Hotel para Cães em Igrejinha RS - WalkerDog

Adestramentro de cães; Hotel para cães

Centro Canino WalkerDog - Hotel para Cachorros em Igrejinha RS


Hotel para Cães centro canino walkerdog Os hotéis para cães são ótimas opções para quem precisa viajar e não pode levar seus amigos de quatro patas. Entretanto, fique atento na higiene, na infraestrutura, na saúde, no atendimento e nos profissinais do local.

Por isso, se está precisando hospedar seu cão para poder viajar e mora próximo a Igrejinha RS? Venha conhecer o Centro Canino Walker Dog Hotelaria para Cães.

O Centro Canino Walkerdog oferece o serviço de creche para cães em Igrejinha RS. Na nossa creche para animais seu cão terá um amplo espaço para lazer e diversas atividades, além de todo o cuidados dos nossos adestradores profissionais. A creche para cachorros é um benefício para o pet, principalmente para aqueles que vivem em apartamento. Hoje, os animais são tratados como membros da família. Assim, como ninguém deixaria uma criança em casa sozinha o dia todo, o mesmo está acontecendo com o cachorro

Na sociedade atual, os cães são, muitas vezes, considerados e tratados como membros das famílias. Em resultado disso, equivocadamente e até por força do sentimento de amor e carinho, seus proprietários criam expectativas de comportamento humano por parte de seus cães, gerando conflitos e situações difíceis que somente um profissional pode ajudar a resolver. Os cães não são pessoas pequeninas e peludas. Eles têm sua própria maneira de pensar e fazer as coisas. Milhares de cães são entregues a abrigos de animais todo ano, ou permanentemente relegados a um cercadinho no quintal dos fundos, pelo simples fato de agirem como cachorros.

Como fazer para que cães e pessoas possam conviver de forma harmoniosa, pacífica e principalmente prazerosa? Isso requer que os donos façam o esforço de atravessar a barreira que existe entre as duas espécies e adestrar seus cachorros para que se comportem de maneira apropriada na sociedade humana.

O Centro Canino WalkerDog dispõe de profissionais altamente capacitados para este processo, além de ótimas instalações e espaço físico para hospedar seu cão na modalidade hotelaria (com pernoite) ou creche (onde o cão passa o dia conosco e a noite retorna para casa).

Dados para contato e localização

centro canino walker dog - contato

Hotel para Cães em Igrejinha Rio Grande do Sul
Cidade: Igrejinha
Estado - País: Rio Grande do Sul - BRA
Telefone: 55 (51) 9 97613537 (vivo) e (51) 9 91519690 (claro)
Email : alexsandro0113@hotmail.com
Url:

Nossas Instalações de Hotelaria para Cães

Dispomos de profissionais capacitados e ótima estrutura para hospedar seu cão na modalidade Hotel (com pernoite) ou Creche (sem pernoite):

Baias individuais em alvenaria com revestimento cerâmico e bebedouros automáticos

Espaço cercado ao ar livre para recreação com área de 420m² e pista de obstáculos

Monitoramento e atendimento veterinário 24 horas

Espaço coberto com área de 300m² para uso em dias de chuva

Limpeza e higienização diárias

No Centro Canino WalkerDog Hotel para Cães em Igrejinha Rio Grande do Sul nossos hospedes são tratados de forma a proporcionar períodos de descontração e alegria. Os animais, sempre que possível, ficam soltos em grupos (observando a compatibilidade e sempre com a presença de um monitor) apenas sendo recolhidos às baias a noite.

Contamos com áreas protegidas, cercadas e monitoradas, onde os cães tem liberdade para correr e brincar. No período de lazer os animais são assistidos por um recreacionista que estimula e propõe exercícios e brincadeiras aos cães.

Os cães são alimentados de acordo com a determinação do proprietário, observando restrições e administração de medicamentos se necessários.

WalkerDog atendendo a Meg Pet da rede Bourbon Zaffari

Centro Canino WalkerDog contratado pela rede Bourbon Zaffari atendendo a Meg Pet. Atendemos as maiores empresas do estado. Reserve o hotel ou adestramento de seu cão em nossa escola.

centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 01 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 02 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 03 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 04 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 05 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 06 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 07 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 08 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 09

Vídeos de Hotelaria para cachorros do Centro Canino WalkerDog

Hora do Recreio - Centro Canino Walker Dog

centro canino walker dog - hotel para caes 01 centro canino walker dog - hotel para caes 02 centro canino walker dog - hotel para caes 03 centro canino walker dog - hotel para caes 04 centro canino walker dog - hotel para caes 05

O Centro Canino Walker Dog oferece o serviço de hotelaria para cães para moradores de diversos municípios

