Hotel para Cães em Porto Alegre RS - WalkerDog

Adestramentro de cães; Hotel para cães

Centro Canino WalkerDog - Hotel para Cachorros em Porto Alegre RS


Hotel para Cães centro canino walkerdog Os hotéis para cães são ótimas opções para quem precisa viajar e não pode levar seus amigos de quatro patas. Entretanto, fique atento na higiene, na infraestrutura, na saúde, no atendimento e nos profissinais do local.

Por isso, se está precisando hospedar seu cão para poder viajar e mora próximo a Porto Alegre RS? Venha conhecer o Centro Canino Walker Dog Hotelaria para Cães.

O Centro Canino Walkerdog oferece o serviço de creche para cães em Porto Alegre RS. Na nossa creche para animais seu cão terá um amplo espaço para lazer e diversas atividades, além de todo o cuidados dos nossos adestradores profissionais. A creche para cachorros é um benefício para o pet, principalmente para aqueles que vivem em apartamento. Hoje, os animais são tratados como membros da família. Assim, como ninguém deixaria uma criança em casa sozinha o dia todo, o mesmo está acontecendo com o cachorro

Na sociedade atual, os cães são, muitas vezes, considerados e tratados como membros das famílias. Em resultado disso, equivocadamente e até por força do sentimento de amor e carinho, seus proprietários criam expectativas de comportamento humano por parte de seus cães, gerando conflitos e situações difíceis que somente um profissional pode ajudar a resolver. Os cães não são pessoas pequeninas e peludas. Eles têm sua própria maneira de pensar e fazer as coisas. Milhares de cães são entregues a abrigos de animais todo ano, ou permanentemente relegados a um cercadinho no quintal dos fundos, pelo simples fato de agirem como cachorros.

Como fazer para que cães e pessoas possam conviver de forma harmoniosa, pacífica e principalmente prazerosa? Isso requer que os donos façam o esforço de atravessar a barreira que existe entre as duas espécies e adestrar seus cachorros para que se comportem de maneira apropriada na sociedade humana.

O Centro Canino WalkerDog dispõe de profissionais altamente capacitados para este processo, além de ótimas instalações e espaço físico para hospedar seu cão na modalidade hotelaria (com pernoite) ou creche (onde o cão passa o dia conosco e a noite retorna para casa).

Dados para contato e localização

centro canino walker dog - contato

Hotel para Cães em Porto Alegre Rio Grande do Sul
Cidade: Porto Alegre
Estado - País: Rio Grande do Sul - BRA
Telefone: 55 (51) 9 97613537 (vivo) e (51) 9 91519690 (claro)
Email : alexsandro0113@hotmail.com
Url:

Nossas Instalações de Hotelaria para Cães

Dispomos de profissionais capacitados e ótima estrutura para hospedar seu cão na modalidade Hotel (com pernoite) ou Creche (sem pernoite):

Baias individuais em alvenaria com revestimento cerâmico e bebedouros automáticos

Espaço cercado ao ar livre para recreação com área de 420m² e pista de obstáculos

Monitoramento e atendimento veterinário 24 horas

Espaço coberto com área de 300m² para uso em dias de chuva

Limpeza e higienização diárias

No Centro Canino WalkerDog Hotel para Cães em Porto Alegre Rio Grande do Sul nossos hospedes são tratados de forma a proporcionar períodos de descontração e alegria. Os animais, sempre que possível, ficam soltos em grupos (observando a compatibilidade e sempre com a presença de um monitor) apenas sendo recolhidos às baias a noite.

Contamos com áreas protegidas, cercadas e monitoradas, onde os cães tem liberdade para correr e brincar. No período de lazer os animais são assistidos por um recreacionista que estimula e propõe exercícios e brincadeiras aos cães.

Os cães são alimentados de acordo com a determinação do proprietário, observando restrições e administração de medicamentos se necessários.

WalkerDog atendendo a Meg Pet da rede Bourbon Zaffari

Centro Canino WalkerDog contratado pela rede Bourbon Zaffari atendendo a Meg Pet. Atendemos as maiores empresas do estado. Reserve o hotel ou adestramento de seu cão em nossa escola.

centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 01 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 02 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 03 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 04 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 05 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 06 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 07 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 08 centro canino walker dog - Meg Pet da rede Bourbon Zaffari 09

Vídeos de Hotelaria para cachorros do Centro Canino WalkerDog

Hora do Recreio - Centro Canino Walker Dog

centro canino walker dog - hotel para caes 01 centro canino walker dog - hotel para caes 02 centro canino walker dog - hotel para caes 03 centro canino walker dog - hotel para caes 04 centro canino walker dog - hotel para caes 05

O Centro Canino Walker Dog oferece o serviço de hotelaria para cães para moradores de diversos municípios

Hotel para Cães em Canoas RS

Hotel para Cães em Campo Bom RS

Hotel para Cães em Estância Velha RS

Hotel para Cães em Esteio RS

Hotel para Cães em Igrejinha RS

Hotel para Cães em Nova Hartz RS

Hotel para Cães em Novo Hamburgo RS

Hotel para Cães em Parobé RS

Hotel para Cães em Porto Alegre RS

Hotel para Cães em São Leopoldo RS

Hotel para Cães em Sapiranga RS

Hotel para Cachorros em Sapiranga RS

Hotel para Cães em Sapucaia do Sul RS

Hotel para Cães em Taquara RS

Hotel para Cães em Três Coroas RS

Acabar com pulgas em 3 passos

Curso Biscoitos Naturais para Cachorros

Dados de Porto Alegre - RS
Area em km2= 496
Populacao = 1409351
PIB Per Capta = R$ 39091

HISTORIA

Origens

A região do atual município de Porto Alegre já era habitada pelo homem desde 11 000 anos atrás. Por volta do ano 1000, os povos indígenas tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos do tronco linguístico tupi provenientes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era habitada por um desses povos do tronco tupi, os carijós. Os carijós viriam a ser escravizados pelos colonos de origem portuguesa de São Vicente.

Porto Alegre estabeleceu-se como cidade somente no século XVIII. Até então, o território do Rio Grande do Sul ainda pertencia legalmente aos espanhóis devido ao Tratado de Tordesilhas (1494), mas, desde o século XVII, os portugueses já começavam a dirigir esforços para a sua conquista e foram progressivamente penetrando no território pelo nordeste, chegando através do Caminho dos Conventos (uma extensão da Estrada Real) à região da Vacaria dos Pinhais, e dali descendo para Viamão. A penetração foi realizada por bandeirantes que vinham em busca de escravos índios e por tropeiros que caçavam os grandes rebanhos de gado bovino, mulas e cavalos que viviam livres no estado. Mais tarde, os tropeiros passaram a se radicar no sul, transformando-se em estancieiros e solicitando a concessão de sesmarias. A primeira delas foi outorgada em 1732 a Manuel Gonçalves Ribeiro na Parada das Conchas, onde hoje é Viamão. Outra via de penetração foi através do litoral, fundando-se, em 1737, uma fortaleza onde hoje é Rio Grande, com o objetivo dar assistência à Colônia do Sacramento, no Uruguai.

Depois da assinatura do Tratado de Madrid (1750), o rei de Portugal determinou que fosse reunido um grupo de 4 000 casais dos Açores para povoar o sul, mas efetivamente foram transportados apenas cerca de mil casais, que se espalharam pelo litoral entre Osório e Rio Grande, e um pouco pelo interior. Cerca de 500 pessoas se fixaram em 1752 à beira do lago Guaíba, no chamado Porto de Viamão, o primeiro nome da futura Porto Alegre. Os conflitos locais entre portugueses e espanhóis, porém, não foram contidos pelo tratado. Rio Grande foi invadida por espanhóis em 1763, a população portuguesa fugiu e o governo da Capitania do Rio Grande de São Pedro se mudou às pressas para Viamão. O Porto de Viamão foi elevado a freguesia, com o nome de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais, em 26 de março de 1772, hoje estabelecida como data oficial da fundação da cidade. Em vista da sua melhor situação geográfica e estratégica, em 25 de julho de 1773 o governador da Capitania, Marcelino de Figueiredo, determinou a transferência da capital de Viamão para lá, quando a freguesia já tinha cerca de 1 500 habitantes.

Com a paz entre Portugal e Espanha conseguida no Tratado de Santo Ildefonso (1777), a posse da terra foi regularizada e começou-se a organizar a administração. Foi erguido o Palácio de Barro, primeira sede de governo, um cemitério, uma prisão, um pequeno teatro e a Igreja Matriz. Ruas foram calçadas, foi criado um serviço postal, o comércio começou a florescer, a atividade do porto se intensificou e a pequena urbe assumiu suas funções definitivamente como capital da Capitania, crescendo rapidamente. Em 1798 tinha 3 000 habitantes e, em 1814, já possuía 6 000.

