Curso de Adestramento de Cães em Ipatinga

 

 

Você você mora em Ipatinga Minas Gerais
Aproveite Esta GRANDE OPORTUNIDADE para entrar no mercado de Adestramento de Cães

 

 

ATENÇÃO Veja no vídeo abaixo como um livro de apenas R$ 2,50 mudou minha vida profissional e pode MUDAR A SUA TAMBÉM

 

 

O Curso Adestramento A Jóia do Infinito é o único do mercado COM ...
* ANIMAÇÕES 3D * Presença de Aluno real * Didática de atendimento ao cliente * Simulação de adestrador atendendo cliente * Situações reais com cães desmotivados

 

Walkerdog

 

Curso Adestramento A Joia do Infinito RETORNO RÁPIDO!

Como Adestrador Formado no Curso Online do Centro Canino WalkerDog

você pode cobrar R$ 80,00 por hora de adestramento,

se fizer 4 horas por final de semana você


fatura em um único mês R$ 1280,00



 

comprar curso agora

 

compra segura hotmart

Compra 100% segura! Receba imediatamente seu acesso após a confirmação do pagamento.


hotmart

 

Veja Como Funciona o Curso

No Curso de Adestramento de Cães A Jóia do Infinito, oferecido pelo Centro Canino WalkerDog, você aprenderá as principais técnicas de Adestramento, aliando teoria e prática. O Curso é 100% online gravado em alta resolução com Animações 3D e participação de aluno real nas aulas práticas.

Aprenda também sobre o bem-estar animal, alimentação correta, psicologia e comportamento canino, interpretação da linguagem corporal dos cães, e mais:

Como evitar que o cão coma ou destrua objetos em casa;

Saiba como ensiná-lo a fazer as necessidades no local correto;

Aprenda técnicas e truques de adestramento, do básico ao avançado;

Conheça como é o treinamento de um cão de trabalho.

POR DENTRO DO CURSO

6 Módulos, mais de 20 Videoaulas com método exclusivo, animação 3D e aluno real.

CURSO 100% ONLINE

Você vai assistir no conforto da sua casa, a hora que você quiser, podendo ver e rever as aulas

AULAS REAIS

Aulas práticas gravadas com aluno real.

SUPORTE E ACOMPANHAMENTO

Você vai ter o suporte individual diretamente com o Adestrador Alex para tirar suas dúvidas através do grupo do Facebook.

CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Após assistir todas as aulas do curso, você receberá um lindo certificado provando a conclusão do curso, mostrando que você está preparado para trabalhar como adestrador de cães.

hotmart

 

Veja o que os alunos estão falando sobre o Curso

grade curricular

 

Conheça a GRADE CURRICULAR do curso

MÓDULO 01 APRESENTAÇÃO

  • Boas vidas e apresentação do curso de Adestramento A Jóia do Infinito

MÓDULO 02 CONHECENDO A HISTÓRIA E O COMPORTAMENTO CANINO

  • A história do relacionamento entre cães e humanos no Brasil.
  • Comportamento Canino

MÓDULO 03 ESTUDANDO OS CONCEITOS CIENTÍFICOS, E METODOLOGIAS

  • Conceitos
  • Reforço Positivo, Reforço Negativo e Punição

MÓDULO 04 DIDÁTICA PARA COM O CLIENTE E TÉCNICAS DE ADESTRAMENTO

  • Visita ao cliente, como agir
  • Entendendo o contexto para mudar o comportamento do cão
  • Carregamento do clicker

MÓDULO 05 INICIO DAS AULAS PRÁTICAS, CONCEITOS PARA EXTRAÇÃO DE COMANDOS

  • Carregar o clicker na prática
  • Como criar um aprendizado sem falhas
  • Como criar um aprendizado sem falhas, vídeo
  • Generalizando os comandos com indução (usando petisco perto do nariz como moeda de troca)
  • Carregamento da base, significado
  • Generalizando comandos troca de posições, senta, deita, de pé com contato (toque)
  • Generalizando cão inseguro
  • Descriminando comandos (descriminar é colocar comandos verbais)
  • Descriminando comandos Parte 2
  • Descriminando comandos Parte 3