Hotel para Cães em Canoas RS

Hotel para Cães em Campo Bom RS

Hotel para Cães em Estância Velha RS

Hotel para Cães em Esteio RS

Hotel para Cães em Igrejinha RS

Hotel para Cães em Nova Hartz RS

Hotel para Cães em Novo Hamburgo RS

Hotel para Cães em Parobé RS

Hotel para Cães em Porto Alegre RS

Hotel para Cães em São Leopoldo RS

Hotel para Cães em Sapiranga RS

Hotel para Cachorros em Sapiranga RS

Hotel para Cães em Sapucaia do Sul RS

Hotel para Cães em Taquara RS

Hotel para Cães em Três Coroas RS

Acabar com pulgas em 3 passos

Curso Biscoitos Naturais para Cachorros

Dados de Igrejinha - RS
Area em km2= 135
Populacao = 31660
PIB Per Capta = R$ 39351

HISTORIA

Colonização

A história de Igrejinha inicia muito antes de sua emancipação, ocorrida em 1964; ela remonta ao ano de 1814, quando foi concedida a Antônio Borges de Almeida Leães uma sesmaria que compreendia os atuais territórios de Taquara, de Igrejinha e de Três Coroas. Em 1845, Tristão José Monteiro adquiriu a sesmaria e criou a Colônia de Santa Maria do Mundo Novo. A partir de 1846 muitos imigrantes alemães vindos do vale dos Sinos, especialmente de São Leopoldo e de Dois Irmãos, e alguns diretamente da Alemanha, fixaram-se nesta colônia e aos poucos espalharam-se, principalmente pelas margens do rio Santa Maria, hoje chamado de rio Paranhana.

A colônia dividia-se em três seções: Baixa Santa Maria – hoje Taquara, Média Santa Maria – hoje Igrejinha e Alta Santa Maria – hoje Três Coroas. Foi na Média Santa Maria, que Tristão Monteiro construiu a primeira casa de alvenaria do vale, a chamada "Casa de Pedra". Esta casa foi construída para instalar a capatazia e o armazém de abastecimento dos primeiros colonos e do pessoal que procedia a medição das terras do vale.

Nesta época ocorreram diversos e sangrentos conflitos entre imigrantes e índios, acarretando na completa exterminação dos caingangues na região. O conflito mais conhecido é chamado de Tragédia da família Waterpull, onde os índios atacaram a fazenda da família, mataram os homens e sequestraram as mulheres. Este sequestro somente terminou através de uma operação do Exército Imperial Brasileiro.

Origem do nome

Igrejinha em 1930

Construída de madeira pelos próprios moradores, a primeira igreja existente em toda região foi inaugurada em 1863. Ela se localizada próxima às margens do rio Paranhana, de fronte ao local onde hoje está construída a igreja evangélica Gabriel de Igrejinha.

A antiga picada Porto Alegre – São Francisco de Paula (atual RS-020), era rota dos tropeiros de gado que seguiam para São Paulo ou, desciam para Porto Alegre. Desta estrada, que passa sobre regiões montanhosas de Igrejinha, era possível visualizar a pequena igreja. Logo estes viajantes começaram a utilizar a construção como ponto de referência. Foram os tropeiros que começaram a chamar de Igrejinha a localidade até então conhecida por Média Santa Maria, exclamando a cada vez que a avistavam: - Lá esta a igrejinha!

Progresso econômico

Em meados de 1904 a população reuniu-se e construiu a primeira ponte de Igrejinha sobre o rio Paranhana. Em 1912 o comerciante João Kichler construiu uma barragem e um moinho de água no rio para descascar arroz. No moinho instalou uma turbina geradora de energia elétrica, o que possibilitou a instalação de uma rede elétrica para cada lado do rio, fornecendo eletricidade para os domicílios de toda a localidade. Igrejinha foi a pioneira em iluminação elétrica domiciliar em toda a região.

No ano de 1913, foi construído o ramal Taquara-Canela da rede ferroviária da Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Os trilhos acompanhavam o curso do rio. Graças à construção da malha ferroviária, a localidade de Igrejinha teve seu nome oficializado. Igrejinha recebeu uma estação ferroviária (localizada onde hoje está o cruzamento da Avenida Castelo Branco com a Rua João Correa) e uma ponte. O tráfego ferroviário deu um grande impulso ao progresso da localidade, por facilitar o escoamento da produção.

Por volta de 1930 foi iniciada a primeira empresa que fabricava calçados e artefatos de couro. A partir de então e até 1955 houve um verdadeiro surto de empresas neste ramo.

Emancipação política

Estação férrea de Igrejinha em 1922 Pelo Ato Municipal nº 1, de 1 de janeiro de 1935, Igrejinha foi transformada em 8º distrito do município de Taquara.

Graças ao esforço de muitos industriários e comerciantes igrejinhenses, em 1 de junho de 1964 o então governador do estado, senhor Ildo Meneghetti, assinou a Lei nº 4.733, transformando Igrejinha em município, emancipado de Taquara. O município foi oficialmente instalado em 9 de fevereiro de 1965, tendo como prefeito o senhor João Darcy Rheinheimer e compondo a câmara municipal os senhores: Paulo Arthur Maria Spohr, Hugo Sperb, Selson Flesch, Pedro Ivan Sparrenberger, Edgar Willy Wolf, Acy Fetter e Carlito Kullmann.

