687 m² de área bruta locável.[219] Vista para o bairro Adrianópolis, um dos vetores econômicos da cidade. Entre os principais mercados municipais está o Mercado Municipal Adolpho Lisboa (mais conhecido como Mercadão). Construído no período áureo da borracha, é considerado um dos mais importantes espaços de comercialização de produtos e alimentos típicos da região amazônica em função da variedade de espécies de peixes de água doce, frutas, legumes e especiarias, atraindo a atenção e a curiosidade de quem o visita. Inspirado no famoso mercado Les Halles de Paris, é mais que um centro comercial, o Mercadão é também um dos símbolos culturais da cidade de Manaus e uma das suas maiores atrações turísticas.[220] O comércio também é realizado em espaços populares, como mercados e feiras, que são administradas pela Secretaria Municipal de Produção e Abastecimento (SEMPAB) - denominada Secretaria Municipal de Mercados e Feiras até 2009.[221] O Departamento de Comércio Informal (DECIN), da prefeitura, é a organização que trata da supervisão e controle do comércio informal no município, de acordo com a Lei n° 674 de 2002. Um total de 7 084 vendedores ambulantes possuem cadastro na prefeitura da cidade, com a maioria deles atuando no Centro, na Praia da Ponta Negra e nos cinco terminais de ônibus.[222] Conforme dados da Secretaria de Produção e Abastecimento, Manaus possui 34 feiras, 8 mercados populares e 2 feiras volantes. As principais feiras na cidade são a Feira do Produtor,[223] da Panair,[224] do Mutirão,[225] da Banana, do Coroado, da Manaus-Moderna e da Compensa.[226] Vista do Manaus Plaza Shopping, situado no bairro da Chapada, na zona Centro-Sul da cidade. Millennium Shopping Manauara Shopping, um dos principais shoppings de Manaus. Turismo Ver artigo principal: Turismo em Manaus Encontro das Águas O Parque Nacional de Anavilhanas é considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO.[227][228] O município é o maior destino de turistas na Amazônia e foi o 8º destino brasileiro mais visitado pelos estrangeiros em 2013.[229] Há um significativo número de hotéis de selva em sua região metropolitana, que funcionam também como atrativos turísticos.[230] Uma das principais atrações turísticas é o Teatro Amazonas, símbolo arquitetônico e cultural datado de 1896 - época áurea da borracha - e Patrimônio Histórico Nacional.[231] A região recebeu o prêmio de melhor destino verde da América Latina, concedido em votação feita pelo mercado mundial de turismo, durante a World Travel Market, ocorrido em Londres em 2009.[232] Em 2010, em uma pesquisa feita entre os visitantes, o turismo foi avaliado como satisfatório por 92,4% dos turistas nacionais e 94% entre os turistas estrangeiros.[233] Durante todo o ano, recebe grandes quantidades de navios de cruzeiro, pois há acesso para transatlânticos através do rio Amazonas. As visitas de cruzeiros à cidade ocorrem por temporadas, em geral, entre os meses de outubro e abril de cada ano. Em média, Manaus recebe 23 navios por temporada. Os europeus são os que mais visitam a cidade pelos navios de cruzeiro, com destaque aos alemães. Os norte-americanos também respondem por uma parcela significativa dos turistas de navios de cruzeiro.[234] O ecoturismo, também chamado de turismo de natureza, é notadamente explorado.[16] Entre as atrações naturais da cidade, destacam-se: O Encontro das Águas, um fenômeno natural causado pelo encontro das águas barrentas do rio Solimões com as águas escuras do rio Negro, as quais percorrem cerca de seis quilômetros sem se misturarem.[86] Esse fenômeno acontece em decorrência da temperatura e densidade das águas, e, ainda a velocidade de suas correntezas;[86] Praia da Ponta Negra, uma praia fluvial às margens do rio Negro, localizada a 13 km do Centro. Apresenta-se em melhores condições durante a vazante do rio no mês de setembro;[235] Praia da Lua, localizada à margem esquerda do rio Negro, distante 23 quilômetros de Manaus por via fluvial. Tem o formato de uma lua em quarto crescente e uma vegetação de rara beleza natural com uma extensão de areia branca e banhada pelas águas negras do rio Negro, límpidas;[235] Praia do Tupé, situada a 23 quilômetros da cidade, envolta pelo rio Negro;[235] Praia Dourada, na zona rural de Manaus, distante 20 quilômetros do centro da cidade, sendo banhada pelo igarapé do Tarumã e o rio Negro; e a Cachoeira do Paricatuba, situada na margem direita do rio Negro, num pequeno afluente. A cachoeira é formada por rochas sedimentares e cercada por vegetação abundante e o acesso é feito por via fluvial.[235]