Herrmann Wendroth: Porto Alegre vista das ilhas do Guaíba, em 1852

Antigo mercado público em meados do século XIX

Século XIX

Em 27 de agosto de 1808 a freguesia foi elevada à categoria de vila, verificando-se a instalação a 11 de dezembro de 1810. Em 16 de dezembro de 1812 Porto Alegre tornou-se sede da Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul, recém-criada, e cabeça da comarca de São Pedro do Rio Grande e Santa Catarina. Em 1814 o novo governador, Dom Diogo de Sousa, obteve a concessão de uma grande sesmaria ao norte, com o fim expresso de estimular a agricultura local. Com o crescimento de cidades próximas como Rio Pardo e Santo Antônio da Patrulha, e em vista de sua privilegiada situação geográfica, na confluência das duas maiores rotas de navegação interna - a do rio Jacuí e a da Lagoa dos Patos - Porto Alegre começava a se tornar o maior centro comercial da região. A frota permanente que frequentava o porto nessa altura contava com cerca de cem navios, e foi aberta uma alfândega. Também se iniciavam exportações de trigo e charque. Em 1816 se haviam comerciado 400 mil alqueires de trigo para Lisboa, e em 1818 se venderam mais de 120 mil arrobas de charque, produto que logo assumiria a dianteira na economia local.

Em 1822 a vila ganhou foro de cidade. A partir de então chegaram os primeiros imigrantes alemães, instalando restaurantes, pensões, pequenas manufaturas, olarias, alambiques e diversos estabelecimentos comerciais. Como a situação econômica da Capitania não ia bem, pressionada por pesados impostos e negligenciada pelo governo imperial, em 1835 estalou em Porto Alegre a Revolução Farroupilha. Tomada em 1836 pelas tropas imperiais, a partir de então a cidade sofreu três longos cercos até o ano de 1838. Foi a resistência a esses cercos que fez D. Pedro II dar à cidade o título de "Mui Leal e Valorosa". Apesar do inchaço populacional daqueles tempos, a malha urbana só voltou a crescer em 1845, após o fim da revolução e com a derrubada das muralhas que cercavam a cidade.

No período de 1865 a 1870 a Guerra do Paraguai transformou a capital gaúcha na cidade mais próxima do teatro de operações. A cidade recebeu dinheiro do governo central, além de serviço telegráfico, novos estaleiros, quartéis e melhorias na área portuária. Em 1872 as primeiras linhas de bonde entraram em circulação. Construiu-se a Usina do Gasômetro (1874) para geração de energia e implantou-se uma rede de esgotos (1899), enquanto que os bairros da cidade se expandiam.[41][42] Na segunda metade do século, enfim a cultura local pôde receber mais atenção, construindo-se um grande teatro, o Theatro São Pedro, e surgindo os primeiros literatos, educadores, músicos e pintores locais de expressão, como Antônio Vale Caldre Fião, Hilário Ribeiro, Luciana de Abreu, Pedro Weingärtner, Apolinário Porto-Alegre, Joaquim Mendanha e Carlos von Koseritz. Fundou-se a Sociedade Parthenon Litterario, formada pela flor da intelectualidade gaúcha, e em 1875 foi realizado o primeiro salão de artes.

Século XX

Abertura da Avenida Borges de Medeiros e construção do Viaduto Otávio Rocha, no início do século XX.

Na virada do século XX Porto Alegre passou a ser imaginada como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul, ideia alinhada com os propósitos do Positivismo, corrente filosófica abraçada pelos governos estadual e municipal, e por isso a cidade deveria transmitir uma impressão de ordem e progresso. Para transformar a ideia em fato, a Intendência, a cuja testa estava José Montaury, iniciou um enorme programa de obras públicas. Montaury permaneceu no governo municipal por 27 anos, sendo sucedido por Otávio Rocha e Alberto Bins, que em linhas gerais mantiveram a mesma orientação. A fim de melhor controlar o processo de desenvolvimento, o município atraiu para si a responsabilidade sobre muitos serviços públicos, como o fornecimento de água encanada, iluminação, transporte, educação, policiamento, saneamento e assistência social, em um volume que ultrapassava em muito o hábito da época e superava o que faziam na mesma altura São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, o crescimento do funcionalismo público e a quantidade de obras demandaram recursos além das capacidades de arrecadação, e foram contraídos grandes empréstimos.[45] Na cultura foi um marco a fundação em 1908 do Instituto Livre de Belas Artes, antecessor do atual Instituto de Artes da UFRGS, que concentrou a produção de arte na capital e foi em todo o estado praticamente a única referência institucional significativa até a década de 1960 nos campos do estudo, ensino e produção de arte.

Em 1940 o município contava com cerca de 385 mil habitantes e seus índices de crescimento eram positivos para a indústria, a construção civil, a educação, a saúde, a eletrificação, o saneamento, o movimento portuário, os transportes e as obras de urbanização. A ligação rodoviária e aérea com o centro do Brasil foi incrementada e a rede ferroviária para o interior do estado se expandia.[47] No encerramento dos anos 1950 foi implantado o primeiro Plano Diretor, composto com base na Carta de Atenas. Para Helton Bello, com este Plano se acentuou a verticalização da cidade, fazendo Porto Alegre conhecer o maior crescimento edilício de sua história, o que alterou significativamente a morfologia urbana.

A segunda metade do século XX foi caracterizada por um acelerado crescimento urbano e populacional, e os sucessivos administradores se empenharam novamente em uma série de investimentos em obras públicas, enquanto a cidade via desaparecer, sob a onda do progresso, boa parte de suas edificações antigas.[48][49] Paralelamente, a cultura de Porto Alegre se caracterizou por um forte colorido político, reunindo expressivo grupo de intelectuais e produtores artísticos influentes alinhados ao Existencialismo e ao Comunismo. Entre o fim da década de 1950 e os anos que precederam o golpe militar de 64 foram montadas peças teatrais de vanguarda, em polêmicas abordagens de crítica social; as artes plásticas mostravam uma arte realista/expressionista de mesmo perfil, que por vezes adquiria um tom panfletário. Quanto ao golpe, Porto Alegre foi o palco de importantes movimentos políticos que levaram à sua concretização, comandados pelo então governador Ildo Meneghetti a partir do Palácio Piratini.[50] Porto Alegre nas últimas décadas se tornou uma das grandes metrópoles brasileiras, internacionalizou sua cultura, tornou-se um modelo de administração pública, dinamizou sua economia a ponto de se tornar uma das cidades mais ricas do mundo, e alcançou altos níveis de qualidade de vida,[23][26] mas ao mesmo tempo passou a experimentar os problemas que afligem outros grandes centros urbanos do Brasil, com o surgimento de favelas,[14] de dificuldades no trânsito[22] e crescimento da poluição[18] e dos índices de criminalidade