MÓDULO 06 AULAS BÔNUS

  • Todo mês uma aula nova e exclusiva para os alunos

Walkerdog

 

Conheça o Adestrador Alexsandro Epping

 

Curso para Adestradores de Cães centro canino walkerdog Olá meu nome é Alexsandro Epping, sou proprietário do Centro Canino WalkerDog. Venho convidar você que assim como eu quer trabalhar com o que ama, TRABALHAR ADESTRANDO CÃES!

Sou Formado em comunicação e Marketing, atualmente curso História na Unicesumar e Gestão de Empresa na Anhanguera

Realizou os seguintes cursos:

  • Treinamento tático com cães. Local Quinto batalhão de suprimento Curitiba com Sub tenente Marcos Goes
  • Treinamento de busca e resgate com cães, faro de entorpecente, busca e captura. Local: Marau RS. Instrutores: sargento do POE Antonio Rodrigues, RS, instrutores da K9 do Uruguai, EUA e Colombia

  • Em 10 anos o instrutor Alex buscou mais de 30 cursos e seminários no Brasil e no exterior, sendo cursos e semanários no valor de R$ 2.000 a R$ 5.000,00. Como orientador na formação de adestradores de cães de guarda também se especializou na área da segurança em cursos homologados pela Polícia Federal e ainda buscou qualificação didática de e ensino superior como instrutor na formação de alunos em seguimentos como adestradores.

    Totalizando mais de R$50.000,00 investidos em conhecimento.

    E mais dezenas de cursos no qual já ganhou mérito de destaque como melhor aluno em turma de 21 alunos.

    Dados de atuação:
    O adestrador Alexsandro Epping é responsável pela formação de adestradores na WalkerDog, adestrador responsável pelo treinamento de cães condenados a eutanásia por vigilância sanitária de diversos municípios, adestrador do cães em treinamento da WalkerDog, palestrante sobre comportamento canino em várias empresas escolas técnicas e faculdades.

    Responsável pelo hotel/ creche da WalkerDog.
    Sua equipe são ex alunos de cursos da WalkerDog

     

    LEMBRA DA HISTÓRIA DO LIVRO?

    Aconteceu em 2010 ....

    Veja Como Está Nossa Estrutura HOJE!

    P.S.: não estou vendendo uma SOLUÇÃO MÁGICA, mas o conhecimento deste curso, aliado é muito trabalho e dedicação, pode se transformar em UMA JÓIA DO INFINITO

     

    Walkerdog

     

    HOJE VOCÊ TERÁ A OPORTUNIDADE ÚNICA DE ADQUIRIR O CURSO COMPLETO POR APENAS

     

    de R$ 697,00 valor normal

     

    12 x de R$ 48,42

     

    Menos de R$2,00 por dia.

     

    São MAIS DE R$ 50.000,00 investidos em conhecimento pelo adestrador Alex

    TUDO ISSO entregue no curso para você por um preço acessível

     

    comprar curso agora

     

    garantia 7 dias

     

    O RISCO é TODO MEU, Até 7 DIAS depois do pagamento, você pode cancelar por qualquer motivo, e devolvemos todo o valor pago.

    ONDE EU RECEBO O CURSO?

    Logo após a confirmação da sua compra, você irá receber no seu E-mail os dados de acesso ao curso online.

    FICOU COM ALGUMA DÚVIDA EM RELAÇÃO AO CURSO ONLINE?