    TURISMO
    Ver artigo principal: Infraestrutura de Manaus Saúde Ver também: Lista de hospitais de Manaus Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto Em 2009, havia um total de 299 estabelecimentos de saúde básica de caráter público em Manaus, sendo 237 municipais, 49 estaduais e 13 federais.[236] No setor privado foram contabilizados 201 estabelecimentos de saúde básica, sendo 196 com fins lucrativos, 5 sem fins lucrativos e 65 em convênio com o SUS. A capital contava com 3.308 leitos[237] e a rede conta com 363 postos de saúde, 310 deambulatórios e 150 estabelecimentos com atendimento odontológico.[238] A Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) divide o município em cinco administrações de saúde pública: Distrito de Saúde Norte, Distrito de Saúde Sul, Distrito de Saúde Oeste, Distrito de Saúde Leste e Distrito de Saúde Fluvial.[239] Em 2013, 97% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia.[240] Em 2012, foram registrados 41 169 nascidos vivos, sendo que o índice de mortalidade infantil neste ano foi de 15,8 óbitos de crianças menores de cinco anos de idade a cada mil nascidos vivos, uma redução de 67,6% desde 1995.[240] Em 2010, 4,39% das mulheres de 10 a 17 anos tiveram filhos, sendo a taxa de atividade em meninas entre 10 e 14 anos de 6,20%.[130] Do total de crianças menores de dois anos pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2013, 0,5% apresentavam desnutrição.[241] O índice de mortalidade infantil era de 14,24 a cada mil crianças nascidas vivas, em 2012.[130] Centro de Biotecnologia da Amazônia Educação Instituto de Educação do Amazonas O relatório do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), de 2013, apresenta Manaus com um resultado de 4,8 pontos para os anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), e 3,7 pontos para os anos finais do ensino fundamental - 6º ao 9º ano.[242] O município obteve a 14ª colocação entre as capitais brasileiras no que tange às notas dos anos iniciais no IDEB, e nos anos finais, a nota do exame do município alcançou a 16ª colocação. Houve um aumento no índice registrado pelo município desde a primeira avaliação, em 2005, até a última, em 2013, mas se comparada com as demais capitais da Região Norte, Manaus é superada por Palmas, Rio Branco e Boa Vista. A Escola Municipal Professora Léa Alencar Antony foi a que apresentou melhor resultado no IDEB, com 7,1 pontos totais.[242] Em 2012, em nível municipal, eram mantidas 723 escolas de ensino básico, sendo 362 de caráter municipal, 192 de caráter estadual, 1 sob administração federal e 168 privadas.[243] Sedia um dos doze Colégios Militares do Brasil, o Colégio Militar de Manaus, único do gênero na Região Norte, além do Instituto Federal do Amazonas (IFAM), voltado especificamente para o ensino técnico e superior. Ainda conforme dados do IBGE, em 2012 o município possuía 15 290 docentes, com 11 755 destes sendo do ensino fundamental e 3 535 do ensino médio, além de um número de matrículas totais de 458 545.[243] Entre a população com 25 anos ou mais de idade, 10,97% havia completado o nível superior, 49,86% possuía o ensino médio completo, 65,76% tinha o ensino fundamental completo e 4,76% era analfabeta. A expectativa de anos de estudo no município era de 9,51 anos, pouco acima da média estadual.[130] Há duas universidades públicas presentes na cidade: A Universidade Federal do Amazonas, a única de caráter federal no estado, criada em 17 de janeiro de 1909 com o nome de Escola Universitária Livre de Manaós, sendo portanto a universidade mais antiga do país,[77][244][245] e a Universidade do Estado do Amazonas, criada pela lei estadual n.