Passados mais de 160 anos após a chegada dos primeiros imigrantes alemães à Igrejinha, a cidade, ainda hoje possui população predominantemente de origem alemã e é uma das maiores produtoras de calçados femininos do Brasil. A herança germânica, misturada às dificuldades da colonização da região, deu ao município as feições atuais.

Ver artigo principal: História de Igrejinha Colonização[editar | editar código-fonte] A história de Igrejinha inicia muito antes de sua emancipação, ocorrida em 1964; ela remonta ao ano de 1814, quando foi concedida a Antônio Borges de Almeida Leães uma sesmaria que compreendia os atuais territórios de Taquara, de Igrejinha e de Três Coroas. Em 1845, Tristão José Monteiro adquiriu a sesmaria e criou a Colônia de Santa Maria do Mundo Novo. A partir de 1846 muitos imigrantes alemães vindos do vale dos Sinos, especialmente de São Leopoldo e de Dois Irmãos, e alguns diretamente da Alemanha, fixaram-se nesta colônia e aos poucos espalharam-se, principalmente pelas margens do rio Santa Maria, hoje chamado de rio Paranhana.[11] A colônia dividia-se em três seções: Baixa Santa Maria – hoje Taquara, Média Santa Maria – hoje Igrejinha e Alta Santa Maria – hoje Três Coroas. Foi na Média Santa Maria, que Tristão Monteiro construiu a primeira casa de alvenaria do vale, a chamada "Casa de Pedra". Esta casa foi construída para instalar a capatazia e o armazém de abastecimento dos primeiros colonos e do pessoal que procedia a medição das terras do vale.[12][13] Nesta época ocorreram diversos e sangrentos conflitos entre imigrantes e índios, acarretando na completa exterminação dos caingangues na região. O conflito mais conhecido é chamado de Tragédia da família Watenpuhl, onde os índios atacaram a fazenda da família, mataram os homens e sequestraram as mulheres. Este sequestro somente terminou através de uma operação do Exército Imperial Brasileiro.[14] Origem do nome[editar | editar código-fonte] Igrejinha em 1930 Construída de madeira pelos próprios moradores, a primeira igreja existente em toda região foi inaugurada em 1863. Ela se localizada próxima às margens do rio Paranhana, de fronte ao local onde hoje está construída a igreja evangélica Gabriel de Igrejinha.[15] A antiga picada Porto Alegre – São Francisco de Paula (atual RS-020), era rota dos tropeiros de gado que seguiam para São Paulo ou, desciam para Porto Alegre. Desta estrada, que passa sobre regiões montanhosas de Igrejinha, era possível visualizar a pequena igreja. Logo estes viajantes começaram a utilizar a construção como ponto de referência. Foram os tropeiros que começaram a chamar de Igrejinha a localidade até então conhecida por Média Santa Maria, exclamando a cada vez que a avistavam: - Lá esta a igrejinha![16][17] Progresso econômico[editar | editar código-fonte] Em meados de 1904 a população reuniu-se e construiu a primeira ponte de Igrejinha sobre o rio Paranhana. Em 1912 o comerciante João Kichler construiu uma barragem e um moinho de água no rio para descascar arroz. No moinho instalou uma turbina geradora de energia elétrica, o que possibilitou a instalação de uma rede elétrica para cada lado do rio, fornecendo eletricidade para os domicílios de toda a localidade. Igrejinha foi a pioneira em iluminação elétrica domiciliar em toda a região.[18] No ano de 1913, foi construído o ramal Taquara-Canela da rede ferroviária da Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Os trilhos acompanhavam o curso do rio. Graças à construção da malha ferroviária, a localidade de Igrejinha teve seu nome oficializado. Igrejinha recebeu uma estação ferroviária (localizada onde hoje está o cruzamento da Avenida Castelo Branco com a Rua João Correa) e uma ponte. O tráfego ferroviário deu um grande impulso ao progresso da localidade, por facilitar o escoamento da produção.[19] Por volta de 1930 foi iniciada a primeira empresa que fabricava calçados e artefatos de couro. A partir de então e até 1955 houve um verdadeiro surto de empresas neste ramo. Emancipação política[editar | editar código-fonte] Estação férrea de Igrejinha em 1922 Pelo Ato Municipal nº 1, de 1 de janeiro de 1935, Igrejinha foi transformada em 8º distrito do município de Taquara. Graças ao esforço de muitos industriários e comerciantes igrejinhenses, em 1 de junho de 1964 o então governador do estado, senhor Ildo Meneghetti, assinou a Lei nº 4.733, transformando Igrejinha em município, emancipado de Taquara. O município foi oficialmente instalado em 9 de fevereiro de 1965, tendo como prefeito o senhor João Darcy Rheinheimer e compondo a câmara municipal os senhores: Paulo Arthur Maria Spohr, Hugo Sperb, Selson Flesch, Pedro Ivan Sparrenberger, Edgar Willy Wolf, Acy Fetter e Carlito Kullmann. Passados mais de 160 anos após a chegada dos primeiros imigrantes alemães à Igrejinha, a cidade, ainda hoje possui população predominantemente de origem alemã e é uma das maiores produtoras de calçados femininos do Brasil. A herança germânica, misturada às dificuldades da colonização da região, deu ao município as feições atuais.[20]
ECONOMIA