Ver artigo principal: História de Porto Alegre Origens[editar | editar código-fonte] A região do atual município de Porto Alegre já era habitada pelo homem desde 11 000 anos atrás. Por volta do ano 1000, os povos indígenas tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos do tronco linguístico tupi provenientes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era habitada por um desses povos do tronco tupi, os carijós. Os carijós viriam a ser escravizados pelos colonos de origem portuguesa de São Vicente.[32] Porto Alegre estabeleceu-se como cidade somente no século XVIII. Até então, o território do Rio Grande do Sul ainda pertencia legalmente aos espanhóis devido ao Tratado de Tordesilhas (1494), mas, desde o século XVII, os portugueses já começavam a dirigir esforços para a sua conquista e foram progressivamente penetrando no território pelo nordeste, chegando através do Caminho dos Conventos (uma extensão da Estrada Real) à região da Vacaria dos Pinhais, e dali descendo para Viamão. A penetração foi realizada por bandeirantes que vinham em busca de escravos índios e por tropeiros que caçavam os grandes rebanhos de gado bovino, mulas e cavalos que viviam livres no estado. Mais tarde, os tropeiros passaram a se radicar no sul, transformando-se em estancieiros e solicitando a concessão de sesmarias. A primeira delas foi outorgada em 1732 a Manuel Gonçalves Ribeiro na Parada das Conchas, onde hoje é Viamão. Outra via de penetração foi através do litoral, fundando-se, em 1737, uma fortaleza onde hoje é Rio Grande, com o objetivo dar assistência à Colônia do Sacramento, no Uruguai.[33] Depois da assinatura do Tratado de Madrid (1750), o rei de Portugal determinou que fosse reunido um grupo de 4 000 casais dos Açores para povoar o sul, mas efetivamente foram transportados apenas cerca de mil casais, que se espalharam pelo litoral entre Osório e Rio Grande, e um pouco pelo interior. Cerca de 500 pessoas se fixaram em 1752 à beira do Lago Guaíba, no chamado Porto de Viamão, o primeiro nome da futura Porto Alegre. Os conflitos locais entre portugueses e espanhóis, porém, não foram contidos pelo tratado. Rio Grande foi invadida por espanhóis em 1763, a população portuguesa fugiu e o governo da Capitania do Rio Grande de São Pedro se mudou às pressas para Viamão. O Porto de Viamão foi elevado a freguesia, com o nome de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais, em 26 de março de 1772, hoje estabelecida como data oficial da fundação da cidade. Em vista da sua melhor situação geográfica e estratégica, em 25 de julho de 1773 o governador da Capitania, Marcelino de Figueiredo, determinou a transferência da capital de Viamão para lá, quando a freguesia já tinha cerca de 1 500 habitantes.[34][35] Com a paz entre Portugal e Espanha conseguida no Tratado de Santo Ildefonso (1777), a posse da terra foi regularizada e começou-se a organizar a administração. Foi erguido o Palácio de Barro, primeira sede de governo, um cemitério, uma prisão, um pequeno teatro e a Igreja Matriz. Ruas foram calçadas, foi criado um serviço postal, o comércio começou a florescer, a atividade do porto se intensificou e a pequena urbe assumiu suas funções definitivamente como capital da Capitania, crescendo rapidamente. Em 1798 tinha 3 000 habitantes e, em 1814, já possuía 6 000.[36][37] Herrmann Wendroth: Porto Alegre vista das ilhas do Guaíba, em 1852 Antigo mercado público em meados do século XIX Século XIX[editar | editar código-fonte] Em 27 de agosto de 1808 a freguesia foi elevada à categoria de vila, verificando-se a instalação a 11 de dezembro de 1810. Em 16 de dezembro de 1812 Porto Alegre tornou-se sede da Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul, recém-criada, e cabeça da comarca de São Pedro do Rio Grande e Santa Catarina. Em 1814 o novo governador, Dom Diogo de Sousa, obteve a concessão de uma grande sesmaria ao norte, com o fim expresso de estimular a agricultura local. Com o crescimento de cidades próximas como Rio Pardo e Santo Antônio da Patrulha, e em vista de sua privilegiada situação geográfica, na confluência das duas maiores rotas de navegação interna - a do rio Jacuí e a da Lagoa dos Patos - Porto Alegre começava a se tornar o maior centro comercial da região. A frota permanente que frequentava o porto nessa altura contava com cerca de cem navios, e foi aberta uma alfândega. Também se iniciavam exportações de trigo e charque. Em 1816 se haviam comerciado 400 mil alqueires de trigo para Lisboa, e em 1818 se venderam mais de 120 mil arrobas de charque, produto que logo assumiria a dianteira na economia local.[38] Em 1822 a vila ganhou foro de cidade. A partir de então chegaram os primeiros imigrantes alemães, instalando restaurantes, pensões, pequenas manufaturas, olarias, alambiques e diversos estabelecimentos comerciais. Como a situação econômica da Capitania não ia bem, pressionada por pesados impostos e negligenciada pelo governo imperial, em 1835 estalou em Porto Alegre a Revolução Farroupilha. Tomada em 1836 pelas tropas imperiais, a partir de então a cidade sofreu três longos cercos até o ano de 1838. Foi a resistência a esses cercos que fez D. Pedro II dar à cidade o título de "Mui Leal e Valorosa". Apesar do inchaço populacional daqueles tempos, a malha urbana só voltou a crescer em 1845, após o fim da revolução e com a derrubada das muralhas que cercavam a cidade.[39][40] No período de 1865 a 1870 a Guerra do Paraguai transformou a capital gaúcha na cidade mais próxima do teatro de operações. A cidade recebeu dinheiro do governo central, além de serviço telegráfico, novos estaleiros, quartéis e melhorias na área portuária. Em 1872 as primeiras linhas de bonde entraram em circulação. Construiu-se a Usina do Gasômetro (1874) para geração de energia e implantou-se uma rede de esgotos (1899), enquanto que os bairros da cidade se expandiam.[41][42] Na segunda metade do século, enfim a cultura local pôde receber mais atenção, construindo-se um grande teatro, o Theatro São Pedro, e surgindo os primeiros literatos, educadores, músicos e pintores locais de expressão, como Antônio Vale Caldre Fião, Hilário Ribeiro, Luciana de Abreu, Pedro Weingärtner, Apolinário Porto-Alegre, Joaquim Mendanha e Carlos von Koseritz. Fundou-se a Sociedade Parthenon Litterario, formada pela flor da intelectualidade gaúcha, e em 1875 foi realizado o primeiro salão de artes.[43][44] Século XX[editar | editar código-fonte] Abertura da Avenida Borges de Medeiros e construção do Viaduto Otávio Rocha, no início do século XX. Rodoviária de Porto Alegre, setembro de 1970. Arquivo Nacional. Na virada do século XX Porto Alegre passou a ser imaginada como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul, ideia alinhada com os propósitos do Positivismo, corrente filosófica abraçada pelos governos estadual e municipal, e por isso a cidade deveria transmitir uma impressão de ordem e progresso. Para transformar a ideia em fato, a Intendência, a cuja testa estava José Montaury, iniciou um enorme programa de obras públicas. Montaury permaneceu no governo municipal por 27 anos, sendo sucedido por Otávio Rocha e Alberto Bins, que em linhas gerais mantiveram a mesma orientação. A fim de melhor controlar o processo de desenvolvimento, o município atraiu para si a responsabilidade sobre muitos serviços públicos, como o fornecimento de água encanada, iluminação, transporte, educação, policiamento, saneamento e assistência social, em um volume que ultrapassava em muito o hábito da época e superava o que faziam na mesma altura São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, o crescimento do funcionalismo público e a quantidade de obras demandaram recursos além das capacidades de arrecadação, e foram contraídos grandes empréstimos.[45] Na cultura foi um marco a fundação em 1908 do Instituto Livre de Belas Artes, antecessor do atual Instituto de Artes da UFRGS, que concentrou a produção de arte na capital e foi em todo o estado praticamente a única referência institucional significativa até a década de 1960 nos campos do estudo, ensino e produção de arte.[46] Em 1940 o município contava com cerca de 385 mil habitantes e seus índices de crescimento eram positivos para a indústria, a construção civil, a educação, a saúde, a eletrificação, o saneamento, o movimento portuário, os transportes e as obras de urbanização. A ligação rodoviária e aérea com o centro do Brasil foi incrementada e a rede ferroviária para o interior do estado se expandia.[47] No encerramento dos anos 1950 foi implantado o primeiro Plano Diretor, composto com base na Carta de Atenas. Para Helton Bello, com este Plano se acentuou a verticalização da cidade, fazendo Porto Alegre conhecer o maior crescimento edilício de sua história, o que alterou significativamente a morfologia urbana.[48] A segunda metade do século XX foi caracterizada por um acelerado crescimento urbano e populacional, e os sucessivos administradores se empenharam novamente em uma série de investimentos em obras públicas, enquanto a cidade via desaparecer, sob a onda do progresso, boa parte de suas edificações antigas.[48][49] Paralelamente, a cultura de Porto Alegre se caracterizou por um forte colorido político, reunindo expressivo grupo de intelectuais e produtores artísticos influentes alinhados ao Existencialismo e ao Comunismo. Entre o fim da década de 1950 e os anos que precederam o golpe militar de 64 foram montadas peças teatrais de vanguarda, em polêmicas abordagens de crítica social; as artes plásticas mostravam uma arte realista/expressionista de mesmo perfil, que por vezes adquiria um tom panfletário. Quanto ao golpe, Porto Alegre foi o palco de importantes movimentos políticos que levaram à sua concretização, comandados pelo então governador Ildo Meneghetti a partir do Palácio Piratini.[50] Porto Alegre nas últimas décadas se tornou uma das grandes metrópoles brasileiras, internacionalizou sua cultura, tornou-se um modelo de administração pública, dinamizou sua economia a ponto de se tornar uma das cidades mais ricas do mundo, e alcançou altos níveis de qualidade de vida,[23][26] mas ao mesmo tempo passou a experimentar os problemas que afligem outros grandes centros urbanos do Brasil, com o surgimento de favelas,[14] de dificuldades no trânsito[22] e crescimento da poluição[18] e dos índices de criminalidade.[20][51] Panorâmica do Centro Histórico, Cidade Baixa, Santana e Bom Fim.
ECONOMIA

Segundo dados do IGBE, o PIB de Porto Alegre em 2007 era de 33,43 bilhões de reais e seu PIB per capita 23 534 reais.[162] As receitas orçamentárias realizadas nas finanças públicas atingiram em 2008 2,86 bilhões de reais e as despesas orçamentárias chegaram a 2,52 bilhões. O seu valor no Fundo de Participação dos Municípios era de 133 773 590,80 reais.[163] Havia 90 077 empresas registradas no Cadastro Central de Empresas, 85 156 atuantes, ocupando 780 549 pessoas, sendo destas 669 451 assalariadas. Mais de 16 bilhões de reais foram pagos em salários em 2008, com um salário médio mensal de 4,6 salários mínimos.[164] De acordo com a ONU e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Porto Alegre teve em 2001 o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre as metrópoles nacionais.[165] O Coeficiente de Gini registrado em 2003 era de 0,44, com uma incidência de pobreza de 23,74% e 17,1% de pobreza subjetiva.[166] Em 2006, o Índice de Desenvolvimento Socioeconômico era de 0,832[167] e a taxa de desemprego em 2009 foi de 5,8%, com maior incidência na indústria.[168] O relatório Doing Business elaborado pelo BIRD colocou a cidade entre as mais favoráveis no Brasil para a atividade empresarial, estando à frente de São Paulo.

Atividades econômicas em Porto Alegre por número de empregados - (2012)

Em agosto de 2010 Porto Alegre foi a capital com o custo da cesta básica mais elevado, chegando a 240,91 reais.[15] Em vários indicadores de custo de vida em 2009 Porto Alegre ficou entre as capitais mais caras, como em serviços e suprimentos domésticos, transporte, vestuário e calçados, mas estava entre as mais baratas para lazer e entretenimento.