º 2.637 de 12 de janeiro de 2001.[246] Desde 2008, o Instituto Federal do Amazonas também atua como unidade pública de ensino superior, através da Lei nº 11.892, possuindo campis nos bairros do Centro, Distrito Industrial e São José Operário.[247] Outras instituições de ensino superior de caráter privado também são encontradas na cidade. Entre elas, há a Universidade Luterana do Brasil, Universidade Paulista, Centro Universitário Nilton Lins, Faculdade Metropolitana de Manaus, Centro Integrado de Ensino Superior do Amazonas, Faculdades Marta Falcão, Faculdades Táhiri, Faculdades La Salle, Instituto de Tecnologia da Amazônia, Faculdade Salesiana Dom Bosco e o Centro Universitário do Norte.[248][249][250] Comunicações Segundo dados da ANATEL, em dezembro de 2018 Manaus possuía 153.643 telefones fixos (referentes apenas às concessionárias da Telemar). O índice por área de discagem direta a distância (DDD) da cidade é de 092.[251] A capital amazonense foi a primeira da Região Norte do país a receber a tecnologia 4G, em julho de 2013.[252] A cidade de Manaus possui cobertura 2G, 3G e 4G das operadoras Claro, Nextel, Oi, TIM e Vivo.[253] Desde 2011 a cidade conta com serviços de internet banda larga fixa por fibra ótica da operadora Oi. A rede de fibra ótica interliga Manaus a Santa Helena, na fronteira com a Venezuela.[254] Em 2013, a operadora TIM concluiu a instalação de sua rede de fibra ótica no trecho entre Manaus e Tucuruí.[255] Manaus recebe sinais de televisão aberta de várias emissoras brasileiras, além de ser sede da Rede Amazônica, sendo afiliada da Rede Globo. Foi fundada em 30 de setembro de 1968, sendo a mais antiga emissora afiliada da Região Norte do Brasil.[256] A cidade também possui a Rede Calderaro de Comunicação, que veicula a TV A Crítica (afiliada da RecordTV) a Inova TV (afiliada a RedeTV!), a TV Bandeirantes Amazonas (emissora própria da Rede Bandeirantes), a TV Em Tempo (afiliada do SBT), TV Cultura do Amazonas (afiliada à TV Cultura e TV Brasil), a TV Diário (afiliada a Record News), a Boas Novas Manaus (emissora própria da Boas Novas), os canais independentes Amazon Sat e TV Tiradentes, a Local TV (afiliada a Univesp TV), e várias retransmissoras de TV.[257][258] Também há diversas estações de rádio em Manaus, como a BandNews FM Difusora, CBN Amazônia Manaus, FM O Dia Manaus, Rádio Cidade, Tiradentes FM, Mix FM, Jovem Pan FM Manaus, Rádio Boas Novas, entre outras.[259] Os principais jornais impressos são A Crítica, Amazonas Em Tempo, Jornal do Commercio, Diário do Amazonas, Dez Minutos, Jornal Agora e Maskate. O Jornal do Commercio é um dos mais antigos ainda em circulação no Brasil, por ter sido fundado em 2 de janeiro de 1904.[51] Segurança pública e criminalidade Viatura da Polícia Militar do Amazonas. A Polícia Militar do Amazonas (PMAM) integra o sistema de segurança pública e defesa social do Brasil, com a função primordial de policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública estadual; além de outras atribuições previstas na legislação federal e estadual. Seus integrantes são denominados militares dos Estados,[260] e a corporação é força auxiliar e reserva militar do Exército Brasileiro.[261] Delegacia Geral da Polícia Civil do Estado do Amazonas. A Polícia Civil do Estado do Amazonas, é uma das polícias do Amazonas, Brasil, órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar.[262] Por força da Constituição Federal do Brasil, a Guarda Municipal de Manaus possui a função de proteger os bens, serviços e instalações públicas. Ainda, atendendo o interesse público e no exercício do seu poder de polícia, atua na prevenção e repressão de alguns crimes, especialmente contra bens e serviços públicos, podendo inclusive prender em flagrante delito os infratores e conduzi-los até a presença de um delegado de polícia, de acordo com o disposto na lei processual penal.[263] Manaus ocupa a 31ª posição entre as cidades mais violentas do mundo, de acordo com uma pesquisa feita pela ONG mexicana Conselho Cidadão para Segurança Pública, sendo a 12ª mais violenta do país e a segunda maior taxa de homicídios na região norte do Brasil, abaixo apenas de Belém. A média de homicídios na cidade é de 42,53 para cada grupo de 100 mil habitantes.