    Chame nos nossos WHATSAPP (51) 9 97613537 (vivo) | (51) 9 91519690 (claro)


    Título: Curso de Adestramento de Cães em Ipatinga Minas Gerais
    Criado em 28/05/2020 - Publicado em - Atualizado em 28/05/2020
    Centro Canino WalkerDog
    Centro Canino WalkerDog

    Conheça o Curso Banho e Tosa em Ipatinga MG

    Dados de Ipatinga - MG
    Area em km2= 164
    Populacao = 239468
    PIB Per Capta = R$ 0

    HISTORIA
    Colonização da região[editar | editar código-fonte] A exploração da região conhecida inicialmente como Sertões do Rio Doce teve início no final do século XVI, em expedições à procura de metais preciosos, no entanto o desbravamento dessas terras foi proibido no começo do século XVII, a fim de evitar contrabando do ouro extraído nas redondezas de Diamantina. O povoamento foi liberado em 1755[14] e no século XIX, durante mandato de Dom Pedro I do Brasil, bandeirantes estiveram na região, onde constataram a presença de indígenas.[11] Ainda assim, até o século XX a área de Ipatinga não reportou uma significativa colonização.[15] Por volta de 1920, já existiam pequenos núcleos habitacionais nos atuais bairros Barra Alegre,[16] Ipaneminha,[17] Taúbas[18] e Bom Jardim, frutos de apossamentos de terras[19] ou, no caso do Ipaneminha, pontos de parada de uma estrada por onde passavam tropeiros rumo a Ouro Preto e Diamantina.[17] Estação de Ipatinga (atual Estação Memória) da EFVM na década de 1930 A locação da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) pelo leste mineiro, no entanto, vinha estimulando o desenvolvimento populacional nas áreas próximas das margens dos rios Doce e Piracicaba, assim como viria a ocorrer na região do Vale do Aço. Em 1º de agosto de 1922, foi inaugurada a Estação Pedra Mole, próxima ao atual bairro Cariru,[15] e no mesmo ano foi construída a Estação Nossa Senhora, onde surgiu o povoado de Córrego de Nossa Senhora ou Horto de Nossa Senhora, no atual bairro Horto.[20] Nesse local, foi criada a primeira farmácia da atual Região Metropolitana do Vale do Aço, pelo farmacêutico (e futuro político) Raimundo Alves de Carvalho.[21] A Estação Pedra Mole foi desativada poucos anos depois de sua inauguração, devido a uma alteração no traçado da EFVM, e um novo terminal foi construído no atual Centro de Ipatinga.[22] Em 1924, houve a fundação da Estação do Calado, em Coronel Fabriciano, onde se instalou a Companha Siderúrgica Belgo-Mineira na década de 1930. Vastas áreas foram adquiridas com objetivo de centralizar a extração de madeira da empresa pela região, visando a alimentar seus fornos em João Monlevade.[15] Todavia, apenas Coronel Fabriciano experimentou um desenvolvimento populacional e urbano entre as décadas de 30 e 40, intensificado com a instalação da Acesita em 1944, culminando em sua emancipação do município de Antônio Dias em 1948.[23] Pela Lei nº 1.039, de 12 de dezembro de 1953, o povoado de Ipatinga foi elevado a distrito de Fabriciano.[11] Suas principais atividades econômicas ainda eram ligadas à agricultura e à pecuária.[23] Expansão econômica e siderúrgica[editar | editar código-fonte] Em 1956, uma comissão japonesa visita o então distrito de Ipatinga, sendo escolhido como sede da instalação da Usiminas. Para essa decisão, foram levados em conta a topografia apropriada, pequena distância entre as fontes de matéria prima e os centros consumidores, disponibilidade de recursos hídricos, abundância de energia elétrica, malha ferroviária local e proximidade com outros centros siderúrgicos. Com as notícias da construção da siderúrgica que se instalaria na região, foi grande a chegada de novos moradores, antes de sua instalação. Isso aumentou a necessidade de um planejamento urbano para a cidade.[24][25] Com a instalação da Usiminas em Ipatinga, houve a construção de bairros inteiros destinados a servir de abrigo aos seus trabalhadores, sendo o Horto o primeiro deles.[26] Até essa ocasião, o povoamento contava com cerca de 60 casas e 300 habitantes.[20] A elaboração do primeiro plano urbanístico da atual cidade, então chamada de Vila Operária,[27] projetado pelo arquiteto Raphael Hardy Filho em 1958, possibilitou a locação dos primeiros bairros do atual município.[28] Os conjuntos habitacionais da antiga Vila Operária encontram-se localizados entre o rio Piracicaba e a usina[29] e foram distribuídos de acordo com a hierarquia da empresa, distinguindo-se entre engenheiros, técnicos, operários e chefes.