Setor primário

Entre 2007-2008 na agricultura destacou-se a produção de arroz em casca, com 2 517 toneladas, com produções bem menores de milho (125 t), feijão (5 t),[171] caqui (29 t), figo (45 t), goiaba (60 t), laranja (132 t), noz (14 t), pera (252 t), pêssego (600 t), tangerina (198 t), uva (225 t),[172] batata-doce (300 t), cana-de-açúcar (630 t), cebola (9 t), fumo (5 t), mandioca (350 t), melão (375 t) e tomate (320 t).[173] Também foram extraídos 22 814 m³ de lenha.[174] Na pecuária em 2008 havia um rebanho de 9 891 bovinos, produzindo 1 148 mil litros de leite, 7 952 equinos, 569 bubalinos, 3 628 suínos, 266 caprinos, 1 397 ovinos, produzindo 3 263 kg de lã, 7 700 galos, frangos, frangas e pintos, 8 287 galinhas, com uma produção de 8 mil dúzias de ovos, 19 600 codornas, dando 130 mil dúzias de ovos, 720 coelhos e uma produção de mel de abelha de 6 311 kg.[175] No Censo Agropecuário de 2006 foram registrados 294 estabelecimentos agropecuários de produtores individuais, com uma área produtiva de 5 597 ha, 2 cooperativas (372 ha), 24 sociedades pessoais ou consórcios (1 483 ha) e 20 sociedades anônimas (1 329 ha).[176] No PIB municipal, o valor adicionado bruto da agropecuária em 2007 foi de 15 859 000 reais.

Setores secundário e terciário

Entrada do salão de convenções da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS)

Sede da Petróleo Ipiranga em Porto Alegre

Porto Alegre é sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), uma entidade que representa empresas, associações, sindicatos, centros e câmaras de indústria e comércio de todas as regiões do estado.[177] Entre 1990 e 2000 a cidade experimentou um declínio na concentração de atividades industriais em relação às outras economias, perdendo empregos na indústria para o interior do estado e para a periferia da Região Metropolitana, a qual por sua vez também tem vivido uma desconcentração industrial.[178] Em 1999 a indústria respondia por apenas 30% do PIB municipal, empregando somente 8% dos ativos e com o setor da microempresa predominando.[14] Nos últimos dez anos o número de indústrias caiu 17%. Nas palavras de Valter Nagelstein, Secretário Municipal da Indústria e Comércio, a reversão desse processo só poderá acontecer se forem atraídas indústrias de alta tecnologia, que têm maior valor agregado e geram empregos com remuneração mais alta, já que o espaço da cidade não comporta mais grandes fábricas, e admite que é preciso criar políticas públicas para atrair essas empresas, que incluam a concessão de incentivos tributários.

Na construção civil a tendência tem sido a concentração na edificação imobiliária, com significativo crescimento em termos de número de empreendimentos e área construída.[180] Em 2009, contudo, o indicador que mede o comportamento das vendas de imóveis da cidade de Porto Alegre sinalizou uma queda, na média dos oito primeiros meses do ano, relativamente ao verificado em 2008, de cerca de 43%. Em direção oposta, o volume de recursos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo para financiamento imobiliário, tanto para a construção quanto para a aquisição, cresceram significativamente no período.[181] No censo imobiliário de 2010 foram identificados 342 empreendimentos imobiliários à venda, pertencentes a 195 empresas, totalizando 5 679 unidades novas, com uma área total em oferta de 675,43 mil m². Paulo Vanzetto Garcia, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (SINDUSCON-RS), disse em agosto de 2010 que o mercado imobiliário de Porto Alegre passava por um bom momento.

Embora possua um parque industrial diversificado, em vista da sua economia dinâmica, da forte e moderna infraestrutura física e técnico-científica e da qualificação do mercado de trabalho, Porto Alegre vem mostrando uma tendência para a concentração em atividades do setor terciário, crescendo a indústria do conhecimento, o comércio e os serviços.[183][184] Há uma especialização em atividades administrativas, técnicas, científicas e assemelhadas, ostentando um Quociente Locacional (indicador de especialização) próximo de 2,0.[185] Há da mesma forma uma tendência ao crescimento nos níveis de rendimentos reais dos empregados no setor público e dos trabalhadores autônomos.[186] Em 2002 o comércio representava cerca de 30% do PIB municipal e o setor de serviços, cerca de 40%.[14] Em 2004 cerca de 32% das empresas estavam no comércio varejista e atacadista, cerca de 64% eram do setor de serviços e apenas cerca de 3% se dedicavam à indústria.[187] As exportações totais em 2008 alcançaram o valor de 1 228 626 776 dólares (FOB).

O Mercado Público de Porto Alegre, um dos prédios históricos da cidade

Shopping Iguatemi

Parte desse fenômeno se deve à concentração na cidade de sedes administrativas de grandes empresas gaúchas, como a Gerdau, a Ipiranga e a Rede Brasil Sul de Comunicações. Outro elemento que favorece a especialização terciária é a crescente procura da cidade por empresários estrangeiros que desejam instalar filiais que sirvam de entreposto para comércio com os países do MERCOSUL, em função da posição geográfica estratégica de Porto Alegre neste bloco comercial. Vem crescendo o número de empreendimentos hoteleiros para atender a esta movimentação do empresariado e também à expansão da indústria do turismo.[183] Na esteira da desconcentração industrial, muitas empresas abandonaram suas instalações na cidade, ocasionando o relativo despovoamento do antigo distrito industrial da Zona Norte, contribuindo para a degradação da região. Têm sido realizados nos últimos anos diversos estudos e propostas de recuperação dos pavilhões abandonados, muitos deles de interesse histórico e arquitetônico, e revitalização econômica da área. A Prefeitura planeja para ali a instalação de um polo tecnológico.

Outra tendência que desde os anos 1970 vem sendo apontada, não apenas em Porto Alegre mas em todas as capitais brasileiras, é o progressivo declínio do comércio varejista de rua para a organização em centros comerciais. Entretanto, mesmo estes centros, em anos mais recentes, vêm enfrentando a concorrência de vários, grandes e modernos shopping centers que se instalam na capital.[189] Parte disso se deve a aspectos de segurança, acessibilidade e conforto, mas não obstante, no Centro, em especial em torno da Rua da Praia, ainda sobrevive um ativo comércio de rua, dando continuidade a uma vocação tradicional da área.[190] Outros polos de comércio de rua são as avenidas Azenha e Assis Brasil. Os shopping centers também contribuem para a valorização de algumas áreas urbanas desprestigiadas ou adormecidas antes de sua instalação, como foi o caso do Shopping Iguatemi, que depois dos anos 1980 vitalizou todo o espaço entre as avenidas Nilópolis e Nilo Peçanha, até então considerado distante do Centro e de acesso difícil

Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Porto Alegre localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 496.7 de quilometros quadrados. A população total de Porto Alegre é de 1409351 pessoas, sendo 653787 homens e 755564 mulheres. A população na área urbana de Porto Alegre RS é de 1409351pessoas, já a população da árae rual é de 0 pessoas. A Densidade demográfica de Porto Alegre RS é de 2837.52. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Porto Alegre RS é que 18.75% tem entre 0 e 14 anos de idade; 70.78% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 10.47% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Porto Alegre localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Porto Alegre localizada no estado de Rio Grande do Sul tem uma área de 496.7 de quilometros quadrados. A população total de Porto Alegre é de 1409351 pessoas, sendo 653787 homens e 755564 mulheres. A população na área urbana de Porto Alegre RS é de 1409351pessoas, já a população da árae rual é de 0 pessoas. A Densidade demográfica de Porto Alegre RS é de 2837.52. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Porto Alegre RS é que 18.75% tem entre 0 e 14 anos de idade; 70.78% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 10.47% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Porto Alegre localizada no estado de Rio Grande do Sul são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. Esta seção pode conter informações desatualizadas. Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão. Ver artigo principal: Economia de Porto Alegre Vista da área central da cidade Segundo dados do IGBE, o PIB de Porto Alegre em 2007 era de 33,43 bilhões de reais e seu PIB per capita 23 534 reais.[163] As receitas orçamentárias realizadas nas finanças públicas atingiram em 2008 2,86 bilhões de reais e as despesas orçamentárias chegaram a 2,52 bilhões. O seu valor no Fundo de Participação dos Municípios era de 133 773 590,80 reais.[164] Havia 90 077 empresas registradas no Cadastro Central de Empresas, 85 156 atuantes, ocupando 780 549 pessoas, sendo destas 669 451 assalariadas. Mais de 16 bilhões de reais foram pagos em salários em 2008, com um salário médio mensal de 4,6 salários mínimos.[165] De acordo com a ONU e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Porto Alegre teve em 2001 o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre as metrópoles nacionais.[166] O Coeficiente de Gini registrado em 2003 era de 0,44, com uma incidência de pobreza de 23,74% e 17,1% de pobreza subjetiva.[167] Em 2006, o Índice de Desenvolvimento Socioeconômico era de 0,832[168] e a taxa de desemprego em 2009 foi de 5,8%, com maior incidência na indústria.[169] O relatório Doing Business elaborado pelo BIRD colocou a cidade entre as mais favoráveis no Brasil para a atividade empresarial, estando à frente de São Paulo.[31] Atividades econômicas em Porto Alegre por número de empregados - (2012)[170] Em agosto de 2010 Porto Alegre foi a capital com o custo da cesta básica mais elevado, chegando a 240,91 reais.[15] Em vários indicadores de custo de vida em 2009 Porto Alegre ficou entre as capitais mais caras, como em serviços e suprimentos domésticos, transporte, vestuário e calçados, mas estava entre as mais baratas para lazer e entretenimento.[171] Setor primário[editar | editar código-fonte] Entre 2007-2008 na agricultura destacou-se a produção de arroz em casca, com 2 517 toneladas, com produções bem menores de milho (125 t), feijão (5 t),[172] caqui (29 t), figo (45 t), goiaba (60 t), laranja (132 t), noz (14 t), pera (252 t), pêssego (600 t), tangerina (198 t), uva (225 t),[173] batata-doce (300 t), cana-de-açúcar (630 t), cebola (9 t), fumo (5 t), mandioca (350 t), melão (375 t) e tomate (320 t).[174] Também foram extraídos 22 814 m³ de lenha.[175] Na pecuária em 2008 havia um rebanho de 9 891 bovinos, produzindo 1 148 mil litros de leite, 7 952 equinos, 569 bubalinos, 3 628 suínos, 266 caprinos, 1 397 ovinos, produzindo 3 263 kg de lã, 7 700 galos, frangos, frangas e pintos, 8 287 galinhas, com uma produção de 8 mil dúzias de ovos, 19 600 codornas, dando 130 mil dúzias de ovos, 720 coelhos e uma produção de mel de abelha de 6 311 kg.[176] No Censo Agropecuário de 2006 foram registrados 294 estabelecimentos agropecuários de produtores individuais, com uma área produtiva de 5 597 ha, 2 cooperativas (372 ha), 24 sociedades pessoais ou consórcios (1 483 ha) e 20 sociedades anônimas (1 329 ha).[177] No PIB municipal, o valor adicionado bruto da agropecuária em 2007 foi de 15 859 000 reais.[163] Setores secundário e terciário[editar | editar código-fonte] Entrada do salão de convenções da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) Sede da Petróleo Ipiranga em Porto Alegre Porto Alegre é sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), uma entidade que representa empresas, associações, sindicatos, centros e câmaras de indústria e comércio de todas as regiões do estado.[178] Entre 1990 e 2000 a cidade experimentou um declínio na concentração de atividades industriais em relação às outras economias, perdendo empregos na indústria para o interior do estado e para a periferia da Região Metropolitana, a qual por sua vez também tem vivido uma desconcentração industrial.[179] Em 1999 a indústria respondia por apenas 30% do PIB municipal, empregando somente 8% dos ativos e com o setor da microempresa predominando.[14] Nos últimos dez anos o número de indústrias caiu 17%. Nas palavras de Valter Nagelstein, Secretário Municipal da Indústria e Comércio, a reversão desse processo só poderá acontecer se forem atraídas indústrias de alta tecnologia, que têm maior valor agregado e geram empregos com remuneração mais alta, já que o espaço da cidade não comporta mais grandes fábricas, e admite que é preciso criar políticas públicas para atrair essas empresas, que incluam a concessão de incentivos tributários.[180] Na construção civil a tendência tem sido a concentração na edificação imobiliária, com significativo crescimento em termos de número de empreendimentos e área construída.[181] Em 2009, contudo, o indicador que mede o comportamento das vendas de imóveis da cidade de Porto Alegre sinalizou uma queda, na média dos oito primeiros meses do ano, relativamente ao verificado em 2008, de cerca de 43%. Em direção oposta, o volume de recursos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo para financiamento imobiliário, tanto para a construção quanto para a aquisição, cresceram significativamente no período.[182] No censo imobiliário de 2010 foram identificados 342 empreendimentos imobiliários à venda, pertencentes a 195 empresas, totalizando 5 679 unidades novas, com uma área total em oferta de 675,43 mil m². Paulo Vanzetto Garcia, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (SINDUSCON-RS), disse em agosto de 2010 que o mercado imobiliário de Porto Alegre passava por um bom momento.[183] Embora possua um parque industrial diversificado, em vista da sua economia dinâmica, da forte e moderna infraestrutura física e técnico-científica e da qualificação do mercado de trabalho, Porto Alegre vem mostrando uma tendência para a concentração em atividades do setor terciário, crescendo a indústria do conhecimento, o comércio e os serviços.[184][185] Há uma especialização em atividades administrativas, técnicas, científicas e assemelhadas, ostentando um Quociente Locacional (indicador de especialização) próximo de 2,0.[186] Há da mesma forma uma tendência ao crescimento nos níveis de rendimentos reais dos empregados no setor público e dos trabalhadores autônomos.[187] Em 2002 o comércio representava cerca de 30% do PIB municipal e o setor de serviços, cerca de 40%.[14] Em 2004 cerca de 32% das empresas estavam no comércio varejista e atacadista, cerca de 64% eram do setor de serviços e apenas cerca de 3% se dedicavam à indústria.[188] As exportações totais em 2008 alcançaram o valor de 1 228 626 776 dólares (FOB).[131] O Mercado Público de Porto Alegre, um dos prédios históricos da cidade Shopping Iguatemi Parte desse fenômeno se deve à concentração na cidade de sedes administrativas de grandes empresas gaúchas, como a Gerdau, a Ipiranga e a Rede Brasil Sul de Comunicações. Outro elemento que favorece a especialização terciária é a crescente procura da cidade por empresários estrangeiros que desejam instalar filiais que sirvam de entreposto para comércio com os países do MERCOSUL, em função da posição geográfica estratégica de Porto Alegre neste bloco comercial. Vem crescendo o número de empreendimentos hoteleiros para atender a esta movimentação do empresariado e também à expansão da indústria do turismo.[184] Na esteira da desconcentração industrial, muitas empresas abandonaram suas instalações na cidade, ocasionando o relativo despovoamento do antigo distrito industrial da Zona Norte, contribuindo para a degradação da região. Têm sido realizados nos últimos anos diversos estudos e propostas de recuperação dos pavilhões abandonados, muitos deles de interesse histórico e arquitetônico, e revitalização econômica da área. A Prefeitura planeja para ali a instalação de um polo tecnológico.[189] Outra tendência que desde os anos 1970 vem sendo apontada, não apenas em Porto Alegre mas em todas as capitais brasileiras, é o progressivo declínio do comércio varejista de rua para a organização em centros comerciais. Entretanto, mesmo estes centros, em anos mais recentes, vêm enfrentando a concorrência de vários, grandes e modernos shopping centers que se instalam na capital.[190] Parte disso se deve a aspectos de segurança, acessibilidade e conforto, mas não obstante, no Centro, em especial em torno da Rua da Praia, ainda sobrevive um ativo comércio de rua, dando continuidade a uma vocação tradicional da área.[191] Outros polos de comércio de rua são as avenidas Azenha e Assis Brasil. Os shopping centers também contribuem para a valorização de algumas áreas urbanas desprestigiadas ou adormecidas antes de sua instalação, como foi o caso do Shopping Iguatemi, que depois dos anos 1980 vitalizou todo o espaço entre as avenidas Nilópolis e Nilo Peçanha, até então considerado distante do Centro e de acesso difícil.[192] Turismo[editar | editar código-fonte] Ver artigo principal: Turismo em Porto Alegre Barco para passeio pelo Guaíba diante da Usina do Gasômetro Parque Moinhos de Vento, Porto Alegre. Porto Alegre era em 2007 a sexta porta de entrada de visitantes estrangeiros no país.[193] Entre 1999 e 2007, 376 095 estrangeiros entraram no estado via aérea por Porto Alegre,[194] e o turismo cresce principalmente por a cidade ser um ponto de partida para viagens a outros locais interessantes do estado, como a Serra do Nordeste, o litoral e a região das Missões.[184] Alguns autores acreditam que o turismo local poderia ser muito mais explorado, especialmente as atividades que envolvem o lago e a cultura, e tanto a iniciativa privada como a pública já têm direcionado esforços para incrementar esta área da economia.[195][196] Uma pesquisa sobre o perfil do turista brasileiro na capital, levada a cabo em 2010, revelou que apenas 12,8% dos visitantes viajaram com finalidade de lazer. A maior parte deles viajou por negócios ou a trabalho (35,2%) ou para visitar parentes e amigos (34%). As atividades realizadas pelo público total, contudo, variaram: 44,8% visitaram amigos e parentes, 38% realizaram negócios, 30% experimentaram a culinária, 29,2% fizeram compras, mas apenas 16,4% visitaram parques, o lago ou passaram tempo em lazer, 14% assistiram a espetáculos, e somente 8,4% se dedicaram a atividades culturais. A maior percentagem, 36,4%, gastou menos de 300 reais na viagem, apenas 14,4% gastaram mais de 1 300 reais. Entretanto, 85,6% recomendariam Porto Alegre para conhecidos como um destino de lazer, e 89,2% expressaram intenção de voltar. Os pontos positivos destacados na estadia em Porto Alegre foram a gastronomia, a hospitalidade, a boa hospedagem, o lazer e entretenimento, os atrativos turísticos e os serviços de transporte. Os menores níveis de satisfação foram para a segurança, a limpeza pública e a sinalização urbana. Os maiores atrativos turísticos foram apontados nos parques, na cultura e nas compras, e os menos atraentes foram os negócios, os serviços de saúde e os eventos.[197] Desde 2003 a prefeitura vem investindo na Linha Turismo, um itinerário percorrido em ônibus aberto que passa pelos principais pontos turísticos da cidade. A Linha oferece duas opções, Centro Histórico e Zona Sul. Em funcionamento desde janeiro de 2003, a Linha Turismo já foi procurada por mais de 364 mil pessoas.[198] Outros itinerários oferecidos pela Prefeitura podem ser praticados pelos turistas nos Caminhos Rurais, visitando a região de chácaras e antigas fazendas na zona sul, as Caminhadas Orientadas/Viva o Centro a Pé, visitando o centro histórico acompanhado de guias, e a Estação Porto Alegre, com roteiros variados a preços baixos. Há também sempre acontecendo uma quantidade de espetáculos de teatro e música, exposições de arte, eventos, seminários, feiras, esportes, festas e comemorações de variada natureza, muitas delas acessíveis até para quem dispõe de poucos recursos, ou mesmo inteiramente gratuitas. Também pode-se conhecer a cidade a partir do lago em passeios náuticos e as tradições tipicamente gauchescas nos inúmeros Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) espalhados pela cidade.[199][200] A capital gaúcha tem hoje cerca de 80 hotéis das principais redes e mais de 12,7 mil leitos, além de possuir no seu entorno hotéis-fazenda e pousadas.[201] Entre os melhores da cidade encontram-se os hotéis das redes Plaza e Blue Tree.[31] Diariamente sai do hotel Plaza São Rafael um roteiro de turismo paleontológico.[202] Vista panorâmica do Lago Guaíba em Ipanema, na zona sul da cidade
TURISMO