Como em toda a região do vale do Rio dos Sinos, a cidade tem uma economia principalmente voltada à produção do calçado; mas conta também com um forte setor de serviços e comércio. Segundo o IBGE, existiam no município, em 2012, 1.844 empresas atuantes. A força de trabalho formal em Igrejinha era de 10.573 pessoas em 2000, sendo 7.811 na indústria, 2.200 no setor de serviços e 562 no comércio.

O produto interno bruto igrejinhense foi de R$ 867.611.000,00 em 2011, gerando uma média per capita de R$ 27.082,38. Destes R$ 3.935.000,00 provém da agropecuária; R$ 388.473.000,00 é acrescentado pela indústria, R$ 343.527.000,00 é adicionado pelos serviços e R$ 131.677.000,00 provém de impostos.

Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Igrejinha localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 135.9 de quilometros quadrados. A população total de Igrejinha é de 31660 pessoas, sendo 15461 homens e 16199 mulheres. A população na área urbana de Igrejinha RS é de 30190pessoas, já a população da árae rual é de 1470 pessoas. A Densidade demográfica de Igrejinha RS é de 233.03. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Igrejinha RS é que 22.24% tem entre 0 e 14 anos de idade; 71.29% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 6.47% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Igrejinha localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Igrejinha localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 135.9 de quilometros quadrados. A população total de Igrejinha é de 31660 pessoas, sendo 15461 homens e 16199 mulheres. A população na área urbana de Igrejinha RS é de 30190pessoas, já a população da árae rual é de 1470 pessoas. A Densidade demográfica de Igrejinha RS é de 233.03. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Igrejinha RS é que 22.24% tem entre 0 e 14 anos de idade; 71.29% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 6.47% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Igrejinha localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Como em toda a região do vale do Rio dos Sinos, a cidade tem uma economia principalmente voltada à produção do calçado; mas conta também com um forte setor de serviços e comércio. Segundo o IBGE, existiam no município, em 2012, 1.844 empresas atuantes. A força de trabalho formal em Igrejinha era de 10.573 pessoas em 2000, sendo 7.811 na indústria, 2.200 no setor de serviços e 562 no comércio.[32] O produto interno bruto igrejinhense foi de R$ 867.611.000,00 em 2011, gerando uma média per capita de R$ 27.082,38. Destes R$ 3.935.000,00 provém da agropecuária; R$ 388.473.000,00 é acrescentado pela indústria, R$ 343.527.000,00 é adicionado pelos serviços e R$ 131.677.000,00 provém de impostos.[33] Composição da economia de Igrejinha em 2005[34] Agricultura 0 93 % Indústria 50 47 % Comércio/Serviços 48 61 % Agricultura[editar | editar código-fonte] Produto Produção Mandioca 1800 toneladas Batata inglesa 838 toneladas Milho 720 toneladas Cana-de-açúcar 500 toneladas Laranja 280 toneladas Batata-doce 190 toneladas Goiaba 120 toneladas Banana 88 toneladas Limão 80 toneladas Tomate 80 toneladas Tangerina 50 toneladas Feijão 48 toneladas Uva 40 toneladas Principais produtos agrícolas e frutíferos de Igrejinha, segundo IBGE em 2006[35][36] Dentre os três setores da economia, o de agricultura e pecuária é o que representa menor valor agregado ao PIB. Mesmo assim, o município tem uma produção considerável, principalmente de hortifrutigranjeiros. Principal produto agrícola de Igrejinha, a mandioca foi plantada, em 2006, em 180 hectares, sendo colhidas 1.800 toneladas, gerando um incremento de R$ 1.585.000,00 ao produto interno bruto de Igrejinha. Outros produtos que merecem ser citados são a batata inglesa, com produção de 838 toneladas; o milho, com produção de 720 toneladas; a cana-de-açúcar, com produção de 500 toneladas; a laranja com produção de 280 toneladas; e a batata-doce, com produção de 190 toneladas. Nos últimos anos o governo municipal vêm apoiando a plantação de videiras, o que deverá elevar a produção de uva que atualmente está em 40 toneladas anuais. Segundo o IBGE em 2008 Igrejinha possuía um rebanho de 5.460 bovinos, 257 suínos, 150 equinos, 140 bubalinos, 117 coelhos, 273 ovinos, 70 caprinos e 8.824 aves.[37] Neste mesmo ano, a cidade produziu 9.041 quilogramas de mel. A produção de leite de vaca ultrapassou os 1.339.000 litros. Foram produzidos 50 mil dúzias de ovos de galinha e 23 mil dúzias de ovos de codornas. Também se produziu 243 quilogramas de lã.[37] A silvicultura do município teve uma produção de 6.458 metros cúbicos de lenha, 43 metros cúbicos de madeira em tora, 50 toneladas de carvão vegetal, 438 toneladas de casca de acácia negra e 11 toneladas de erva-mate.[38] Comércio[editar | editar código-fonte] Comércio na RS-115 em Igrejinha. O município possui um fortíssimo comércio, sendo conhecido estadualmente pelo turismo de compras, proporcionado pela grande quantidade de lojas de calçados e artigos em couro localizadas na rodovia RS-115, principal acesso a Gramado e Canela.[39] Entre as principais lojas estão a Varejo Piccadilly, a Sapatu's, a McBennet, a BannyPel, a Malhas Daiane, entre outras.[40] A cidade também conta com um bom número de lojas de vestuário, materiais de construção, eletrodomésticos, móveis, entre outras, em sua área mais central.[41] Indústria[editar | editar código-fonte] A economia industrial igrejinhense é baseada na produção de calçados femininos. Igrejinha conta com mais de 750 indústrias, de pequeno, médio e grande porte, sendo que a maioria atua no setor calçadista.[42] Estas indústrias produzem 19 milhões de pares de calçados ao ano, o que equivale a mais de 2,5% de todo o calçado fabricado no país,[43] e empregam diretamente mais de 5,5 mil pessoas.[43] Entre as empresas mais conhecidas e fundadas no município estão a Piccadilly[44] e a Beira-Rio/Vizzano.[45][46] Desde o início do século, a economia industrial de Igrejinha vêm se diversificando com o fortalecimento do pólo moveleiro do Paranhana[47] e com a instalação da unidade produtiva da Nova Schin,[48] considerada a mais moderna do Grupo Schincariol.[49][50] Esta última é responsável pela vinda de outros investimentos para a região.
TURISMO