[264][265] Em 2011, a cidade ocupava a 26ª posição no ranking das mais violentas em nível mundial, em uma pesquisa promovida pela mesma ONG, e a 5ª posição entre as cidades do Brasil.[266] O Exército Brasileiro, desde 1949, conta com aproximadamente 1000 homens no então Comando de Elementos de Fronteira.[267] Dispõe, hoje, no atual Comando Militar da Amazônia, criado em 1969[267] e desde então sediado em Manaus,[267] de um efetivo aproximado de 22 mil homens que têm como missão principal guarnecer o arco amazônico de fronteiras, com 11.248 quilômetros, acrescidos de 1.670 quilômetros de litoral.[267] Além das operações militares propriamente ditas, cabe ao Exército, na Amazônia, cooperar no desenvolvimento de núcleos populacionais mais carentes, na faixa de fronteira. Assim é que, em todos os pelotões de fronteira, funcionam normalmente escolas de primeiro grau e subordinadas ao Comando Militar da Amazônia temos escolas de primeiro e segundo graus.[267] Transportes Rodoviário Ver artigos principais: AM-010, AM-070, BR-174, BR-319 e Ponte Rio Negro Rodovia Manoel Urbano na saída do município de Iranduba, sentido Manaus, via Ponte Rio Negro. Ponte Rio Negro, a maior ponte estaiada do Brasil com 3,6 km de extensão. A cidade de Manaus é um dos mais importantes entrepostos rodoviários do Brasil. Suas principais rodovias são: a BR-174, que liga Manaus à Presidente Figueiredo, Boa Vista e Venezuela, a BR-319, ligando a capital a Porto Velho e municípios do sul do Amazonas, a AM-010, que faz a ligação com os municípios de Rio Preto da Eva e Itacoatiara e a Rodovia Manoel Urbano (AM-070), que liga a capital aos municípios de Iranduba e Manacapuru.[268] A frota de Manaus é a maior da Região Norte do país, composta por 718 205 veículos, sendo 372 803 automóveis, 172 173 motocicletas, 77 344 camionetes, 25 388 camionetas, 16 421 caminhões, 17 192 motonetas, 7 831 ônibus, 2 998 micro-ônibus e 2 911 caminhões-trator, além de outros tipos de veículo (DENATRAN/2018).[269] O congestionamento de veículos na cidade é recorrente, principalmente, mas não restrito, aos horários de pico.[270] Em 30 de março de 2012, regulamentou-se o projeto Zona Azul.[271][272] A utilização de bicicletas como meio de transporte na cidade é bastante reduzida, sendo utilizada por apenas 3% da população, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2013.[273] Manaus apresenta 3,1 quilômetros de ciclovias, representando 0,04% da malha viária da cidade, fazendo desta a última capital do país em ciclovias por malha viária e por habitante, com 27 mil viagens de bicicleta diariamente.[273] O modelo de ciclovias é adotado por completo em alguns pontos da área urbana, como as avenidas Nathan Xavier, das Torres, Boulevard Álvaro Maia e a Praia da Ponta Negra. Entretanto, a maior parte da zona urbana apresenta ausência das ciclovias.[274] Avenida Torquato Tapajós, uma importante via da capital que dá acesso às rodovias AM-010 e BR-174. O transporte coletivo ainda representa um papel fundamental no dia a dia da metrópole, por possuir uma grande estrutura de linhas de ônibus itinerários e coletivos.[275] Para facilitar o transporte na cidade, a prefeitura permite a atuação de micro-ônibus nas zonas norte e leste.[276] O transporte coletivo de passageiros em vans ou peruas é proibido, sendo que o transporte terceirizado é permitido em alguns bairros da zona leste, no Distrito Industrial, e nos bairros Cidade de Deus e Nova Cidade.[277] O valor da passagem do transporte coletivo em Manaus custa R$ 3,80.[278] Cerca de 900 mil pessoas utilizam o transporte coletivo diariamente na cidade, que possuía uma frota de 1.701 ônibus em 2013, com centenas de linhas itinerárias exploradas por várias empresas.[279] De acordo com o estudo Espacialidade Urbana, feito pelas Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), 50% da população manauense utiliza o transporte público, enquanto 30% utilizam o veículo particular e o restante faz uso da bicicleta e da caminhada para locomoção na cidade. Em contrapartida, 81% do espaço viário são ocupados por carros, contra 13% ocupados por ônibus.