Porto Alegre era em 2007 a sexta porta de entrada de visitantes estrangeiros no país.[192] Entre 1999 e 2007, 376 095 estrangeiros entraram no estado via aérea por Porto Alegre,[193] e o turismo cresce principalmente por a cidade ser um ponto de partida para viagens a outros locais interessantes do estado, como a Serra do Nordeste, o litoral e a região das Missões.[183] Alguns autores acreditam que o turismo local poderia ser muito mais explorado, especialmente as atividades que envolvem o lago e a cultura, e tanto a iniciativa privada como a pública já têm direcionado esforços para incrementar esta área da economia.

Vista de Porto Alegre.

Uma pesquisa sobre o perfil do turista brasileiro na capital, levada a cabo em 2010, revelou que apenas 12,8% dos visitantes viajaram com finalidade de lazer. A maior parte deles viajou por negócios ou a trabalho (35,2%) ou para visitar parentes e amigos (34%). As atividades realizadas pelo público total, contudo, variaram: 44,8% visitaram amigos e parentes, 38% realizaram negócios, 30% experimentaram a culinária, 29,2% fizeram compras, mas apenas 16,4% visitaram parques, o lago ou passaram tempo em lazer, 14% assistiram a espetáculos, e somente 8,4% se dedicaram a atividades culturais. A maior percentagem, 36,4%, gastou menos de 300 reais na viagem, apenas 14,4% gastaram mais de 1 300 reais. Entretanto, 85,6% recomendariam Porto Alegre para conhecidos como um destino de lazer, e 89,2% expressaram intenção de voltar. Os pontos positivos destacados na estadia em Porto Alegre foram a gastronomia, a hospitalidade, a boa hospedagem, o lazer e entretenimento, os atrativos turísticos e os serviços de transporte. Os menores níveis de satisfação foram para a segurança, a limpeza pública e a sinalização urbana. Os maiores atrativos turísticos foram apontados nos parques, na cultura e nas compras, e os menos atraentes foram os negócios, os serviços de saúde e os eventos.>

Parque Moinhos de Vento, Porto Alegre.

Desde 2003 a prefeitura vem investindo na Linha Turismo, um itinerário percorrido em ônibus aberto que passa pelos principais pontos turísticos da cidade. A Linha oferece duas opções, Centro Histórico e Zona Sul. Em funcionamento desde janeiro de 2003, a Linha Turismo já foi procurada por mais de 364 mil pessoas.[197] Outros itinerários oferecidos pela Prefeitura podem ser praticados pelos turistas nos Caminhos Rurais, visitando a região de chácaras e antigas fazendas na zona sul, as Caminhadas Orientadas/Viva o Centro a Pé, visitando o centro histórico acompanhado de guias, e a Estação Porto Alegre, com roteiros variados a preços baixos. Há também sempre acontecendo uma quantidade de espetáculos de teatro e música, exposições de arte, eventos, seminários, feiras, esportes, festas e comemorações de variada natureza, muitas delas acessíveis até para quem dispõe de poucos recursos, ou mesmo inteiramente gratuitas. Também pode-se conhecer a cidade a partir do lago em passeios náuticos e as tradições tipicamente gauchescas nos inúmeros Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) espalhados pela cidade.[198][199] A capital gaúcha tem hoje cerca de 80 hotéis das principais redes e mais de 12,7 mil leitos, além de possuir no seu entorno hotéis-fazenda e pousadas.[200] Entre os melhores da cidade encontram-se os hotéis das redes Plaza e Blue Tree.[31] Diariamente sai do hotel Plaza São Rafael um roteiro de turismo paleontológico