A cultura da cidade é fortemente influenciada pela cultura germânica, trazida e cultivada pelos imigrantes alemães que colonizaram a região. Demonstrações da cultura alemã podem ser vistas na arquitetura enxaimel, nas diversas sociedades de canto, nas festas, nos grupos de danças e nos Ternos de Atiradores. O dialeto Riograndenser Hunsrückisch, do alemão, ainda hoje é falado por um número considerável de pessoas, principalmente entre os moradores mais antigos.

Para cultivar a cultura da do município foi criada através da Lei Municipal 971 de 1987[92] a Fundação Cultural.[93] Esta instituição, mantida pela Prefeitura, mantém a Biblioteca Pública Municipal - com mais de 22 mil obras, a Discoteca Elis Regina - com um acervo de milhares de discos de vinil, o Coral Municipal, o Museu Professor Gustavo Koetz, uma galeria de arte com obras de artistas locais, e o grupo de danças folclóricas alemãs Kirchleinburg.[94] Ainda existem diversos outros grupos de danças ligados a outras entidades culturais ou às escolas.

A cultura alemã está presente em diversas festividades da cidade como nos bailes de Kerb,[100] uma espécie de quermesse para homenagear os antepassados; nos Bailes do Chope, grandes bailes realizados nas sociedades locais; e na Oktoberfest, um festival das tradições alemãs. Em julho de 2008 a Oktoberfest de Igrejinha foi reconhecida pela assembleia legislativa como patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul,[101][102] e hoje ela é considerada o maior evento comunitário do país.[9] O espírito comunitário da população é tão grande que mais de 10% dos habitantes (cerca 3 mil pessoas) trabalham voluntariamente durante a Oktoberfest. O resultado final da festa é revertido em doações para entidades filantrópicas e públicas, das áreas da saúde, educação, segurança e cultural. Somente no ano de 2007 foram doados mais de 1 milhão de reais.

A cultura italiana é demonstrada na Festa dos Italianos, também chamado de Baile do Vinho.

A Casa do Imigrante ou Museu Professor Gustavo Koetz, é um centro cultural histórico sobre a vida do músico e professor Gustavo Koetz e sobre a colonização alemã no município.[106] Neste museu pode-se ver móveis e utensílios agrícolas dos imigrantes, além de instrumentos musicais e partituras das músicas compostas pelo professor. Outro museu de Igrejinha é o Memória da Oktoberfest, localizado na Vila Germânica do Parque de Eventos Almiro Grings (Parque da Oktoberfest). Este museu conta com um acervo de fotografias, dados, documentos e trajes típicos sobre a Oktoberfest de Igrejinha.