[30] A Usiminas entrou em operação em 26 de outubro de 1962, após o então presidente do Brasil João Goulart acender o alto-forno pela primeira vez, permitindo a primeira corrida de gusa.[31] Contudo, os investimentos do Estado, responsável por 55% do capital estatal da Usiminas — outros 5% pertenciam a empresários nacionais e 40% a japoneses —,[32] restringia-se aos arredores da empresa e pouco levavam em consideração o município de Coronel Fabriciano como um todo, cuja administração havia isentado a Usiminas de impostos.[33] Além disso, a infraestrutura disponibilizada pela empresa se mostrava insuficiente para atender à demanda de operários da região ou que vinham de diferentes áreas do Brasil à procura de trabalho, tampouco àqueles que não se empregavam na indústria. Em Ipatinga, os alojamentos se tornaram poucos e os índices de violência eram elevados.[34][35] Conflitos urbanos e emancipação[editar | editar código-fonte] Monumento "7 de Outubro", no bairro Bom Retiro, em homenagem às vítimas do Massacre de Ipatinga. Protestos de trabalhadores da Usiminas contra as más condições de moradia e trabalho, além de agravantes como a humilhação que sofriam ao serem revistados antes de entrar e sair da empresa, reforçaram a opressão de tropas militares sob ordens do governador mineiro José de Magalhães Pinto.[36] Em 7 de outubro de 1963, cerca de seis mil trabalhadores em greve à frente da portaria da empresa[37] foram alvo de 19 soldados no alto de um caminhão que puseram-se a disparar contra os operários. O episódio, conhecido como Massacre de Ipatinga, resultou oficialmente em oito mortes e 79 feridos, apesar de tais números sempre ter sido contestados.[38] Houve, nos meses seguintes ao massacre, aumentos salariais, a substituição do quadro de vigilantes e a condenação dos soldados envolvidos em agressões e no massacre. O Golpe de Estado no Brasil em 1964, no entanto, derrubava o então presidente e sindicalista João Goulart, dando início à ditadura militar. Isso culminou na prisão de sindicalistas e líderes de movimentos trabalhistas locais e na absorção dos policiais envolvidos.[39] A construção dos conjuntos habitacionais também foi intensificada no decorrer da década de 1960.[40] Anteriormente ao massacre, já existia um ressentimento de insatisfação da população de Ipatinga com a administração de Coronel Fabriciano, devido à distância até a sede municipal e à relativa sensação de isolamento, o que levou à formação de uma comissão pró-emancipação do então distrito em 1962.[41][42] Assim como ocorreu com o distrito de Timóteo, o desmembramento de Ipatinga chegou a ser aprovado pela câmara municipal de Coronel Fabriciano e efetivado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) mediante a lei estadual nº 2.764, de 30 de dezembro de 1962,[11][43] mas foi vetado pelo governador Magalhães Pinto sob influência de uma aliança política com o então prefeito fabricianense Cyro Cotta Poggiali.[42][44][45] A prefeitura de Fabriciano não queria perder a renda originada pela Acesita (em Timóteo) e Usiminas[41] e o governador afirmava que pretendia manter uma unidade política, administrativa, econômica e financeira desse polo siderúrgico.[13] Havia cerca de 20 mil habitantes no distrito em 1962.[46] Sob influência do massacre de 1963 e de uma quebra de aliança entre o prefeito fabricianense e Magalhães Pinto,[45] no entanto, uma nova comissão conseguiu a aprovação da emancipação de Ipatinga pela Secretaria de Interior do estado em 28 de abril de 1964. No mesmo processo também houve a emancipação do distrito de Timóteo, desmembrado de Coronel Fabriciano, além de João Monlevade e Bela Vista de Minas.[47] A notícia da independência de Ipatinga e Timóteo foi anunciada em um palco montado no Centro de Fabriciano por volta do meio-dia da mesma data, sendo oficializada com a publicação no Diário Oficial do dia seguinte, 29 de abril.[43] José Orozimbo da Silva foi empossado como intendente, sendo posteriormente substituído por Délio Baêta Costa,[47] porém Fernando Santos Coura foi o primeiro prefeito eleito e veio a assumir o cargo em 4 de dezembro de 1965.[48] Consolidação urbana[editar | editar código-fonte] Verticalização entre os bairros Ideal, Cidade Nobre e Iguaçu, áreas onde a consolidação urbana ocorreu após a década de 70.