Transporte[editar | editar código-fonte] Ver artigo principal: Transporte em Porto Alegre A sua situação geográfica, limitada a oeste pelo lago e ao sul e leste pelos morros, condicionou a distribuição da urbanização basicamente num único eixo, em direção norte, e por consequência neste eixo se concentraram as principais rodovias e ferrovias. Ao longo delas floresceram diversas cidades da Região Metropolitana.[203] Ponte do Guaíba O setor dos transportes é administrado pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). A população é atendida por uma frota de 1 592 ônibus, 403 lotações (vans ou micro-ônibus), 618 veículos de transporte escolar e 3 923 táxis. Os ônibus servem em 364 linhas, transportando cerca de 1,1 milhão de passageiros por dia. Destes ônibus, 371 possuem adaptações para pessoas portadoras de deficiência física e 359 têm ar-condicionado. As lotações percorrem em 46 linhas, conduzindo 56 000 passageiros por dia. A frota de transporte escolar atende 392 escolas cadastradas e 15 824 estudantes. A EPTC também organiza um programa de educação para o trânsito, operacionalizado por agentes de fiscalização apoiados por professores e técnicos. A qualidade da frota e a cobertura em todos os tipos de demanda posicionam a cidade como uma das referências nacionais em mobilidade. Em 2009 a frota total de veículos na capital era de 659 082 unidades, segundo informação do DETRAN, representando uma taxa de motorização de 2,18 habitantes por veículo, uma das mais elevadas do país.[204][205] A Prefeitura controla a Companhia Carris, a mais antiga empresa de transporte coletivo do país em atividade, criada em 19 de junho de 1872. Atualmente ela mantém 27 linhas, com uma frota de 339 veículos, a maior da cidade, respondendo por um quarto do total de passageiros transportados.[206] Panorama do trânsito na cidade. O Cais Mauá do Porto de Porto Alegre O número de usuários do transporte coletivo vem em geral caindo desde o início do acompanhamento em 1994, com alguns intervalos isolados de elevação. Entre as causas apontadas estão o valor da tarifa de ônibus, considerado alto por muitos usuários, a expansão da frota de automotores individuais, o crescimento do número de assaltos em ônibus e a difusão do uso da internet para atividades que antes exigiam deslocamento físico. Também se registrou um aumento nas reclamações por imprudência no trânsito, no número de acidentes com feridos e no volume de engarrafamentos.[22] Embora nos últimos cinco anos o número total de acidentes de trânsito tenha aumentado, proporcionalmente ao número de veículos a tendência é de queda constante.[207] Em 2009 ocorreram 161 acidentes no trânsito local com vítimas fatais[208] e 1 268 atropelamentos.[209] O movimento de ônibus intermunicipais é concentrado na Estação Rodoviária de Porto Alegre, com atendimento 24 horas, setor de encomendas, guarda-malas, informações, postos do DAER, dos Correios e da Brigada Militar, tele-entrega de passagens, restaurantes e bares.[210] Em dias de grande movimento, como nos feriados de Carnaval, podem passar pela rodoviária até 80 mil pessoas por dia.[211] O fluxo aéreo é servido pelo Aeroporto Salgado Filho, com 37,6 mil m² de área construída, podendo receber simultaneamente até 28 aeronaves de grande porte, do tipo Boeing 747. O controle de movimentação de aeronaves é totalmente automatizado e informatizado. Um outro terminal, de 15 000 m², atende à aviação de terceiro nível (aeronaves convencionais e turbo-hélice). O Aero-shopping funciona 24 horas com lojas, serviços, praça de alimentação e cinemas. Seu terminal de carga aérea tem capacidade mensal de 1 500 t de carga exportada e 900 t de carga importada. O movimento médio diário é de 174 aeronaves, ligando Porto Alegre direta ou indiretamente a todas as capitais do País, às cidades do interior dos estados sulinos e São Paulo, além de manter linhas com voos diretos aos países do Cone Sul.[212] Cerca de 13 mil passageiros usam diariamente o aeroporto, que é o principal da região Sul do Brasil e está passando por uma ampliação.[201] A ferrovia de Porto Alegre, de bitola de 1 metro, é controlada pela empresa América Latina Logística do Brasil (ALL), fazendo transporte principalmente de farelo de soja, derivados de petróleo, álcool, arroz, adubo e soja em grão.[213] Existe uma linha de metrô de superfície, o Trensurb, que interliga Porto Alegre com as cidades do eixo norte da Região Metropolitana, chegando até Novo Hamburgo. Foi criada em 1980 para aliviar a já saturada principal via de acesso rodoviário da capital, a BR-116. Em 2009 transportou 44 404 858 passageiros.[214] O Porto de Porto Alegre, administrado por uma autarquia do Governo do Estado, é o maior porto fluvial do país em extensão, com oito quilômetros de cais acostável. Sua estrutura conta com 25 armazéns com 70 mil m², numa área total de 450 000 m². Nos últimos cinco anos o porto movimentou cerca de quatro milhões de toneladas/ano, em produtos como papel, fertilizantes, sal, grãos, transformadores, frangos e celulose.[215] Educação[editar | editar código-fonte] Ver artigo principal: Educação em Porto Alegre Entrada do antigo Instituto de Química da UFRGS, um prédio histórico Porto Alegre em 2007 recebeu do Ministério da Educação o selo que a reconhece como Cidade Livre do Analfabetismo, concedido a toda cidade que alcançar 96% de alfabetização. Entre as capitais, além de Porto Alegre, apenas Curitiba e Florianópolis foram reconhecidas. Conforme o censo do IBGE de 2000, Porto Alegre registrou taxa de analfabetismo de 3,3%.[216] Em 2009 seu ensino fundamental era servido por 369 escolas e 8 777 docentes, atendendo a 190 005 matriculados; o ensino médio era ministrado por 3 281 professores em 142 escolas, para 51 319 alunos.[217] O Colégio Militar de Porto Alegre ficou em 2007 na 14ª colocação entre as melhores escolas da rede pública brasileira com maiores médias no ENEM.[218] Na escala estadual, o Colégio Militar e o Colégio Anchieta são os dois melhores.[219] Existem muitas universidades e faculdades, e as duas maiores universidades sediadas em Porto Alegre foram consideradas em 2006 como as melhores da região sul do Brasil - a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).[220] Em 2009, a PUC-RS foi premiada como a melhor universidade privada do ano do Brasil, segundo o V Prêmio Melhores Universidades 2009, do Guia do Estudante e Banco Real - Grupo Santander.[221] Em 2010, a UFRGS se colocou entre as 500 melhores universidades do mundo[222] e, no Índice Geral de Cursos (IGC) 2008-2011, elaborado pelo Ministério da Educação, a UFRGS se classificou como a melhor do país. Na mesma avaliação, a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) ficou com a 12ª colocação nacional e a PUC-RS com a 21ª, entre 227 instituições universitárias avaliadas.[223] Em 2013 o QS World University Rankings classificou a UFRGS como a terceira melhor universidade federal brasileira, bem como a quinta melhor universidade do país, tendo ocupado a décima quarta posição entre as instituições da América Latina.[224] Saúde[editar | editar código-fonte] Ver também: Lista de hospitais de Porto Alegre Hospital de Clínicas Em 2005 a cidade contava com um total de 519 estabelecimentos de saúde, 133 deles públicos e 105 municipais. 40 ofereciam internação total e 188 estavam ligados ao SUS. O total de leitos oferecidos era de 7 701, sendo 1 542 públicos, e destes 271 eram municipais. 365 estabelecimentos ofereciam atendimento ambulatorial total, 132 ofereciam tratamento odontológico, 33 tinham serviço de emergência total, e 21 ligados ao SUS tinham setor de UTI.[225] Vários hospitais da cidade já foram premiados em nível nacional nos últimos anos. Em 2001 o Hospital Independência recebeu o Prêmio Qualidade Hospitalar, outorgado pelo SUS,[226] e, em 2002, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o Hospital São Lucas da PUC-RS, o Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul e a Policlínica Santa Clara da Santa Casa de Misericórdia.[227] O Laboratório Weinmann recebeu o Prêmio Nacional da Gestão em Saúde – Nível Ouro na categoria Laboratório, no ciclo 2003-2004.[228] Também são considerados instituições referenciais no Brasil, seja em conjunto ou em alguma especialidade, entre outros, o Hospital Psiquiátricos São Pedro, Hospital Moinhos de Vento,[229] o Hospital Conceição[230] e o Hospital Fêmina.[231] Água, saneamento, energia e habitação[editar | editar código-fonte] Ver artigo principal: Abastecimento de água em Porto Alegre Praia de Ipanema, Porto Alegre. Os serviços básicos de Porto Alegre estão em níveis muito superiores às outras capitais nacionais, apresentando, de acordo com Balarine, condições satisfatórias particularmente nas áreas de energia elétrica e abastecimento de água.[30] Dados do Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE) indicam que atualmente Porto Alegre tem 100% da população atendida com água, com uma rede distribuidora de 3 716,52 km e uma capacidade de 193 890 m³ de armazenagem em reservatórios.[232] O Lago Guaíba é o principal manancial de abastecimento de água de Porto Alegre, entretanto ele recebe poluição de várias naturezas, incluindo esgotos domésticos in natura ou parcialmente tratados, além de efluentes industriais e agrícolas.[233][69] O outro manancial importante é a Represa da Lomba do Sabão, localizada dentro do Parque Saint-Hilaire, constituindo uma reserva estratégica de água caso algum acidente ambiental venha a impedir temporariamente a utilização da água do Guaíba.[234] Para tratar essas águas existem 7 estações,[232] e o DMAE também realiza um programa de educação ambiental sobre o correto uso da água e disposição do esgoto.[235] Há 1 648 km de redes de coleta de esgoto e 12 estações de bombeamento. A população atendida por rede de esgoto cloacal e pluvial é de 56% e por rede mista é de 29%. A capacidade de tratamento do esgoto coletado é de até 80%, mas somente 65% é efetivamente tratado [236]. A Prefeitura gastou em 2009 17% de sua receita em saneamento básico, representando mais de 500 milhões de reais. Recentemente foi lançado o Projeto Integrado Socioambiental, financiado em sua maior parte pelo BID e pela CEF, que visa ampliar a capacidade de tratamento de esgotos de 27% para 77%, com um investimento de 586,7 milhões de reais.[237] A coleta de lixo é organizada pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), atendendo a 100% dos domicílios. O sistema é de coleta seletiva, boa parte do lixo seco é reciclado, parte dos resíduos alimentares é transformada em ração animal e outros resíduos são depositados em aterros sanitários.[238][239] Contudo, os serviços de coleta são terceirizados e o atendimento nem sempre está dentro dos parâmetros exigidos,[240] enfrentando-se também o problema da falta de conscientização de parte dos habitantes sobre a destinação adequada dos materiais descartados.[241] Favelas na entrada norte da cidade A energia elétrica é fornecida pela Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE), do Grupo CEEE, concessionária dos serviços de distribuição de energia elétrica na região sul-sudeste do estado.[242] Em 1991 99,5% dos domicílios eram servidos de eletricidade,[243] e a empresa em anos recentes tem feito diversos investimentos para melhorar o atendimento e expandir a rede.[244][245] A voltagem da rede é de 110 V.[53] Desde 1999 Porto Alegre dispõe de fornecimento de gás natural, vindo por gasodutos desde a Bolívia e Argentina.[246][247] Como já foi citado, a construção civil se concentra atualmente no setor habitacional e o mercado imobiliário está em expansão.[183] Havia em 1991 380 987 domicílios registrados e, destes, 78 615 eram alugados. A tendência atual é de os preços de aquisição de moradias caírem, bem como o número médio de habitantes por domicílio. Por outro lado, a média de área ofertada por morador vem crescendo.[248] A Prefeitura vem oferecendo uma série de incentivos e concedendo isenções fiscais para o estímulo à construção e aquisição de habitações populares, bem como tem procurado a regularização fundiária de vários assentamentos desordenados.[249] Apesar dos progressos em termos de habitação, em 1991 permanecia um déficit habitacional estimado em 96 945 moradias,[250] e o problema das favelas continua sério, atingindo cerca de 22% da população, um terço deste percentual vivendo da triagem de lixo doméstico. Com o recuo na industrialização municipal e o declínio da atividade portuária, a questão tem piorado.[14] Comunicações[editar | editar código-fonte] Ver também: Lista de meios de comunicação de Porto Alegre Sede do jornal Correio do Povo, um dos mais tradicionais da cidade Porto Alegre possui vários jornais, destacando-se a Zero Hora, o Correio do Povo, O Sul, o Diário Gaúcho e o Jornal do Comércio.[251] Três deles estavam em 2008 entre os dez de maior circulação no país, segundo dados do Instituto Verificador de Circulação, ocupando respectivamente a 7ª, 8ª e 9ª colocações: Zero Hora (187 220 exemplares/dia), Diário Gaúcho (167 125) e Correio do Povo (157 543).[252] Existem diversas rádios, como a Rádio Gaúcha, a Rede Atlântida, a 102.3 FM, a Rádio Liberdade, a Mix FM Porto Alegre, a Rádio Guaíba, a Rádio Pampa, a FM Cultura, a Radio Grenal e muitas outras.[253] Em dados da ANATEL, em julho de 2010 Porto Alegre possuía 393 607 telefones fixos (referentes apenas às concessionárias do STFC)[254] e, em 2008, um índice por área de DDD (051) de 90,34 aparelhos celulares a cada 100 habitantes.[255] Há fácil acesso à internet na cidade, e como disse André Kulczynski, diretor da Procempa, pode ser considerada, entre as capitais brasileiras, privilegiada nesse aspecto. A cidade possui uma infovia própria e está inteiramente coberta por uma rede wireless (sem fio), a administração do município tem uma rede de fibra óptica de 400 km de extensão, todas as escolas do município dispõem de banda larga e em 2010 os postos de saúde iniciaram sua integração ao sistema. Centros de capacitação digital oferecem cursos gratuitos, inclusive para portadores de deficiências, idosos e adolescentes, e o Poder Público já abriu em ambientes públicos o acesso livre e gratuito à internet. O uso institucional da internet pela Prefeitura gerou economia de 8 milhões de reais em telefonia em 2008.[256] Recentemente entrou em teste um sistema de internet via rede elétrica.[257] O serviço postal é atendido por 62 agências da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos na cidade.[258] Entre os canais de TV operando na cidade estão a RBS TV, a Band RS, o SBT RS, a RecordTV RS e a TV Pampa.[253] O maior conglomerado de comunicações de Porto Alegre é o Grupo RBS, filiado à Rede Globo, que possui 18 emissoras de TV associadas no estado e em Santa Catarina, mais 25 emissoras de rádio, 8 jornais diários, 4 portais na internet, uma editora, uma gráfica, uma gravadora, uma empresa de logística, uma empresa de marketing e relacionamento com o público jovem e participação em uma empresa de mobile marketing.[259] Porto Alegre também é sede da Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão (AGERT), uma entidade que congrega 296 filiados, entre emissoras de rádio, televisão e representantes comerciais.[260] Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte] Interior do Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS Em nível municipal o campo da ciência e tecnologia é administrado pelo Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia, que elabora e discute as políticas públicas para o setor em Conferências Municipais com periodicidade bienal.[261] Outras instâncias oficiais também se dedicam ao fomento do setor, como o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, desenvolvendo uma série de atividades em pesquisa, ensino e qualificação técnica, de nível elementar a superior,[262] e a Fundação de Ciência e Tecnologia, vinculada ao Governo do Estado.[263] Porto Alegre já sediou várias edições da Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Globaltech[264] e é a sede permanente do Fórum Internacional Software Livre, o maior encontro de comunidades de software livre da América Latina e um dos maiores do mundo.[265] Também as universidades locais têm grande empenho na área. A PUC-RS mantém o Museu de Ciências e Tecnologia, dispondo de uma grande área de exposição permanente com mais de 10 mil m² e cerca de 750 equipamentos interativos, além de atuar na pesquisa e ensino científico de maneira destacada, sendo escolhida em 2010, junto com a UNICAMP, como as melhores em Ciências Exatas e Informática.[266][267] A UFRGS também mantém vários núcleos que são referência nacional em ensino e produção científica.[268][269] Diversos pesquisadores ativos na capital já receberam premiações e desenvolvem projetos pioneiros em suas especialidades.[270][271][272] Segurança e criminalidade[editar | editar código-fonte] A criminalidade em Porto Alegre tem mostrado índices variáveis nos últimos anos. Em 2007 foi a capital brasileira, entre as 13 maiores do país, onde o homicídio mais cresceu, o número de mortes por agressão aumentou quase 60% em relação a 2006 e os homicídios aumentaram em 57,5%, metade do número das ocorrências em todo o estado. As principais causas apontadas foram o sucateamento do sistema de segurança, o acirramento da rivalidade entre as polícias Civil e Militar, e o aumento do tráfico de drogas e de bolsões de pobreza.[20] Por outro lado, em 2009, com o reforço no policiamento ostensivo, os números caíram em várias áreas do crime. De acordo com os dados da Brigada Militar, no Centro o roubo a estabelecimentos comerciais caiu em 52% e os furtos 40%. Nos casos de furtos e roubos a pedestres e veículos, a redução dos índices ficou entre 13% e 44%.[273] Em 2010 foi instalado um sistema de mapeamento do crime via internet, com resultados significativos: em apenas seis meses de uso verificou-se a redução nos índices de criminalidade, conforme o tipo, de 4,6% a 37,9%. Os bons resultados também são consequência do aumento do efetivo, que teve neste ano um acréscimo de mil soldados.[274] O delegado Bolívar Llantada disse que a taxa de homicídios vem caindo nos últimos três anos: em 2007 foram registrados 485; em 2008, 482 e, em 2009, 411. Até julho de 2010 foram registrados 232. Segundo o delegado, de 80 a 90% dos homicídios da capital estão ligados ao tráfico de drogas.[21] Sede do 1º Comando Regional de Bombeiros Apesar da perspectiva positiva em 2010, a ocorrência de crimes violentos por 100.000 habitantes quase dobrou de 2011 a 2015, posicionando-se como a cidade mais violenta do estado. Quanto à quantidade de crimes registrados, a cidade tem o maior número de casos de homicídios dolosos, furtos, furtos de veículo, roubos, roubos de veículos, latrocínios, extorsões, extorsões mediante sequestros, estelionatos, crimes relacionados à corrupção, à armas de fogo e munições, e posse e tráfico de entorpecentes do estado.[275] Em 2015 foram 1.479 homicídios, uma taxa de 34,73 a cada 100 mil habitantes.[276] A segurança pública é oferecida por vários corpos especializados mantidos pela Prefeitura Municipal. A Guarda Municipal patrulha prédios e espaços públicos, faz a segurança de pessoas públicas e eventos oficiais, e atende à população de várias maneiras, como em reintegrações de posse, vigilância motorizada, socorro em incêndios e desabamentos e combate à pichação.[277] O Centro de Referência às Vítimas de Violência presta informações e orientações às vítimas de violações de direitos, abuso de autoridade, exploração sexual e qualquer tipo de discriminação.[278] O Programa Nacional de Segurança com Cidadania foi implantado em Porto Alegre para atender ao jovem que se encontra em situação infracional ou a caminho dela.[279] O Sistema de Defesa Civil municipal se dirige a ações preventivas, de socorro, assistenciais e recuperativas, com o propósito de evitar ou minimizar desastres, procurando ao mesmo tempo preservar o moral da população e restabelecer a normalidade do convívio social.[280] Outro corpo de segurança presente na capital é a Polícia Civil, com funções principais de polícia judiciária.[281] Finalmente, a Brigada Militar, mantida pelo Governo do Estado, tem múltiplas atribuições com os objetivos de integração e proteção da população, como policiamento preventivo e ostensivo, patrulha ambiental, defesa civil, auxílio às Forças Armadas, combate às drogas, busca e salvamento, profissionalização de adolescentes em situação de risco, promoção da cidadania e instrução sobre higiene básica, além de providenciar os serviços de bombeiros e, durante o verão, o de salva-vidas.[282] Ocorrência de crimes violentos para cada 100.000 habitantes[283] 2011 2012 2013 2014 2015 14,18 15,83 17,82 21,66 27,81