Ver artigo principal: Turismo em Igrejinha Morro da Cruz na localidade de Serra Grande Pórtico do Parque da Oktoberfest de Igrejinha Igrejinha é nacionalmente conhecida pelo turismo de compras de calçados.[39] Localizada na principal rota de acesso à Região das Hortênsias, a cidade é ponto de parada dos turistas para compras de calçados e artigos de couro, nas lojas localizadas as margens da RS-115. O parque Ecoland, um parque ecológico privado com lagos, mata nativa e animais silvestres, atrai muitos turistas.[107] Localizada em uma região montanhosa o município possui diversas atrações naturais. Os principais atrativos são a Cascata de Solitária - localizada na localidade de mesmo nome, a Cascata dos Italianos - localizada em Linha Caloni, e a Toca dos Bugres - uma caverna também localizada em Linha Caloni que serviu de moradia para os índios habitantes da região. Algumas montanhas também atraem turistas como o Morro dos Alpes - o ponto mais alto do município com 773 metros de altitude, o Morro Alto da Pedra - localizado a 700 metros acima do nível do mar e utilizado para decolagens de Asa-delta e de Parapente (voo livre), e o Monte da Fé, mais conhecido como morro da cruz - um morro com cerca de 670 metros de altitude onde foi construída uma cruz com 30 metros de altura. Estes três morros estão localizados na localidade de Serra Grande.[108] O principal evento da cidade é a Oktoberfest, um festival das tradições germânicas, realizada anualmente no mês de outubro, desde 1988. Além do tradicional chope, o evento oferece ao público o melhor da gastronomia típica alemã, produtos coloniais, bandinhas e orquestras, shows nacionais, desfiles de rua, mostras culturais, concursos de chope em metro e jogos germânicos. A cada ano a festa recebe cerca de 200 mil turistas.[109][110] Outro evento importante é a Feira do Livro,[111] realizada desde o ano 2001, durante a semana de aniversário de emancipação do município, no início do mês de junho. Em seus primeiros anos foi realizada na praça Dona Luiza, mas devido ao aumento do número de visitantes, desde o ano 2013 o evento é realizado no Parque de Eventos Almiro Grings. Referências ? a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008  ? Correio do Povo (27 de dezembro de 2011). «Igrejinha passa a fazer parte da Região Metropolitana de Porto Alegre». Consultado em 21 de janeiro de 2013  ? Igrejinha.rs.gov.br. «Distâncias entre cidades». Consultado em 15 de março de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008  ? IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010  ? «Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2016» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de junho de 2017  ? «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008  ? a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 24 de janeiro de 2015  ? IBGE. «Estimativa da população». IBGE. Consultado em 21 de agosto de 2014  ? a b Oktoberfest.org.br. «Jornal da Oktoberfest de Igrejinha» (PDF). Consultado em 20 de outubro de 2007 [ligação inativa] ? Charutos e Bebidas. «Reportagem: Oktoberfest». Consultado em 11 de dezembro de 2007  ? Igrejinha.rs.gov.br. «História de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008  ? Igrejinha.rs.gov.br. «História da Casa de Pedra». Consultado em 24 de março de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008  ? Prefeitura Municipal. «História de Igrejinha». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? RBS TV. «Tragédia da família Waterpull». Consultado em 16 de abril de 2010 [ligação inativa] ? Oktoberfest.org.br. «Igreja Gabriel». Consultado em 16 de abril de 2010  ? Portal Igrejinha. «Origem do Nome de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008 [ligação inativa] ? Oktoberfest.org.br. «Por que Igrejinha?». Consultado em 16 de abril de 2010  ? A Saga dos Alemães III - Página 342 ? a b Estações Ferroviárias. «Estação ferroviária de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008  ? FAMURS. «Dados históricos de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008  ? FAMURS. «Dados geográficos de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008  ? Prefeitura Municipal. «Informações de Igrejinha». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? UFSM. «Dados sobre a Encosta Inferior do Nordeste». Consultado em 22 de março de 2008  ? a b Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.79 ? Oktoberfest.org.br. «Dados sobre a altitude de Igrejinha». Consultado em 22 de março de 2008. Arquivado do original em 5 de agosto de 2007  ? Igrejinha, uma história em construção - SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. 2004 - p.14 ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.86 ? Weather Underground. «Dados sobre o clima de Igrejinha». Consultado em 18 de maio de 2008  ? a b «Clima: Igrejinha». Climate-Data.org. Consultado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 17 de julho de 2015  ? Igrejinha, uma história em construção - SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. 2004 - p.13 ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.83 ? Oktoberfest. «Dados sobre a economia de Igrejinha». Consultado em 22 de março de 2008  ? IBGE. «Informações sobre Produto Interno Bruto». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? FAMURS. «Dados sobre a economia de Igrejinha». Consultado em 24 de março de 2008  ? IBGE. «Dados sobre a lavoura permanente de Igrejinha». Consultado em 16 de março de 2008  ? IBGE. «Dados sobre a lavoura temporária de Igrejinha». Consultado em 16 de março de 2008  ? a b IBGE. «Dados sobre a pecuária de Igrejinha». Consultado em 14 de abril de 2010  ? IBGE. «Dados sobre a silvicultura de Igrejinha». Consultado em 14 de abril de 2010  ? a b Setur.rs.gov.br. «Turismo de compras em Igrejinha». Consultado em 15 de abril de 2010  ? 160 anos da cultura alemã em Igrejinha - REINHEIMER, Dalva Neraci. SMANIOTTO, Elaine. 