[49] Até 1967, encontravam-se implantados na Vila Operária os bairros Amaro Lanari, Bom Retiro, Cariru, Castelo, Horto, Imbaúbas e Vila Ipanema.[40] Dentre outros bens infraestruturais básicos, foram construídos o Colégio São Francisco Xavier (1962) e o Hospital Márcio Cunha (1967).[50] Ainda sob influência do massacre de 1963, a Usiminas adotou a partir da década de 1960 ações de recursos humanos e políticas de assistência social, tendo em vista que ser empregado na siderúrgica era garantia de acesso à habitação, infraestrutura e saúde.[40] Com objetivo de controlar a compra e venda de residências e terrenos e evitar que características originais do projeto da cidade original fossem rompidas, Rafael Hardy Filho criou um plano habitacional em 1965, no qual fora definido que qualquer obra que fosse realizada nos complexos residenciais devia receber a aprovação de um Departamento de Habitação e Urbanismo da empresa.[40] Entre as décadas de 70 e 80, foram construídos cemitérios, salas de cinema, fundações culturais e teatrais, o terminal rodoviário e o Ipatingão.[22] Paralelo à original Vila Operária, o crescimento da população não industrial induziu o surgimento de novas divisões sem relação com a empresa, em especial na periferia da cidade, no decorrer da segunda metade do século XX.[51][52] O crescimento desordenado, aliado às condições naturais, proporcionou tragédias da natureza das enchentes de 1979.[53] Em fevereiro daquele ano, enchentes, quedas de pontes e barreiras deixaram a cidade isolada após dias seguidos de chuvas intensas que atingiram toda a bacia do rio Doce.[54] Somente em Ipatinga as chuvas deixaram cerca de 10 mil desabrigados e 42 mortos, grande parte no deslizamento da chamada grota do Iapi, local situado entre os atuais bairros Cidade Nobre e Esperança.[55] Monumento "Tomie Ohtake" (2004). Planejado a pedido da Usiminas em homenagem a seus 41 anos, encontra-se próximo ao local do Massacre de Ipatinga, mas sua projetora não define um significado para a obra.[56] A Avenida 28 de Abril (antiga Rua do Comércio ou Rua do Buraco), no Centro de Ipatinga, também ficou inundada durante as chuvas de 1979.[57] A via é outro exemplo onde o desenvolvimento ocorreu de forma desorganizada[58] e com uma considerável presença de cortiços, fazendo com que a área configurasse como uma zona de altos índices de violência e prostituição, além de problemas com enchentes. No começo da década de 1990, a efervescência da atividade comercial incentivou a estruturação dessa região, com parte de sua população sendo remanejada para casas populares.[59] Mesmo com a concretização de projetos habitacionais, de regularização fundiária e de aquisição de lotes, a presença de aglomerados subnormais em Ipatinga ainda é relevante entre as décadas de 2000 e 2010, posicionando a cidade entre as maiores porcentagens de habitantes vivendo em favelas no estado de Minas Gerais.[60][61] A privatização da Usiminas, no início da década de 90, ajudou a desvincular a administração pública com foco à empresa para priorizar a cidade como um todo. O Plano Diretor Municipal, elaborado em 1991, enaltece as metas de "evidenciar a história da cidade e dos espaços, propor formas de integrá-la no seu cotidiano, permitir a criação de referências coletivas e o reconhecimento e apropriação da cidade pela população".[62] Após sua privatização, a empresa intensificou os investimentos em arte e equipamentos culturais com objetivo de manter sua credibilidade frente aos acontecimentos no passado,[63] como exemplo a fundação do Teatro Zélia Olguin em 1994 e do Centro Cultural Usiminas em 1998.[22] Ser fichado na Usiminas também era garantia de acompanhamento odontológico gratuito a toda a família, o que fez com que Ipatinga registrasse um índice de 0,3 problemas com dentes cariados, perdidos ou obturados por habitante segundo informações de 2001, frente a médias de 4,9 do Brasil e 1,2 da Finlândia (país com o menor índice do mundo de acordo com a ONU).[64] Seus funcionários arrecadavam 10% do capital da empresa com direito a participação nos lucros.[65] Em 2002, investimentos de recursos do município, dos governos federal e estadual e da Usiminas tornaram Ipatinga em uma das primeiras cidades de seu porte na América Latina a ter 100% de suas águas residuais tratadas.