Hotel Para Caes Em Portao Rs

Algumas Dicas Sobre Hotelaria para Cães

hotelaria para caes

Os animais de estimação nunca devem ficar sozinhos por longos períodos

Um bom hotel para cães é uma boa escolha para que você deixe seu pet com toda a segurança e cuidados necessários enquanto enquanto viaja. Sabemos que nem sempre é possível levar seus bichinhos juntos e contratar serviços de profissionais é uma boa escolha nestas ocasiões

 

Todos os hotéis têm a obrigação de realizar limpeza, esterilização e dedetização

Pode parecer simples, mas a higiene é um dos principais indicadores da qualidade dos hotéis de animais. Antes de deixar seu querido cãozinho, aproveite e faça uma visita ao local para reparar na higiene (e nos cheiros).

 

Veterinário no local ou de plantão

O fácil acesso a um veterinário garantirá mais segurança na estadia de seu cão. Alguns hoteizinhos para animais possuem veterinários no local, enquanto outros contam com um profissional de plantão, independentemente o importante é estes serviços estarão disponíveis para os animais hospedados.

Se o seu cãozinho precisa tomar remédios ou necessita uma alimentação diferenciada, é fundamental que isto fique registrado nos procedimentos do hotel.

 

As acomodações dos animais

O hotel ideal tem acomodações para os animais ficarem em locais fechados protegidos das intempéries e também permite os animais soltos, mas com total controle.