2006. - p.139 ? CDL. «Camara de Dirigentes Lojistas de Igrejinha». Consultado em 15 de abril de 2010  ? IBGE. «Dados sobre a estrutura empresarial de Igrejinha». Consultado em 16 de março de 2008  ? a b AbiCalçados. «Pólos produtores de calçados». Consultado em 12 de abril de 2008. Arquivado do original em 10 de março de 2008  ? Piccadilly. «Site da empresa». Consultado em 14 de abril de 2010  ? Beira Rio. «Histórico da empresa». Consultado em 14 de abril de 2010  ? Sindicato da Industria de Calçados de Igrejinha. «Associados». Consultado em 14 de abril de 2010  ? AFAMEP. «Associação organizadora da Femóveis». Consultado em 5 de abril de 2008  ? Intelog. «Reportagem: O efeito Shincariol em Igrejinha». Consultado em 11 de abril de 2010  ? ISTOÉ Dinheiro. «Reportagem: A arrancada da Nova Schin». Consultado em 11 de abril de 2010  ? al.rs.gov.br. «Reportagem: Schincariol inaugura fábrica em Igrejinha». Consultado em 11 de abril de 2010  ? Câmara de Vereadores. «Vereadores de Igrejinha». Consultado em 26 de novembro de 2007  ? FAMURS. «Dados sobre a demografia de Igrejinha». Consultado em 27 de março de 2008  ? IBGE. «Dados sobre os eleitores de Igrejinha». Consultado em 18 de março de 2008  ? PNUD Brasil. «Atlas do Desenvolvimento Humano 2013». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? IBGE. «Índice de Desenvolvimento Humano». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? PNDU. «Atlas do Desenvolvimento Humano». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? FEE. «Série histórica do IDESE». Consultado em 5 de agosto de 2014  ? Câmara de Vereadores. «Lista de bairros». Consultado em 26 de novembro de 2007. Arquivado do original em 8 de julho de 2007  ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.48 ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.45 ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.46 ? Verbandsgemeinde Simmern/Hunsrück. «Partnerstadt Igrejinha». Consultado em 16 de agosto de 2014  ? Oktoberfest de Igrejinha. «Igrejinha é cidade-irmã de Simmern, na Alemanha». Consultado em 16 de agosto de 2014  ? Sulgás. «Rede do Vale do Paranhana» (PDF). Consultado em 12 de abril de 2008  ? Sulgás. «Postos GNV». Consultado em 12 de abril de 2008  ? Igrejinha.rs.gov.br. «Hospedagem em Igrejinha». Consultado em 13 de fevereiro de 2008  ? Igrejinha.rs.gov.br. «Gastronomia em Igrejinha». Consultado em 13 de fevereiro de 2008  ? Folha Online. «Reportagem: Destaque na educação». Consultado em 11 de abril de 2010  ? Folha Online. «Reportagem: Avaliação faz educação melhorar em Igrejinha». Consultado em 11 de abril de 2010  ? INEP. «Igrejinha implantou avaliação institucional». Consultado em 11 de abril de 2010  ? Ministério da Educação. «Dados sobre o Ideb de Igrejinha». Consultado em 8 de julho de 2008. Arquivado do original em 9 de Outubro de 2007  ? IBGE. «Dados sobre a educação em Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? IBGE. «Dados sobre a população de Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? IBGE. «Dados da Saúde de Igrejinha». IBGE. Consultado em 4 de agosto de 2013  ? a b Zero Hora. «Reportagem: Saúde de Igrejinha entre as 10 melhores do Brasil». Consultado em 22 de junho de 2008  ? IBGE. «Dados sobre a saúde em Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? a b PautaSocial.com.br. «Reportagem: Trabalho voluntário na Oktoberfest». Consultado em 12 de abril de 2008. Arquivado do original em 2 de junho de 2008  ? Amizade.fm.br. «Rádio Amizade». Consultado em 14 de abril de 2010  ? a b c Oktoberfest.org.br. «Dados sobre a infra-estrutura de Igrejinha». Consultado em 6 de janeiro de 2008  ? Guiatel. «Rio Grande do Sul». Consultado em 15 de abril de 2010. Arquivado do original em 23 de junho de 2011  ? «CEP de cidades brasileiras». Correios. Consultado em 15 de abril de 2010  ? IBGE. «Dados sobre a frota de Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? IBGE. «Dados sobre a frota de Igrejinha». IBGE. Consultado em 4 de agosto de 2014  ? FAMURS. «Dados sobre abastecimento de água em Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? Paranhana.org.br. «Número de policiais civis em Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? Brigada Militar. «1º BPAT». Consultado em 6 de maio de 2008. Arquivado do original em 14 de Setembro de 2010  ? Paranhana.org.br. «Número de policiais militares em Igrejinha». Consultado em 6 de maio de 2008  ? Pauta Social. «Reportagem: Oktoberfest doa viaturas». Consultado em 6 de maio de 2008. Arquivado do original em 2 de junho de 2008  ? Portal do Voluntário. «Reportagem: Bombeiros Voluntários de Igrejinha». Consultado em 2 de maio de 2008  ? a b Oktoberfest.org.br. «Doações da Oktoberfest em 2007» (DOC). Consultado em 12 de abril de 2008 [ligação inativa] ? Ssp.rs.gov.br. «Notícia: Bombeiros Regionais». Consultado em 8 de julho de 2008  ? Tce.rs.gov.br. «Lei Municipal 971/1987, criação da Fundação Cultural de Igrejinha» (DOC). Consultado em 28 de abril de 2008 [ligação inativa] ? Fundação Cultural de Igrejinha. «Blog da Fundação Cultural de Igrejinha». Consultado em 28 de abril de 2008 [ligação inativa] ? Kirchleinburg.org.br. «Site do grupo de danças Kirchleinburg». Consultado em 28 de abril de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008  ? LEI 14.061 - DECLARA INTEGRANTE DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A “LÍNGUA HUNSRIK”, DE ORIGEM GERMÂNICA ? LEI Nº 14.061, de 23 de julho de 2012 - Declara integrante do patrimônio histórico e cultural do estado do Rio Grande do Sul a língua hunsrik, de origem germânica ? Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.37 ? Paranhana On-line. «Reportagem: Eventos de páscoa no Paranhana». Consultado em 18 de maio de 2008  ? Oktoberfest.org.br. «Vila Germânica de Igrejinha». Consultado em 28 de abril de 2008 [ligação inativa] ? BrasilAlemanha.com.br. «Kerb». Consultado em 11 de abril de 2010  ? Oktoberfest.org.br. «Reportagem: Oktoberfest é patrimônio cultural». Consultado em 13 de agosto de 2008 [ligação inativa] ? al.rs.gov.br. «Notícia: Oktoberfest é patrimônio cultural». Consultado em 13 de agosto de 2008  ? Oktoberfest.org.br. «Trabalho voluntário na Oktoberfest». Consultado em 12 de abril de 2008. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2008  ? Oktoberfest.org.br. «Doações da Oktoberfest em 2003». Consultado em 12 de abril de 2008. Arquivado do original em 3 de março de 2009  ? Oktoberfest.org.br. «Doações da Oktoberfest em 2005». Consultado em 12 de abril de 2008. Arquivado do original em 28 de janeiro de 2006  ? Grings.org. «Reportagem: Mostra no Museu Gustavo Koetz». Consultado em 28 de abril de 2008  ? Jornal do Comércio (23 de dezembro de 2013). «Ecoland impulsiona o turismo em Igrejinha». Consultado em 20 de agosto de 2014  ? Paranhana.org.br. «Pontos turísticos do município». Consultado em 11 de abril de 2010  ? Welt.de. «Reportagem: Oktoberfest no Brasil» (em alemão). Consultado em 29 de abril de 2008  ? Oktoberfest.org.br. «História da Oktoberfest de Igrejinha». Consultado em 5 de abril de 2008. Arquivado do original em 23 de outubro de 2007  ? FAMURS. «Reportagem sobre a Feira do Livro». Consultado em 5 de abril de 2008 