[66][67] História recente[editar | editar código-fonte] Ipatinga e o Vale do Aço iniciam o século XXI com destaque à vocação industrial já conhecida, mas com setores de comércio e prestação de serviços em desenvolvimento, caracterizando-se como polo regional para vários municípios do leste de Minas.[68] Pesquisas econômicas recorrentemente citam Ipatinga, como a que foi realizada pelo SEBRAE, apontando quais as melhores cidades de cada estado para se abrir um negócio em 2012,[69] e os 100 melhores municípios do Brasil para investir em imóveis em 2015.[70] Em 2016, figurou na 48ª posição dentre as cidades mais inteligentes do Brasil, segundo o ranking da Bloomberg Philanthropies que pontua inovações em projetos das administrações públicas que visem a sanar problemas sociais.[71] Sob os reflexos da Grande Recessão global que teve início em 2008, no entanto, houve uma relevante diminuição da demanda por aço e posteriormente de sua produção em todo o Brasil, a exemplo do Vale do Aço. Registra-se a partir de então uma considerável queda da população industrial local em função do fechamento de postos de trabalho e cortes de investimentos, com impactos diretos nos setores de serviços e comércio.[72]
    ECONOMIA
    Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Ipatinga localizada no estado de Minas Gerais tem uma área de 164.9 de quilometros quadrados. A população total de Ipatinga é de 239468 pessoas, sendo 116209 homens e 123259 mulheres. A população na área urbana de Ipatinga MG é de 236968pessoas, já a população da árae rual é de 2500 pessoas. A Densidade demográfica de Ipatinga MG é de 1452.34. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Ipatinga MG é que 21.7% tem entre 0 e 14 anos de idade; 72.01% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 6.3% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Ipatinga localizada no estado de Minas Gerais são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Comércio na Avenida 28 de Abril No Produto Interno Bruto (PIB) de Ipatinga, destaca-se o setor industrial. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2016, o PIB a preços recorrentes do município era de R$ 8 482 789,91 mil.[10] 902 437,86 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes e o PIB per capita era de R$ 32 711,16.[10] Em 2010, 65,23% da população maior de 18 anos era economicamente ativa, enquanto que a taxa de desocupação era de 8,77%.[121] Cabe ressaltar, no entanto, que em 2010, cerca de 10% da população se deslocava para outro município para trabalhar, dadas a proximidade e o fácil acesso aos demais municípios da Região Metropolitana do Vale do Aço.[145] Em 2014, salários juntamente com outras remunerações somavam 1 966 288 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,8 salários mínimos. Havia 7 572 unidades locais e 7 178 empresas atuantes.[146] Segundo o IBGE, 49,92% das residências sobreviviam com menos de um salário mínimo mensal por morador (36 384 domicílios), 36,82% sobreviviam com entre um e três salários mínimos para cada pessoa (26 840 domicílios), 6,37% recebiam entre três e cinco salários (4 646 domicílios), 4,09% tinham rendimento mensal acima de cinco salários mínimos (2 980 domicílios) e 2,80% não tinham rendimento (2 040 domicílios).[147] Vista do Shopping Vale do Aço, que é um dos maiores centros de compra do interior mineiro. Ipatinga foi apontada como a sétima melhor cidade para iniciar uma empresa em Minas Gerais, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) em 2012,[69] porém a redução da demanda por aço no mercado nacional e internacional culminou em demissões e cortes de investimentos e salários pelas indústrias locais nos primeiros anos da década de 2010. Somente no município, 7 879 vagas na área da indústria foram eliminadas de 2011 a 2013, gerando impactos diretos também nos setores comercial e de prestação de serviços locais.[148] Foi registrado um total de 10 871 demissões em todos os setores entre janeiro e março de 2015, sendo a maior parte delas (3 782) na construção civil,[149] e 25% dos cargos comissionados da prefeitura haviam sido suspensos até dezembro de 2015.[72] Agropecuária[editar | editar código-fonte] Em 2016, a pecuária e a agricultura acrescentavam 1 122,47 mil reais na economia de Ipatinga,[10] enquanto que em 2010, 0,75% da população economicamente ativa do município estava ocupada no setor.