[280][281] A prefeitura de Manaus anunciou a implantação de um BRT nos próximos anos. Trata-se de um sistema de transporte rápido com ônibus.[282] Como medidas para solucionar os problemas no transporte municipal, foram executadas a criação de corredores exclusivos para ônibus,[283] o alargamento das avenidas Torquato Tapajós, Max Teixeira e Cosme Ferreira,[284][285] e a construção de viadutos e avenidas, como o Complexo Viário Gilberto Mestrinho, que interliga as zonas leste, sul e centro-sul,[285], o complexo viário do São José,[286] as avenidas das Torres e das Flores.[287][288] Também estuda-se a construção do monotrilho.[289][290] Hidroviário Porto de Manaus Ver artigo principal: Porto de Manaus O transporte fluvial na cidade é muito comum. O Porto de Manaus é considerado o maior porto flutuante do mundo.[291] Trata-se de um grande e movimentado porto localizado à margem esquerda do Rio Negro distante 13 km da confluência com o rio Solimões.[292] O porto atende aos estados do Amazonas, Roraima, Rondônia e áreas do norte de Mato Grosso, sendo administrado pela Sociedade de Navegação, Portos e Hidrovias do Estado do Amazonas (SNPH) desde 1997.[293] É capaz de operar com quatro navios simultaneamente em qualquer período do ano e mais três navios durante a cheia do Rio Negro.[294] Manaus também conta com um grande porto cargueiro. O Porto Chibatão dispõe de um cais flutuante de 710 metros de comprimento por 240 metros de boca e tem como finalidade o embarque e desembarque de navios para movimentação de cargas de projetos, cargas gerais e contêineres.[295] Aéreo Aeroporto Internacional de Manaus Ver artigos principais: Aeroporto Internacional de Manaus, Base Aérea de Manaus e Aeroclube do Amazonas A cidade de Manaus possui três aeroportos. Um grande e moderno aeroporto internacional administrado pela Infraero, um aeroporto militar e um aeroclube. Aeronaves em reabastecimento na Base Aérea de Manaus. Aeroporto Internacional de Manaus - Eduardo Gomes, localizado na Zona Oeste, a 14 km do centro, possui dois terminais de passageiros, um complexo de logística de carga, e opera voos domésticos e internacionais diariamente. Com uma grande infraestrutura, é o terceiro maior aeroporto em movimentação de cargas do Brasil.[296] Movimentou mais de 3,2 milhões de passageiros anuais em 2015[297] e possui capacidade para 13,5 milhões de passageiros por ano.[298] Os principais destinos internacionais são Miami, nos Estados Unidos, Buenos Aires, Cidade do Panamá e Caribe.[299] Dentre as rotas domésticas, se destacam os voos diretos para São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza e Belém.[300] Base Aérea de Manaus, localizada na Zona Sul, é uma base da Força Aérea Brasileira que se destaca no cenário nacional por seu desempenho na região amazônica. Também conhecido como Aeroporto Ponta Pelada, foi o principal aeroporto da cidade de Manaus durante 22 anos. Inaugurado em 1954, serviu como porta de entrada para a capital amazonense até a inauguração do Aeroporto Internacional de Manaus, em 1976.[301] Tem papel fundamental em defesa, logística e organização da Força Aérea Brasileira na Amazônia Ocidental. Também serve como alternativa caso o Aeroporto Internacional de Manaus seja fechado.[302][303][304] Aeroclube do Amazonas, localizado no bairro de Flores, foi criado no ano de 1940 com o nome de “Aéro Clube do Amazonas” (ACA). Destina-se, sobretudo, a voos particulares e regionais com aeronaves de pequeno porte. Operam no aeródromo várias empresas de táxi aéreo e, principalmente, os paraquedistas.[305][306]

    Curso De Adestramento De Caes Manari Pe

    Sobre Cursos EAD

    A Educação a Distância é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos. Esta definição está presente no Decreto 5.622, de 19.12.2005 (que revoga o Decreto 2.494/98), que regulamenta o Art. 80 da Lei 9.394/96 (LDB) .

    Conforme previsto no Art. 80 da Lei 9.394/96 (LDB), a instituição interessada em oferecer cursos superiores a distância precisa solicitar credenciamento específico à União.