Hotel Para Caes Em Ibiruba Rs

Algumas Dicas Sobre Hotelaria para Cães

hotelaria para caes

Os animais de estimação nunca devem ficar sozinhos por longos períodos

Um bom hotel para cães é uma boa escolha para que você deixe seu pet com toda a segurança e cuidados necessários enquanto enquanto viaja. Sabemos que nem sempre é possível levar seus bichinhos juntos e contratar serviços de profissionais é uma boa escolha nestas ocasiões

 

Todos os hotéis têm a obrigação de realizar limpeza, esterilização e dedetização

Pode parecer simples, mas a higiene é um dos principais indicadores da qualidade dos hotéis de animais. Antes de deixar seu querido cãozinho, aproveite e faça uma visita ao local para reparar na higiene (e nos cheiros).

 

Veterinário no local ou de plantão

O fácil acesso a um veterinário garantirá mais segurança na estadia de seu cão. Alguns hoteizinhos para animais possuem veterinários no local, enquanto outros contam com um profissional de plantão, independentemente o importante é estes serviços estarão disponíveis para os animais hospedados.

Se o seu cãozinho precisa tomar remédios ou necessita uma alimentação diferenciada, é fundamental que isto fique registrado nos procedimentos do hotel.

 

As acomodações dos animais

O hotel ideal tem acomodações para os animais ficarem em locais fechados protegidos das intempéries e também permite os animais soltos, mas com total controle.