[121] Segundo o IBGE, em 2014 o município possuía um rebanho de 2 275 bovinos, 78 equinos, 388 suínos e 4 649 aves, entre estas 3 487 galinhas.[150] Neste mesmo ano, a cidade produziu 1 138 mil litros de leite de 790 vacas, 9 mil dúzias de ovos de galinha e 3 709 quilos de mel de abelha.[150] Em 2015, Ipatinga configurava-se como o segundo maior município exportador internacional de mel de Minas Gerais, perdendo apenas para Timóteo.[151] Na lavoura temporária, em 2014, foi reportada a produção de 2 044 toneladas e 137 hectares cultivados de milho.[152] Já na lavoura permanente, destacavam-se a banana (325 toneladas produzidas e 25 hectares cultivados), o café (24 toneladas e 20 hectares) e a laranja (cinco toneladas e dois hectares).[153] Indústria e prestação de serviços[editar | editar código-fonte] Entrada para o Escritório Central da Usiminas A indústria, em 2016, era o setor mais relevante para a economia do município. 2 952 580,96 mil reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor secundário.[10] Boa parte desse valor se deve à presença da Usiminas, com um considerável volume de produtos exportados,[154] destacando-se em relação à produção de aço, aço inoxidável e produtos metalmecânicos. O estabelecimento do complexo industrial é o responsável por atrair empresas fornecedoras, complementares e de prestação de serviços às atividades produtivas tanto em Ipatinga quanto nos municípios ao redor.[155] Ipatinga também possui um distrito industrial, que é administrado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), foi estruturado em 1998 e conta com área de cerca de 35 113 336 m².[156] Dentre outros ramos industriais, fazem-se presentes em Ipatinga a confecção de artigos e acessórios de vestuário, extração e manipulação de minerais não-metálicos, fabricação de móveis e artefatos mobilísticos, produção de alimentos e bebidas e fabricação de produtos oriundos da metalurgia,[6] além da extração de eucalipto destinado a abastecer a usina de celulose da Cenibra, situada no município de Belo Oriente.[34] Em 2012, de acordo com o IBGE, foram extraídos 1 137 metros cúbicos de madeira em tora, sendo 100% desse total destinado à produção de papel e celulose.[157] Segundo estatísticas do ano de 2010, 0,39% dos trabalhadores do município estavam ocupados no setor industrial extrativo e 21,42% na indústria de transformação.[121] Em 2010, 8,91% da população ocupada estava empregada no setor de construção, 1,02% nos setores de utilidade pública, 18,41% no comércio e 41,89% no setor de serviços[121] e em 2016, 3 617 070,04 mil reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor de serviços e 1 009 578,56 mil reais do valor adicionado da administração pública.[10] O movimento comercial em Ipatinga possui uma representatividade especial na região da Avenida 28 de Abril (antiga Rua do Comércio), no Centro, que foi revitalizada na década de 1990.[58] Assim como parte do Centro, as regiões dos bairros Bom Retiro, Canaã, Horto e Veneza são consideradas centralidades metropolitanas que exercem um considerável grau de polarização na RMVA, em função da presença de serviços públicos e comércio que atraem consumidores das cidades próximas.[158] Em alguns bairros também funcionam feiras livres regulares,[159] a exemplo da Feira do Ipatingão, que acontece no estacionamento do Estádio Municipal João Lamego Netto.[160] O Shopping Vale do Aço, por sua vez, está localizado próximo ao bairro Horto e constitui um dos maiores centros de compra do interior mineiro.[161]
    TURISMO
    1 Etimologia 2 História 2.1 Colonização da região 2.2 Expansão econômica e siderúrgica 2.3 Conflitos urbanos e emancipação 2.4 Consolidação urbana 2.5 História recente 3 Geografia 3.1 Relevo e hidrografia 3.2 Municípios limítrofes e região metropolitana 3.3 Clima 3.4 Ecologia e meio ambiente 3.4.1 Problemas ambientais 4 Demografia 4.1 Indicadores e desigualdade 4.2 Etnias e religião 5 Política e administração 6 Subdivisões 7 Economia 7.1 Agropecuária 7.2 Indústria e prestação de serviços 8 Infraestrutura 8.1 Saúde 8.2 Educação 8.3 Serviços e habitação 8.4 Segurança e criminalidade 8.5 Comunicações 8.6 Transportes 9 Cultura 9.1 Manifestações e espaços culturais 9.2 Marcos e atrativos 9.3 Esportes 9.4 Feriados 10 Ver também 11 Referências 11.1 Bibliografia 12 Ligações externas

    Curso De Adestramento De Caes Ipaporanga Ce

    Sobre Cursos EAD

    Desde 2005, quando os diplomas de alunos formados em cursos a distância tornaram-se equivalentes aos de cursos presenciais, essa opção teve um forte crescimento. Atualmente, cerca de um milhão de alunos estão fazendo graduações nessa modalidade de ensino, em 108 instituições - a maioria privadas - credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC).

    Ao contrário do que muitos pensam, fazer curso a distância não é uma "moleza", embora ofereça maior flexibilidade do que um curso presencial. Na modalidade a distância, o interesse, o esforço e a disciplina do aluno são fatores essenciais para a um bom aproveitamento e conclusão do curso.

    Não há um modelo único de educação a distância. Os programas podem apresentar diferentes desenhos e múltiplas combinações de linguagens e recursos educacionais e tecnológicos. A natureza do curso é que irá definir a tecnologia e a metodologia: momentos presenciais (são obrigatórios por lei), estágios supervisionados, práticas em laboratórios de ensino, trabalhos de conclusão de curso, quando for o caso, tutorias presenciais e outras estratégias são adotadas.

    A maior parte dos cursos no Brasil funcionam com uma plataforma na internet, onde os alunos acessam as aulas e os conteúdos, complementada por apostilas ou livros impressos, e pólos presenciais que contam com professores tutores para tirar dúvidas. O sistema de avaliações muda bastante de instituição para instituição, mas 58% delas usam provas escritas presenciais.